12 de jan de 2011

capitulo 6

Posted by sandry costa On 1/12/2011 2 comments

Ao acordar



Tudo estava tão claro, exato, definido. A luz brilhante que passava por minha cabeça, ainda cegava-me e, no entanto, ainda podia ver claramente os fios brilhantes dos filamentos dentro da lâmpada. Eu podia ver cada cor do arco-íris na luz branca, e na ponta do espectro, uma oitava cor que eu não encontrava um nome para dar.

Por detrás da luz, eu podia distinguir acima os diferentes grãos da madeira escura em seu limite máximo. Em frente a ela, eu podia ver os montes de poeira no ar, a luz tocando os lados, e os lados escuros distintos e separados. Eles estavam separados como pequenos planetas, ao movimentarem-se uns aos outros, em uma dança celeste.

                A poeira estava tão bonita que eu inalava-a em estado de choque; o ar assobiava de maneira comum sobre minha garganta, agitando como um turbilhão em pequenas partículas. Eu me sentia mal pela ação.

 Eu consideravelmente percebi que não houve alívio ligado à ação. Eu não precisava de ar. Meus pulmões não estavam esperando por ele. Eles reagiram indiferentes ao afluxo. Eu não precisava do ar, mas eu gostava dele.

Nele, eu podia sentir o quarto em torno de mim - saboreando as adoráveis partículas de pó, a mistura de ar a estagnação da mistura com o fluxo de ar mudou um pouco, se tornando mais frio, quando a porta se abriu.

                Eu experimentava um exuberante sopro de seda. Uma pitada de sabor fraco algo quente e desejável, algo que devia ser úmido, mas não foi… Esse cheiro deixou minha garganta queimando secamente, um fraco eco de queimar o veneno, embora o perfume fosse contaminado pela picada de cloro e amoníaco.

 E, acima de tudo, eu sentia uma quase-mel-lilás-e-sol que eram as características do perfume que eram a coisa mais forte, a coisa mais próxima para mim.

                Ouvi o som de Rosálie, respirando novamente, agora eu pude sentir. A sua respiração misturava-se com o aroma que era apenas algo como mel, lilás e sol, trazendo novos sabores. Canela, Jacinto, Pêra, Água do Mar, Pão Mal Passado, Pinho, Baunilha, Couro, Maçã, Musgo, Lavanda, Chocolate… Eu fazia uma dúzia de diferentes comparações na minha mente, mas nenhum deles se enquadrava exatamente. Portanto, doce e agradável.

                Eu também ouvi um desmaio, com um ritmo declarado em voz alta, com uma voz gritando irritada com uma batida. Música de Rap? Eu estava mistificada por um momento, e em seguida o som murcho a distância como o de um carro passando com as janelas abaixadas.

                Com um estalo, eu percebi que podia ser exatamente isso. Eu poderia ouvir todo o caminho pela estrada? Sim eu podia... Tudo estava mais claro agora.

2 comentários:

Capitulo maravilhoso.
Beijos

oi linda cap pouco revelador ...............
mas vamos ao proximo
beijos flor

Postar um comentário

Não esqueça de comentar, isso incentiva os escritores e também a mim que tento agradar a vocês.