24 de jan de 2011

capitulo 10

Posted by sandry costa On 1/24/2011 3 comments

 Sentimentos imutáveis



- Tânia, tem uma coisa que eu não entendo...

- Novidade seria se você entendesse algo Jess... – Tânia ironizou.

- Por que você namora o Edward se você passa mais tempo na cama do Jonh?

- Na verdade nunca estive na cama do Edward, sequer estive numa cama com ele. O cara é um romântico e disse que ainda não chegou a hora dele. Ele quer que seja especial. – Tânia disse com escárnio – Edward é peça rara para a minha coleção e eu só vou sossegar quando ele fizer parte dela. – Tânia disse firme. Senti meu estomago girar. Como uma pessoa podia ser tão asquerosa?

- Mas por que toda essa obsessão?

- Sabe, eu não fazia muito empenho, mas quando eu tentei ficar com Edward a primeira vez... Era só pela beleza dele, mas ai a amiguinha dele me atrapalhou. Acredita que ela caiu e o Edward saiu correndo pra cuidar dela na hora que ele ia me beijar? – Me lembrei da cena de quando eu tinha dez anos e a corda arrastou minha perna e eu bati a cabeça no chão. Foi naquele dia que Edward me deu um selinho. O meu primeiro beijo. – Ai, eu me toquei logo que a garota devia gostar dele então eu resolvi fazer vingança a ela.

- A garota é uma chata sem sal mesmo. – Jessica riu. – Agora seu relacionamento com o Jonh vai ficar mais difícil não é. Agora que o Edward entrou pro time.

- Um pouco, mas depois eu vejo. Antes tinha o irmão dele mesmo.  Não vai mudar grande coisa... Você tem blush?

- Pode pegar aí na minha bolsa.

- Jéssica! – Tânia deu um grito.

- O que foi? – Ela se assustou também.

- Pra que esse tanto de camisinha? – Ela riu – Você esta ficando cada vez mais perva amiga!

- Nunca se sabe não é?- ela gargalhou. – Vamos que a aula já vai começar.

Esperei mais alguns segundo depois que eu ouvi o click da porta. Eu estava incrédula e minha cabeça girava. Edward era o brinquedinho da Tânia. Fiquei com raiva e de mãos atadas. O que eu poderia fazer era tentar provar ao Edward. Fazê-lo enxergar a realidade.

O sinal tocou e eu fui correndo pra aula de biologia. Essa aula eu tinha com Edward. Ele não havia chegado à sala quando eu entrei na sala. Sentei na cadeira  e abri o meu caderno rabiscando de jeito disforme.

Vi pela minha visão periférica alguém parado ao meu lado. Olhei e vi Mike Newton parado ao meu lado.

- Oi Mike. – Falei educadamente, Mike tinha um sorriso tímido no seu rosto de bebê.

- Como vai Bella? – Ele perguntou tímido.

- Bem e você?

- Bem também. – E então silencio. – Er... Eu...

Nesse momento o Edward puxou a cadeira do lado e sentou.

- Oi Mike! – Edward cumprimentou.  Mike se desconcertou e depois de responder um oi murmurado saiu praticamente correndo dali.

Eu voltei aos rabiscos do meu caderno, comecei a desenhar algumas notas musicais na folha.

- Como foi o seu intervalo? – ele perguntou abrindo o livro.

- Curioso... – Respondi séria.

- O que houve de tão curioso? – Ele perguntou rindo.

Eu ponderei...

- Conversas no banheiro... Escutei uma hoje interessante...

Ele riu então o professor entrou na sala e mostrou um trabalho que a gente faria hoje no telescópio.

Dentro da minha cabeça estava um dilema infindável... Conto ou não pro Edward que Tânia o trai.

- E então? O que você descobriu de tão interessante hoje? - Edward perguntou enquanto olhava no microscópio - Telófase. - disse então identificando a fase da mitose.

- Como está seu namoro com Tânia? - Ele olhou pra mim franzindo o cenho, e fez uma expressão de que não havia entendido a minha pergunta inesperada. – Intérfase. – Empurrei o microscópio para ele.

- Bem Bella... E o que isso tem a ver com o que escutou no banheiro?

 Muita coisa... Pensei comigo mesma.

- E-eu.. - eu tinha que gaguejar? - Eu descobri que a Tânia não presta. – disse colocando o olho no microscópio.

 - Bella. - Edward chamou minha atenção veemente batendo a mão no tampo da mesa. - Tudo bem que você não vai com a cara da Tânia, mas você tem que respeitar o meu namoro com ela. Eu sei que ela é chata e egoísta, às vezes, porém ela me ama e nunca me deu um motivo se quer pra que eu pudesse desconfiar da sua honestidade. Eu me encolhi. Nunca Edward havia sido grosso comigo.

- Anáfase. – Murmurei espiando o telescópio. Ele anotou.

- A única coisa que dá motivos de desconfiança sou eu que passo tempo demais com você. Principalmente no dia que passamos em Port Angeles. – ele olhou rapidamente o microscópio – Metáfase.

Senti uma dor lacerante no meu peito e um nó se formou na minha garganta.

- Arrependido? – Perguntei friamente.

- Não ponha palavras na minha boca Bella. – Edward disse sério. – Prófase. – ele me empurrou o telescópio.

- Não preciso de palavras. Seu olhar entrega tudo.  – Me levantei e sai dali rapidamente.

O professor nem me viu sair. Uma vez no corredor me lembrei que não tinha passe. Então corri para o meu carro, os vidros eram escurecidos e ninguém me viria. Quando estava no banco do carro uma lágrima desceu pelo meu rosto.

- Merda. – Funguei passando a mão na lágrima traiçoeira.

Fechei os olhos me lembrando do meu primeiro beijo. Era tão surreal... Parecia pertencer a um universo alternativo... Não sei quanto tempo fazia que eu estava no carro, mergulhada em lembranças  e sonhos onde eu aparecia com Edward e ele era meu e não de outra.
O sinal tocou e eu saí do carro vagarosamente. Não tinha pressa para ir para a aula de educação física.

Em uma pare do caminho eu escutei vozes. Por estar sozinha eu me aproximei devagar ficando encostada na parede escutando o que se passava no outro corredor. Eu nunca fui o tipo espiã, mas eu reconheceria uma das vozes em qualquer lugar.

- O que você queria perguntar pra mim Mike? – Era Edward.

- Cara eu queria saber o que você e a Bella tem... Tipo... Você é afim dela ou algo assim.

Eu queria ver a reação de Edward, meu coração martelava no meu peito desesperado pela resposta.

- Mike... – Edward riu baixo-você esta querendo sair com a Bella?

- Não foge da minha pergunta. – ele respondeu veemente.

- Cara a Bella tem namorado. E não eu não sou afim da Bella. Ela foi e sempre será uma irmã pra mim. E isso nunca mudará.

Mais magoada que antes eu dei meia volta e sai dali. As palavras de Edward pareciam martelar na minha cabeça. Eu estava arrasada.

Mais tarde Alice me chamou para ir ao shopping de Port Angeles. Alice percebeu que eu e o Edward estávamos afastados quando eu fui à casa dos Cullens e não dirigi sequer o olhar a ele.

Depois de entrarmos em umas vinte lojas eu choraminguei:

- Lice! Faz três horas que estamos andando e eu acho que estou carregando dez quilos em cada braço com essa ruma de sacola.

- Bella... – Alice falou como se explicasse a uma criancinha – Nós vamos já parar ainda quero entrar em mais duas lojas.

Eu gemi.

- Isso que ainda nem passamos na loja da Victoria Secrets, - Rose falou - quero renovar meus lingeries... Prometi fazer um desfile pro Emm...

- Rosalie agradeceria se me poupasse da sua vida intima com o Emm – Disse veemente.

- Ai meninas, vocês não sabem o quanto é bom sentir o amor da vida de vocês por completo... – Rose disse sonhadora.  – É como se...

- Rose, por favor: pára antes que eu começa a imaginar você e o Emm... – Cortei com uma careta. Mas ela não se importou:

- A nossa ligação é tão forte que fico toda arrepiada só de imaginar o que vai acontecer depois do desfile!!! - Rose ria maliciosamente e depois completou: - E você Bella, como está o namoro com James? Já avançaram o sinal alguma vez?

- Er...eu...nós...é que...  Pelo amor, melhor a gente falar de outra coisa – Gaguejei - Escuta Alice... Quando é o baile de inverno? - perguntei tentando desviar o assunto. Não funcionou. Alice estava entretida olhando uma roupa na vitrine.

-Pode parar de me enrolar, vocês sabem de tudo da minha vida, nós somos amigas de infância e agora ficam escondendo estas coisas de mim? - Rosalie falou fazendo uma chantagem emocional.

- Rosalie, eu não sei se você acharia legal ouvir o que seu irmão faz entre quatro paredes... – Alice disse distante.

- Somos maduras Alice. Mas você tem razão não quero saber o que o Jasper faz... – Rosalie fez uma careta – Vocês sabiam que vai vir uma sexóloga para dar uma palestra lá no colégio?

- Não, eu não sabia. Enfim, cunhadinha, eu e o Jass estamos perfeitamente bem. – Alice soltou uma risada gostosa enquanto seu rosto ficava levemente rubro – E você Bella?

- E-eu o-o que?

- Como vai seu relacionamento com o James.

- Está ótimo. – Falei nervosa.

- Como você mente mal Bella... – Rosalie levantou uma sobrancelha.

- Como se a gente não a conhecesse desde sempre, né belinha?  – Alice disse rindo.

- Quem disse que estou mentido? Eu tenho um ótimo relacionamento com o James. – Falei começando a ficar com raiva.

- Ok, então me até que ponto vocês chegaram? – Rosalie perguntou maliciosa. - Ele já tocou em você? E você?  Já tocou nele?

- E-e-eu não gosto de falar sobre isso. O James me respeita e sabe meus limites. - Falei veemente

- Belinha... Quer dizer que as coisas nunca ficaram quentes entre vocês? Nunca aconteceu nadinha? – Alice falou com um muxoxo.

- Eu não falei isso. – Eu realmente estava ficando com raiva.

- Bella, às vezes, eu tenho a impressão que você não gosta do James. Você quando fala dele parece estar falando de qualquer um... Seus olhos chegam a ficar opacos e sem vida. Nem parece, por exemplo, a Alice, que quando fala do Jasper, os olhos brilham irradiando vida... – Rosalie disse série. Rosalie sempre foi bastante intuitiva. Intuitiva até demais pro meu gosto.

- Vamos Bella, confie em nós... – Alice disse de um jeito amigável.

- Eu gosto do James. Ele é ótimo, doce, simpático, gentil, respeitador...

- E cadê o amor nesta enorme lista? Por que se engana deste jeito? Parece que você está tentando esconder algum sentimento profundo por outra pessoa... - Rosalie falava seriamente e suas palavras acertavam-me diretamente no coração porque era a mais pura verdade... Ela notou pelo silencio que tinha razão. - Mas não é ele ainda... – Ela disse calmamente.

- Não. – Suspirei derrotada - Eu acho que não...

Rosalie podia ser egocêntrica e calada, mas quando ela olhava pro mundo tinha uma visão muito boa e real.

Paramos em frente a uma vitrine de bolsas.

- Eu gostei daquela ali Alice... – Apontei.

- Qual? – Ela perguntou com a mão no queixo.

- A vermelha.

- É bonita mesmo. Acho que vou comprar. AAAAAAAAh! – Alice gritou de repente

- Que foi Alice? – eu disse assustada.

- Sabe o que seria o máximo? – ela disse rindo. Acho que enfim endoidou.

- O que Alice? – Perguntei impaciente.

- Você e o Edward namorando! – Ela deu três pulinhos. Meu coração acelerou subitamente.

Eu ri histérica...

- Ia ser o máximo! – Ela falou muito animada – Afinal você não fala com outros caras além dos meus irmãos e do meu namorado...

- Alice isto esta fora de cogitação. O Edward é como um irmão. Não há segundas intenções entre a gente. Compreenda isso. E pense não é porque eu não falo com outros caras não signifique que eu não possa ser afim de outra pessoa. A prova disso, sou eu estar com o James. Eu gosto muito do James e por mais que vocês tentem ver coisas que não exista eu não mudarei meus sentimentos quanto a eles. – Mesmo porque esses sentimentos já foram formados. –completei mentalmente.

Saímos do shopping e fomos direto pra casa. Voltamos antes do crepúsculo. Meu carro havia ficado em casa. Rosalie havia me pegado e passado nos Cullens. Assim que chegamos lá Esme nos chamou para jantar.

Eu fui para a sala de música. Edward estava na garagem lavando o carro.

Eu estava em dúvida se ia falar com ele ou não. Sentei no sofá que havia perto da janela e olhei para o lago. Como eu queria que as coisas fossem mais fáceis.

Eu nem sabia do que eu tinha que me desculpar com Edward. Só sabia que eu precisava me entender com ele. Eu não podia viver ser a presença dele.

Então tomando coragem desci pra garagem. Estava chovendo forte. Eu podia ir por dentro da casa, era mais rápido, mas como ainda não sabia o que falar fui por fora, encolhida próxima a parede para não me molhar. A Garagem estava aberta e tinha duas baldes enchendo com água da chuva. Encostei-me no portal.

Edward estava passando sabão na frente do carro, mas na mesma hora sentiu minha presença e se levantou para me olhar.

- Oi. – Murmurei.

- Oi...

- Eu... Eu vim pedir desculpas Edward. - suspirei eu realmente não sabia o que dizer. Ele arqueou uma sobrancelha me deixando mais nervosa – Não que eu me arrependa do que eu disse sobre a Tânia. Arrependo-me de ter te magoado e de ter saído daquele jeito lá da sala. Perdão. – Silencio. Edward só me olhava com um jeito inexpressivo – Então? Me perdoa?

Edward parecia sério e compenetrado enquanto eu falava, porém quando terminei de falar, num átimo jogou o balde de água em cima de mim e assustada perguntei:

- Edward? Enlouqueceu? – Eu tentei chacoalhar minha blusa estava toda ensopada, ainda bem que era uma malha grossa que não ficava transparente. Ele riu gostosamente.

- Agora que você sabe como eu me senti quando me deixou sozinho naquela sala. Eu te perdôo.

Eu bufei com ódio. Edward ria gostosamente com as mãos na barriga se contorcendo de tanto rir. A esse ponto a chuva era fininha e Edward estava fora da garagem. Meu corpo tremia de frio. Olhei para Edward foi ai que notei que ele estava muito próximo a uma enorme poça de lama. Cheguei bem próximo dele e o empurrei em direção a poça o fazendo cair de bunda e se sujar todo.

E no mesmo instante, ele agarrou meu pulso e fez com que eu caísse ao lado dele... Ele riu matreiramente e falei com uma voz vingativa:

 - Você quer  guerra Edward? Então terá guerra!...


3 comentários:

Esses dois merecem ficar juntos.
O capitulo está otimo.
beijos.

quero mais!!
quero mais!!
quero mais!!
quero mais!!
quero mais!!

Que que maximo quero mais³

Postar um comentário

Não esqueça de comentar, isso incentiva os escritores e também a mim que tento agradar a vocês.