18 de jan de 2011

capitulo 8

Posted by sandry costa On 1/18/2011 1 comment

Best Seller



- Tânia! – Edward falou aborrecido – Nada de escândalos. Vamos. Entre no seu carro e me siga. Conversaremos na sua casa. – Edward estava com ódio.

Tomara que eles terminem! Tomara que eles terminem! – Não pude deixar de repetir isso pra mim mesma. Ele não a amava mesmo...

Tânia saiu pisando duro. Edward seguiu para o carro e sem olhar para mim ele foi embora, Tânia o seguindo.

Me virei para James. Ele deu um suspiro cansado.

- Podemos entrar Bells? – Ele disse calmo.

Eu não disse nada e passei por ele e abri a porta da casa, dando passagem para ele entrar.

James entrou e foi direto para a sala se sentando no sofá. Eu o segui e me sentei ao lado dele.

- James? – Eu o chamei baixinho – Me perdoe. Eu não avisei porque não imaginava a hora que ia voltar... Eu...

- Bella... – James me olhou nos olhos. – Eu não me importo com suas saídas, ou a hora que você volta delas... Eu me importo com quem você sai... – ele vincou as sobrancelhas.

- Eu fui a Port Angeles, comprar livros. – Eu falei calma.

- E onde estão os livros? – Ele perguntou.

Eu olhei para o lado e foi aí que me lembrei: Todos ficaram no porta malas do carro de Edward.

- Estão no carro de Edw...

- Não me fala o nome dele. – James me cortou. Eu me encolhi. – Bella. Você acha que eu gosto de usar acessórios na cabeça? – olhei intrigada – De ser corno Bella. – Ele me explicou.

- Não... – murmurei. – Mas você tem que confiar em mim. Eu não te traio. Edward é meu amigo. Sempre foi. Não espero que eu pare de falar com ele por sua causa. – Exasperei.

- Bella... – James parou, fechou os olhos, respirou fundo e então me olhou. – Me perdoe. Exagerei. – Ele apertou minha mão.

- Me perdoe também... Eu dei motivos.

James deu um sorriso torto e me abraçou. Depois me deu um beijo singelo e calmo. No final nós sorrimos um para o outro.

- Eu tenho que ir. – ele murmurou. – Amanhã a gente se fala.

Eu assenti. Ele me deu um beijo rápido e saiu. Fitei o sofá por um tempo assimilando o que havia ocorrido. Balancei a cabeça rapidamente e acabei indo dormir.

***

Dei um suspiro... Ontem havia sido estranho... Toquei de novo o refrão da música recém composta.

Yes I could tell you

(Sim, eu poderia te contar )

His favorite color’s Green

(Que sua cor preferida é verde )

He loves to argue

(Ele adora discutir )

Born on the seventeenth

(Nasceu no dia 17)

His sister’s beautiful

(Sua irmã é linda )

He has his father’s eyes

(Ele tem os olhos do pai )

And so you ask me so I love him..

(E se você me perguntar se o amo, )

And so you ask me so I love him..

(E se você me perguntar se o amo, )

I’d lie

(Eu mentiria )

Por que eu tinha que me apaixonar por ele? Dei um suspiro. Comecei a dedilhar uma ponte de uma música qualquer. Então escuto as folhas da árvore se mexer.

Olho pro lado e Edward esta se sentando na árvore. Ainda bem que ele não chegou um pouco mais cedo, senão ele teria escutado a música. Enquanto ele se estabilizava, fiquei admirando sua beleza, ele encostou-se ao tronco e coloca uma perna no galho enquanto a outra balança tranqüila no ar.

- Bom Dia Bells. – Edward disse calmo. – E então o James terminou com você? – Ele riu.

- Idiota. – joguei uma almofada que estava no meu pé. Acertou em cheio a cara dele.

- Ai Bells. Te conheci menos violenta... – Ele fez bico me fazendo ri.

- Como você sobreviveu ao fogo da vaca loira? – perguntei sabendo que ele não gostava do apelidinho carinhoso que eu dei a Tânia.

Para minha surpresa Edward riu.

- Já ouviu falar que cão que ladra não morde? A Tânia é assim...

- Um cão? - Perguntei sádica

Edward simplesmente levantou uma sobrancelha para mim. Ele balançou a cabeça por causa da minha piadinha foi então que eu vi: um chupão. Enorme.

- Retiro o que eu disse. – Falei irônica. – Ela não é cão. E sim uma sanguessuga.

Ele me olhou intrigado então a compreensão passou pelos seus olhos. Ele inconscientemente passou os dedos na marca.

- Eu acho que ela me perdoou. – Ele disse dando um sorriso torto.

- Eu acho que ela marcou território. – Zombei.

- Eu não entendo esses ciúmes dela. – Ele disse passando as mãos no cabelo bagunçado – Ela sabe que você é praticamente minha irmã.

Dei um sorriso torto enquanto sentia meu coração trincar com suas palavras.

- E então? –Ele perguntou zombeteiro – O James terminou ou não com você.

- Não. James é bem compreensível.

- Bom pra ser corno. - Ele riu e eu rolei os olhos. – Ele fica nessa mansidão dele... Coisa de quem aceita ser corno.

- E quem seria o causador do chifre? – Levantei uma sobrancelha para ele.

- Se for pra ele terminar com você? Até eu  me candidato.

- Vou fingir que não escutei o “Até eu” – Semicerrei os olhos – E se eu terminasse com o James? Eu ficaria só. Já não basta meu tempo reduzido com meus amigos. Afinal todos estão namorando. Você terminaria com a Tânia?

- Se você terminar com o James... Eu posso até pensar nisso...

- E depois? – Perguntei séria.

- Bem, Já que seu problema é com a Tânia... Eu acho a Victória gatinha. Eu podia sair com ela.

- Você tem sorte. – Eu falei tentando controlar o modo como meu coração batia frio – Se minha almofada já não tivesse ai eu jogaria de novo. – tentei fazer graça. Funcionou.

- Bella, ainda bem que sou seu quase irmão. Você não presta como cunhada. – Eu ri. - Acho que você precisa de um psicólogo...

- Por quê? – Perguntei indignada.

- Você tem problemas com cunhadas... Eu como futuro médico te digo que deve procurar psicólogo.

- Futuro médico? – Arquei uma sobrancelha.

- Claro. Serei um médico famoso. Tanto que terei minha própria biografia. – Edward disse tentando ser sério, mas o sorriso torto tentava brotar ali. – E a biografia será um Best-seller.

Eu não me contive. Ri horrores apoiada no violão.

- Bella! Leve a sério.

- E quem te garante que você vai ser médico pra começar? E se a carreira de medicina não dê certo?

- Isso é lógico. – Ele disse de jeito sabichão – Vou ser um modelo super famoso. – Ele disse fazendo pose. – Anote isso. Serei modelo e minha biografia será um Best-seller. Isso se medicina não dê certo.

- Se você diz... – eu levantei as mãos como se me rendesse.

- Bella. Você sabe quem será a escritora da minha biografia?

- Não faço idéia...

- Você Bells! – Eu olhei me perguntando se ele era louco – Bells você vai fazer alguma faculdade envolvendo livros, tipo letras, jornalismo ou literatura... Você vai ser uma escritora e como você me conhece muito bem você poderá escrever meu Best-seller. Com suas notas você vai ser aceita em qualquer faculdade então faremos faculdades juntos.

- Edward... – falei docemente. – Faculdade não requer só notas. Tem também a parte financeira...

Ele revirou os olhos.

- Depois discutimos essa parte. –Ele disse.

- Que seja. – Eu ri.

- Ei Bells. Toca I’m yours aí.

Eu sorri e comecei a tocar, nos dois cantávamos.

...

Eu estava no banheiro do colégio lavando minhas mãos. Era segunda-feira após o fim de semana que eu fui para Por Angeles com Edward.

Então Tânia entro no banheiro.

- Bella. – Ela disse com um sorriso cínico. – Que prazer te rever. Nossos encontros são sempre bons. Assim eu reforço para você o que eu disse antes. – Seu olhar ficou raivoso – Pare com sua tentativa frustrada de ficar com Edward. Você é um nada. Não é e nunca vai ser digna dele. Ele é meu. Somente meu. Tenho até pena da sua insistência ridícula. Mas é só isso que você vai ter de qualquer Cullen: Pena!

Ela me jogou um beijo e saiu do banheiro. Eu simplesmente respirei fundo e sai dali. Aquela  Tânia além de ser uma pedra no meu sapato também era o meu inferno particular.

Saí e fui para a aula de biologia.

Edward me esperava na mesa que dividíamos.

- Bells. Que tal hoje de tardinha nós tocarmos na sala de música lá de casa? Você na guitarra, eu na bateria e Alice no pandeiro. –Eu ri lembrando-se do pandeiro roxo de Alice.

- Claro vai ser ótimo. Mas vamos fazer o trabalho de biologia antes. – Eu sorri para ele.

- Sim, senhora. – Ele disse fazendo continência.

A tarde iria ser ótima.



***

1 comentários:

Cada vez melhor.
beijos.

Postar um comentário

Não esqueça de comentar, isso incentiva os escritores e também a mim que tento agradar a vocês.