8 de jan de 2011

capitulo 7

Posted by sandry costa On 1/08/2011 4 comments

Eu não quero o seu dinheiro



 - Foi isso! – Dei de ombros enquanto caminhava ao lado de Edward.

            - Ela não brigou com você? Nem te ameaçou, nem nada? – Edward indagou incrédulo.

            - Acho que ela compreendeu que nada que faça irá nos separar... – Agarrei sua mão e entrelacei nossos dedos – Então, não precisamos esconder algo que quase toda a península já sabe... – Pisquei para ele.

            Entramos no refeitório, todos os olhares se voltaram para nós e os murmúrios começaram.

            - Odeio ser o centro da atenção... – Edward gemeu.

            - Eu também. – Dei de ombros – Mas estou adorando a cara de inveja das meninas.

            - Como se elas quisessem algo comigo... – Edward revirou os olhos. – Só você é louca aqui.

            - Pare de se desvalorizar... – Belisquei sua bunda. – Você é gostoso.

            - Tarada, belisca na frente... [N/A: EU BELISCO o/!]

            - Olha que eu belisco. – Ri, sentei-me em uma mesa e o puxei para sentar na cadeira ao meu lado.

            [...]

            Seus dentes mordiscaram meus lábios enquanto suas mãos acariciavam minha coxa.

            - Não querendo quebrar o clima, mas já quebrando, posso pegar esses chocolates para mim?

            Afastei-me de Edward para olhar meu cunhado. Emmett estava com uma bandeja cheia de doces.

            - Claro, só deixe-me pegar dois desses... – Puxei dois chocolates favoritos de Edward e entreguei um a ele.

            - Eu também adoro moranguete... – Emmett sorriu passando a mão nos outros doces.

            - Para que quer tudo isso? – Edward indagou.

            - Para revender ué... – Abriu um sorrisão – Eu vendo mais barato que o da cantina e saiu no lucro.

            - Muito esperto. – Meu namorado revirou os olhos – O que vai fazer com o dinheiro?

            - Uma Tattoo!

            - Mamãe deixou você fazer? Não acredito... – Edward pareceu surpreso.

            - Na verdade não... – Emm deu de ombros – Mas depois que for feita não pode mais ser desfeita.

            - Que maneiro... – Sorri tendo uma idéia – Posso ir com você?

            - Bella, o que você vai fazer em um lugar como esse? – Edward perguntou rindo.

            - Uma Tattoo... – Imitei a voz de Emmett e fiz um gesto que aqueles manos faziam com a mão... Vida loca!

            - Bella sua mãe nunca permitiria isso!

            - Mas o que os olhos não vêem o coração não sente...

            Olhei surpresa para o meu cunhado, era a primeira vez que ele falava algo coerente.

            - Faz uma também amor. – Propus – Eu pago!

            - É mano... – Emmett puxou uma cadeira para se sentar em nossa mesa – Você escreve o nome de Bella e Bella escreve o seu, uma grande prova de amor.

            - Vamos amor...

            - Não Bells, o que vão pensar de um advogado com tatuagem?

            Ok, ele tinha razão...

            - Mas vocês podem fazer em um local mais... Reservado. – Emmett estava tão esperto hoje...

            - Sem chances.

            - Por favor, amor... – Implorei

            - Não Bells, nada que você diga vai mudar minha escolha...

            [...]

            - Ai, essa merda doeu muito! – Edward acariciou a coxa.

            Tínhamos decidido fazer em um lugar escondido, então Edward fez B.S e eu E.C próximo ao quadril, mas era pequeno, o cós de qualquer calça ou bermuda tamparia.

            - Pare de reclamar rapaz! – Emmett entrou no carro com a mão no anti-braço – Bella que é mulher não está reclamando, ninguém está sentindo dor aqui só você seu frutinha...

            Na verdade eu estava sentindo uma puta de uma dor, mas eu nunca confessaria.

            - Deixe-me ver sua Tatuagem... – Pedi para Emmett. – O que você fez?

            - Eu pedi para escreverem uma frase em japonês. – Mostrou o anti-braço.

            - Você sabe o que está escrito? – Indaguei prendendo o riso.

            - Claro... – Revirou os olhos. – Isso aqui significa força em japonês...

            - Se você diz... – dei de ombros prendendo riso. Liguei o carro.

            - Você sabe o que está escrito lá? – Edward inclinou-se para sussurrar em meu ouvido.

            - Aham...

            - E o que está escrito?

            Olhei pelo retrovisor e vi Emmett beijando a tatuagem, eu não ia destruir seus sonhos, mas ia contar a Edward.

*TATTOO DE EMMETT = 私はめちゃくちゃ大好き

            - Está escrito que ele ama tranzar... – Deixei uma risada escapar.

            - Nem se preocupe, de fato, ele ama. – Edward riu. – Bells, vamos almoçar juntos?

            - Claro... – Sorri. – Deixaremos Emmett em sua casa, depois vamos para a minha preciso tirar esse uniforme.

            - Ok.

            Deixei Emmett em sua casa e dirigi para a minha.

            [...]

            - Vem amor... – O puxei pela mão.

            - Bella eu acho melhor eu não entrar...

            Revirei os olhos.

            - Eu vou-te chantagear com o mesmo argumento que usei para você fazer a tatuagem.

            - Porque vocês, mulheres, sempre usam o sexo?

            - Porque é a única coisa que vocês zelam. – Sorri puxando-o para dentro de minha casa.

            - Bella você demor... – Renée travou na escada e sorriu um sorriso extremamente falso. – Oh que surpresa.

            - Boa tarde Sra. Swan.

            - Boa tarde Edward...

            - Ed espera aqui um minuto, vou me trocar e já volto. – Soltei nossa mão e subi para o meu quarto.


PDV Edward


            Renée ainda me olhava, virei o rosto para fitar a parede, era insuportável ficar próximo a ela.

            - Sente-se rapaz...

            Virei-me para encará-la e suspirei.

            - Pode ter certeza que está sendo tão desconfortável para mim quanto para você.

            Ok, que cobra! Só age como boa na frente de Bella...

            Não respondi, permaneci de pé, calado, olhando para a porra da escada pedindo a Deus para Bella descer logo.

            - Diga rapaz... Quanto quer?

            Olhei para Renée sem entender.

            - “Quanto quer” o que?

            - Quanto quer para acabar com esse namorico... – Sorriu – Sabe, nossa família é importante, e o seu namoro com minha filha está difamando nossa imagem, eu sei que você quer dinheiro, diga seu preço.

            Lancei-lhe um olhar de desprezo e nojo. Como... Como ela podia pensar que eu estava com Bella por conta do dinheiro.

            - Eu não quero o seu dinheiro. – Cuspi. – A única coisa que quero é sua filha, ou melhor, o amor dela.

            - Como se você a amasse. – Riu – Ande rapaz diga quanto quer dinheiro não é o problema. Afinal, você não serve para Bella, ela merece alguém melhor.

            Minha vista ficou turva, tudo estava vermelho. Eu jamais fui tão humilhado, e o pior é que ela tinha toda razão, eu não merecia Bella, mas eu não iria abrir mão da nossa felicidade por puro capricho de Renée.

            - Eu posso ser pobre, não ter dinheiro, carros velozes ou roupa de marca... – Sussurrei aproximando-me dela. – Mas nunca tiraria dinheiro de mulher alguma, muito menos da que eu amo. E nada, eu disse nada... Nada que você fizer vai me separar dela. Por que eu a amo mais que tudo.

            Dei as costas, enquanto Renée me olhava aturdida.

PDV Bella

            Toquei de roupa e peguei o presente que eu comprei para Edward.

            - Pronto... – Desci as escadas, mas minha voz se perdeu quando vi a porta aberta e a ausência de Edward. – Onde Edward está? – Perguntei para Renée.

            Ela deu de ombros.

            - Fui à cozinha e quando voltei, ele já não estava mais aqui.

            Ri ironicamente, eu conhecia Renée muito bem e sabia quando ela estava mentindo.

            - E eu que pensei que você aceitaria... – Suspirei – Mas é claro que não, Dã! Minha mãe é Renée Swan, aquela que só se importa com ela mesma. – Bufei – Espero que não tenha magoado Edward, pois se magoou...

            Corri para fora de casa e entrei em meu carro. Resolvi dirigir pelo caminho em que Edward fazia para ir embora e o encontrei. Parei o carro no meio fio e o segurei pelo braço.

            - Amor, espere.

            - Bella, me solta... – Ele não olhou para mim, mas sua voz estava embargada. – Eu só quero ir para casa.

            - Me desculpa isso tudo é minha culpa. – O abracei pela cintura. – Por favor, não fica chateado comigo...

            - Bells, você não tem culpa pela mãe que tem. – Erguei meu queixo. – O pior é que ela tem razão... – Colou sua testa na minha – Eu não sirvo para você.

            - Não precisava sair de lá, Renée terá de se acostumar com nosso namoro. – Colei nossos lábios.

            Edward riu.

            - Você acha que foi por isso que sai? – Indagou.

            - Por quê? Ela te fez algo? Falou algo?

            - Esqueça amor... – Acariciou meu rosto – Eu não quero falar nisso.

            - Não que falar, mais vai falar! – O puxei em direção ao meu carro.

            - Bella eu não quero por você contra sua mãe! – Reclamou enquanto entrava no carro.

            - Fale... – Liguei o carro.

            Edward suspirou enquanto olhava para suas próprias mãos. Tirei uma de minhas mãos do volante para entrelaçar com a dele.

            - Ok. – Bufou – Eu nunca fui tão humilhado... – Balançou a cabeça negativamente – Ela me ofereceu dinheiro para terminar nosso namoro.

            Pisei no freio e virei para encará-lo.

            - ELA O QUE?

            - Viu por isso eu não queria te contar... – Revirou os olhos – Isso não importa, eu deixei bem claro para ela que não vou parar de lutar por você. – Sorriu torto – E você não vai brigar com ela ok?

            - Ok... – Sorri – Mas...

            - Mas? – Arqueou uma sobrancelha.

            - Vou agir como se tudo estivesse normal, mas não vou dirigir a palavra a ela... Simples! Renée perdeu minha confiança, que nunca teve. Agora vamos almoçar.


            [...]

            - Vem vamos entrar um pouco... – Edward abriu a porta. Peguei a sacola no banco de trás e sai do carro também. – O que é isso? – Apontou para a sacola.

            - Um presente para você.

            Seu rosto se fechou.

            - Não vou aceitar.

            - Vai sim.

            - Vou não!

            - Vai!

            - Não!

            - Se ele não que, eu quero! – A sacola foi puxada da minha mão.

            - Emmett devolva! – Olhei para frente e vi Esme sorrindo, ela puxou a sacola da mão de Emmett e estendeu para mim. – Oi querida.

            - Oi Esme.

            - Vamos entrar... – Puxou-me pela mão.

            Edward e eu ficamos um pouco na sala com os outros, para depois subir para o seu quarto.

            - Amor, aceita... – Lhe passei a sacola – Por favor... – Fiz bico

            - Não faz... Esse bico!

            - Por favorzinho. – Pendurei-me em seu pescoço. – Vai amor, nem é um presente deslumbrante, é algo simples e vai ser muito necessário para nosso baile de formatura e sua profissão.

            - Bella eu me sinto tão mal aceitando seus presentes... – Bufou pegando a sacola.

            Sorri. Edward tirou a pequena caixa da sacola e a abriu.

            - Uma gravata? – Indagou surpreso.

            - Sim. – A peguei de sua mão – Afinal, todo advogado precisa de uma gravata e pelo que eu saiba você ainda não tem uma exato?

            - É.

            - Então... – Mordi os lábios – O que achou?

            - Obrigada Bells! – Edward me beijou – Obrigada pela gravata, obrigado por me apoiar em meus objetivos, obrigada por estar ao meu lado, e obrigada por me amar.

            - É isso que as namoradas fazem certo?

            - Correta Senhorita Swan.

            Edward empurrou-me para a cama e colocou-se sobre mim.

            - Eu te amo... – Sussurrei passando meus braços ao redor do seu pescoço.

            - Eu também amor, muito. – Sorriu – E eu juro que sua mãe não vai conseguir me desgrudar de você.

            - Ela não vai. – O empurrei para o lado e peguei a gravata – Sabe quando fui comprar a gravata fiquei te imaginando nela... – mordi os lábios – Então descobri que tenho uma fantasia sexual...

            Edward me olhou surpreso, e logo começou a rir.

            - Não ria! – Puxei o pelo das suas pernas.

            - Caraio Bella, isso dói.

            - É para doer mesmo! – Bufei – Eu quero você só para mim depois da formatura.

            - De gravata?

            - Sim. – Mordi os lábios.

            - Ok, só se você usar uma lingerie super-sexy. – Lambeu os lábios.

            - É obvio... – Revirei os olhos – Eu já até comprei.

            Edward gemeu puxando-me pelo tornozelo.

            - Olha como você me deixa... – Pressionou seu quadril contra meu ventre.

            Seu membro esta duro.

            - Edward aqui não, seus pais estão lá embaixo e seu irmão também.

            - Ok... – Bufou se jogando para o lado – Se importa se eu me aliviar aqui? - Minha boca se abriu de choque. – Brincadeirinha amor...

            Ri.

            - Palhaço! – O acertei com um travesseiro e pulei da cama.

            - Vem aqui gostosa, me dar um beijo! – Edward puxou-me pela cintura.

4 comentários:

Esses doi heim kkk'
Tenho medo que a Renee separe a bella do edward.
capitulo perfeito.
Beijos

cada capitulo melhor q o outro
parabens

cap simplesmente magnifico...............
esses dois sabem curtir a vida...rsrsr
mais a Renee nao vai deixar isso barato né
beijusss

eu concordo com a Ze
esses dois sabem curtir a vida...
e como sabem
aksoaksakspok'
parabéns
o cap está perfeito
mas eu ainda to querendo saber o que a Renee vai aprontar
Beeeijos

Postar um comentário

Não esqueça de comentar, isso incentiva os escritores e também a mim que tento agradar a vocês.