1 de jan de 2011

capitulo 9

Posted by sandry costa On 1/01/2011 3 comments

POV Nessie

Duas semanas, fazia exatamente duas semanas desde que Jacob se fora.
E a cada dia que passou eu ficava um pouco mais triste e sentia uma saudade imensurável dele, eu chorava todas as noites esperando que ele aparecesse, meu pai, minha mãe, tia rose, até mesmo o tio Emmett tentavam me animar, mas nada, nada conseguia fazer isso.
Eu sentia um vazio imenso dentro de mim, a saudade era maior agora que eu tinha descoberto exatamente meu sentimento por Jake e a dor era maior também por saber que fora por minha causa que ele partiu.
Eu já tinha tentado falar com ele, mas desisti. Se fosse tempo o que ele precisasse, eu daria, mesmo isso doendo em mim eu me afastaria.
A escola não mais me animava agora, nem mesmo Angelina conseguia me tirar do sério com suas provocações idiotas, eu ouvia as meninas falarem que Jacob tinha terminado comigo e vários outros boatos e nem com isso eu ficava irritada.
Hoje era domingo, o dia que eu costumava caçar com Jake quando era criança, após ter tomado banho eu sentei perto da janela e fiquei observando a lua, ela estava cheia hoje ela era tão linda, e sem delongas me peguei pensando no Jake, quando ouvi um barulho no corredor.
- Posso entrar? – Mamãe falou.
- Sim...
Ela caminhou até a janela onde eu estava sentada ficando atrás de mim.
- O luar está bonito hoje – ela comentou.
Onde será que ela queria chegar com essa conversa?
- É – respondi monotonamente.
Então nós duas ficamos ali em silencio contemplando a luz do luar que banhava toda aquela mata que nos rodeava, eu me perguntava o que Jacob estaria fazendo agora, estaria ele sentindo tanta saudade de mim quanto eu dele? Suspirei. Na tentativa de pensar em alguma outra coisa resolvi perguntar algo para minha mãe.
- Mãe, quando você se deu conta que estava apaixonada pelo papai?
- Ah, apaixonada? Bom, acho que foi na primeira vez que eu o vi em Forks, sentado com a sua família distante de todos naquele refeitório, ele parecia ser intocável em sua bolha. Conscientemente eu não sabia, mas foi naquele dia em que eu me apaixonei perdidamente. – Ela falou com a expressão distante.
- Como assim mãe?
- Seu pai era lindo e misterioso e todos os meus instintos gritavam para eu sair correndo dele e de todo o mistério que o rodeava, mas eu era um imã para problemas como Edward disse, então eu persisti e Edward era tão protetor comigo quanto Jacob é com você. Ele me salvou diversas vezes e até me deixou em Forks por sua própria presença ter colocado minha vida em risco.
“Mas nem assim ele conseguiu me afastar, eu praticamente fui á volterra para buscá-lo. Mas o que eu quero dizer é que eu me apaixonei por ele, E nós tínhamos essa ligação forte, eu não me importava com o fato dele ser um vampiro e dele sentir sede de meu sangue, eu nunca recuei diante de seus segredos, pelo contrário eu o achava ainda mais fascinante, acho que no primeiro dia em que eu o vi eu sabia que ele não era humano, mas além do físico era o interior que mais me atraia, seu pai é lindo por dentro e por fora Nessie e eu ainda sinto todos os dias o que eu senti pela primeira vez em que nós nos conhecemos, aquele amor que incrustado até o cerne de meus ossos – ela sorriu – O amor não é fácil Ness, nós temos que lutar por ele mesmo com todas as duvidas e desafios que nós encontramos, eu não sou a pessoa mais indicada para te dar conselhos assim, mas se você ama alguém, não o deixe escapar.”
- Mas como você tinha certeza que papai correspondia seus sentimentos?
- Eu não tinha – ela acariciou meus cabelos – Eu nem ao menos sabia como ele poderia gostar de mim, eu duvidava diversas vezes, mas no fim isso só era uma boba insegurança ele me amava e eu o amava. É um sentimento difícil de explicar você sofre constantemente, mas ao mesmo tempo é feliz. Sempre vai existir obstáculos e você só tem que ser forte Nessie, se o seu amor for verdadeiro ele vai resistir a todos eles.
As lágrimas já me invadiam furiosamente e percebendo que eu estava chorando os braços gélidos de minha mãe me envolveram.
- Eu sinto tanta falta do Jake mãe – eu solucei – tanta.
- Eu sei meu amor – ela me virou de frente para ela – Eu sei.
Nós ficamos ali por um tempo, mamãe apenas me reconfortava.
Eu voltei a sentir aquela estranha sensação que Jake precisava de mim tanto quanto eu precisava dele agora, eu queria perguntar para minha mãe o por que de eu sentir isso, se ela também sentia isso em relação ao papai, mas eu temia que as minhas lágrimas escassas voltassem a todo vapor.
Minha mãe me colocou na cama e me cobriu como Jake costumava fazer todas as noites.
- Bom sonhos Nessie. – ela beijou minha testa e saiu do quarto.
Em questão de segundos eu sucumbi ao sono.
Após um tempo eu acordei em um lugar totalmente diferente, eu logo sabia que era um sonho por que eu tinha todos os meus sentidos turvados por uma espécie de letargia, eu estava no centro de uma enorme clareira, o sol brilhava poente. Eu olhei para baixo e vi que estava vestida com uma camisola branca de seda igual aquelas que minha tia Rose costumava usar.
Olhei as margaridas que repousavam a minha volta, inspirei fundo esperando sentir o cheiro delas, mas aqui tudo parecia se mover de uma forma estranhamente lerda e meu olfato estava seriamente prejudicado. Minha pele brilhava fracamente e meu cabelo estava solto, eu toquei em uma margarida brincando com suas pétalas.
Qual o propósito de um sonho assim afinal?
Nesse momento uma pessoa surgiu na beira da clareira.
Meu coração bateu mais forte ao ver que era o Jake, o meu Jake.
Ele estava com sua velha bermuda jeans e um enorme sorriso estampado no seu rosto, uma lágrima escorreu por meu rosto, ele estava tão lindo que chegava a doer.
Sem agüentar eu corri e pulei em seus braços o apertando fortemente contra mim, eu inspirei fundo tentando sentir seu cheiro, mas não conseguia esses sentidos obtusos estavam começando a me irritar.
Jake passava a mão lentamente em minhas costas enviando arrepios por todo meu corpo eu me afastei um pouco para olhar seus olhos negros, eu me perdi ali por um minuto inteiro.
Eu acariciei lentamente seus braços, observando como seus músculos se contraiam sob meu toque, sem reservas eu percorri todo o seu abdômen esperando sentir o calor de sua pele, mas como tudo nesse sonho, seu calor era ameno. Ele passou seu braço por minha cintura fazendo nossos corpos se chocarem.
- Sinto sua falta meu anjo – ele murmurou em meu ouvido.
Um som estranho de prazer rompeu meus lábios ao ouvir sua voz rouca ao pé do meu ouvido, eu me senti estranhamente quente e derretendo em seus braços.
- Eu também Jake – sussurrei inaudivelmente.
Ele se aproximava lentamente de mim e mantinha o olhar fixo em meus lábios, eu já podia sentir seu hálito invadindo meu rosto, inebriando meu sistema, acabando com qualquer pensamento coerente.
Seus lábios se juntaram aos meus e logo sua língua estava urgente contra a minha, ele sugava meus lábios desesperadamente e eu seguia seu ritmo urgente, selando nossos lábios em um beijo que por mim poderia durar pela eternidade.
Senti suas mãos passarem por meu quadril e me levantarem, entendendo o que ele queria eu envolvi sua cintura com minhas pernas, eu já não tinha controle sob minhas ações, eu apenas seguia meus instintos e o amor desenfreado que eu sentia por esse homem que agora me beijava. Minhas mãos bagunçavam seu cabelo e nosso beijo a cada segundo se tornava mais urgente, mais delicioso.
Ele deu alguns passos comigo ainda enlaçada em sua cintura, lentamente ele nos deitou no chão da clareira, tudo que eu sentia agora era Jacob, seu calor, sua língua contra a minha, seu peso me pressionando contra o chão.
Não agüentando mais eu me separei de seus lábios arfando, implorando por um pouco de ar, Jake seguiu trilhando beijos por todo meu pescoço e maxilar.
- Você é tão linda – ele beijou meu pescoço – tão cheirosa – beijou de novo – tão macia Nessie...
Novamente eu me arrepiei inteira ao ouvir o som de sua voz rouca acariciar meu apelido, não suportando qualquer distancia de sua boca eu a capturei novamente, beijando-o arduamente sem me importar com mais nada.
Dessa vez foi ele quem arfou e eu quem beijou seu pescoço, mesmo não sentindo o real gosto e cheiro de sua pele, aquilo já saciava minha saudade, minha ânsia por ele. Senti sua temperatura aumentar consideravelmente e um estranho frio se instalou em minha barriga.
Minhas mãos agora passeavam em suas costas e eu pude sentir ele se arrepiar.
- Ness... – ele sussurrou.
Eu adorava o jeito que ele falava meu apelido, a paixão com que ele o falava e o efeito que isso tinha em mim, continuei beijando seu pescoço, seu maxilar, eu não me cansaria nunca.
- Nessie... – ele falou em tom de prazer – Ness, eu quero você.
Meu coração acelerou consideravelmente, eu queria respondê-lo, queria falar que eu o queria também, mas tudo isso ficou preso em minha garganta quando ele voltou a me beijar avassaladoramente.
Após alguns segundos de algum lugar ali na clareira surgiu uma musica irritante que parecia ficar cada vez mais alta e próxima.
Em um átimo eu abri meus olhos e toda aquela doce ilusão de Jake comigo na clareira se dispersou, encarei o teto e limpei o suor em minha testa.
Droga, eu não queria acordar.
Desliguei o despertador, me levantei e fui tomar um banho.
- Se arrume logo Nessie! Daqui a pouco nós vamos para o colégio. – Papai falou.
- Ok! – murmurei enquanto tomava uma ducha rápida.
Eu ainda estava animada demais com esse sonho, eu nunca sonhara algo como aquilo e ainda mais com Jake, eu podia sentir minhas bochechas extremamente vermelhas.
Sai do banho e sequei meu cabelo rapidamente, coloquei um short jeans preto, uma regata branca e um camisete xadrez por cima. Eu não estava afim de me arrumar então aqui estava mais que ótimo.
Calcei meu all star peguei minha bolsa e desci.
- Bom dia Ness! – vovó me cumprimentou.
- Bom dia vó! – eu a abracei.
- Hey Ness – Carlisle me chamou – eu fiz panquecas pra você.
- Obrigado vô – eu o abracei e me sentei à mesa.
Comi duas panquecas rapidamente e fui até a sala.
- Vamos? – papai perguntou.
- Sim.
Então todos nós seguimos para o colégio, eu já estava desanimada pensando nas matérias que eu iria rever... E por mais que eu tentasse não pensar em meu sonho por causa de meu pai, eu não conseguia! Imagens o Jake em minha frente, dele me beijando, me dizendo que me queria..
- Ha-ham – meu pai limpou a garganta.
Desculpa pai, eu tento evitar mas...
Seu maxilar estava trincado e ele estacionava o carro na nossa habitual vaga.
Parte da manhã passou tediosamente lenta, eu agora sentava com os humanos no almoço e enquanto eu comprava meu pedaço de pizza, Nathan comentava super animado sobre a peça anual que aconteceria daqui a duas semanas.
Agora em nossa mesa, sentava Lucy e Jeremy que ainda não ficaram, Luke e suas admiradoras, Justin e sua amiga, eu e nathan.
Minha família sentava o mais longe possível de todos os humanos ali, eu sempre fui bombardeada de perguntas sobre eles e elogios também. Era engraçado como ninguém desconfiava de nada.
Eu vi o modo com que papai olhava para minha mãe como se só ela existisse naquele lugar. Era tão evidente o amor entre eles que fazia meu coração doer, segui meu olhar para o tio Jazz e a tia Alice, eles trocavam olhares como se pudessem ler a mente um do outro de um jeito tão intimo que eu me obriguei a desviar o olhar para o ultimo casal.
Tia Rose era tão linda que fazia a auto-estima de qualquer guria do refeitório ficar abaixo de cinco, ela e o ti Emmett faziam o tipo de casal mais explosivo, mas mesmo assim era muito fácil notar o amor ali, todos naquela mesa pareciam estar em sua própria bolha, completando uns aos outros.
Eu me sentia o número ímpar da família, sentia um grande vazio dentro de mim, um misto de saudade e desejo, desejo de tentar encontra minha cara metade, a parte de mim que se perdeu desde que Jacob se fora.
E por mais que eu tentasse esquecê-lo era impossível, eu estava obstinada naquilo, presa ao meu sentimento de um jeito que eu duvidava muito que tivesse volta.
- Você ta pensando no Jacob de novo, não está? – Lucy questionou.
- Está tão evidente assim? – tentei sorrir.
- Sim, ta na cara que vocês dois se amam.
Espera ai, ela só vira Jacob uma vez, como ela pode achar que ele me ama?
- Na verdade Lucy, nosso caso ta mais pra um amor não correspondido, Jake me considera apenas como uma irmã. – desabafei.
Ela sorriu angelicamente.
- Não seja boba Nessie eu que vi vocês dois um pouco só já percebi que existia um sentimento forte rolando, ele te olhava de um jeito tão... apaixonado.
- E quem está sendo a boba agora?
Ela riu.
- Eu tentei te falar Ness – ela pegou minha mão – o deixe ao menos saber desse seu sentimento Nessie. Mas eu digo além do beijo, fale a ele tudo o que você está sentindo.
Eu a abracei ignorando a queimação em minha garganta, Lucy parecia me entender sempre.
- Você faz tudo parecer tão simples – sussurrei.
- As coisas são simples, vocês que insistem em complicar – ela se afastou gentilmente.
- E o Jeremy? – tentei mudar de assunto.
Ele estava conversando atentamente com Luke.
- O que tem ele?
- Ah Lucy, como se eu não soubesse que você é caidinha por ele.
Ela corou fortemente.
- Você devia seguir o conselho que me deu – falei – vocês formam um casal lindo.
Ela parecia um tomate agora.
- Você acha? – ela sussurrou.
- Claro! – sorri.
- Mas ele é tão diferente de mim... Sabe ele é – Ela se aproximou de mim – lindo e todo estiloso e eu sou toda sem graça.
Revirei os olhos.
- Para com isso Lucy! Você é linda e aposto que ele gosta de você desse jeito.
- Ah Ness! – ela ralhou – Sabe o que eu queria?
- O quê?
Vi que ela mudou rapidamente de assunto.
- Que você me ajudasse a ter mais estilo... Sabe, que me ajudasse a comprar roupas e a me arrumar, essas coisas.
Eu olhei surpresa pra ela.
- Ah não me olha assim Ness – ela fez um beicinho – Você não vai ajudar a sua querida amiga?
Como eu diria não?
- Está bem! Nós vamos hoje?
- Depois da aula? Pode ser? – ela falou empolgada.
Isso seria melhor que ficar em casa chorando e olhando as minhas fotos com Jake.
- Pode sim – tentei sorrir.
- Então vamos para aula que já está dando o horário.
- Yeah – nós levantamos.
Lucy me deu seu endereço e ficou combinado de eu ir pegá-la para fazermos compras.
Fui para a minha aula de literatura Inglesa e Nathan já estava sentando guardando um lugar para mim.
Sentei-me ao seu lado ignorando quando Angelina me chamou de “cachorra”.
- Então turma – Sr. Priest falou – Como todos sabem nós temos a peça anual do segundo ano. Esse ano nós resolvemos encenar um clássico de nosso glorioso Shakespeare, Romeu e Julieta. E diferente das adaptações dos anos passados seguiremos a peça ao pé da letra. Esse será o desafio!
Um coro de “ahhh” resvalou pela sala.
- Mas por que Sr. Priest? O propósito de fazermos isso não é para transferirmos a peça antiga para algo atual? – Angelina-nojenta perguntou.
- Sim, mas esse ano nós mudaremos... Isso representará um desafio maior para vocês, lidar com a linguagem antiga, interpretar realmente o personagem, ai saberemos qual de vocês realmente tem talento.
Alguns murmúrios soaram por toda a sala.
- Renesmee – Sr. Priest chamou – Você conhece a peça Romeu e Julieta de Shakespeare?
- Certamente Sr. Priest.
Aquele era um de meus clássicos favoritos.
- Poderia nos citar a parte que mais gostou?
O silencio que se instalou sobre a sala era constrangedor.
Eu não tinha entendido se era para eu interpretar a parte ou apenas falar dela, bom – dei de ombros – por via das duvidas vou interpretar.
- Ide, Parti, então, porque não sairei dqui. Que é isto? Uma taça apertada na mão de meu fiel amor? O veneno, estou vendo, foi a causa de seu prematuro fim... Oh! Ingrato! Tudo bebeste sem deixar uma só gota amiga que me ajude a seguir-te? Beijarei teus lábios! Talvez haja neles um resto de veneno para fazer-me morrer como um reconfortante! Teus lábios estão quentes! Que é? Um rumor? Preciso apressar-me. Oh! Bendita adaga! Esta é a tua bainha! Enferruja-te aqui e deixa-me morrer.
Acabei a parte em que Julieta descobre que seu amado Romeu morreu e se mata, não que eu tinha decorado isso, mas é que o Sr. Priest passara o livro para a classe ler semana passada.
O Sr. Priest me olhava maravilhado.
- Isso! – Ele exclamou sorridente – Exatamente isso que eu quero! Querida Renesmee você acaba de ganhar o papel de Julieta!
Todos me olharam e bateram palmas, eu deveria estar um tomate agora.
- Como? – Uma voz irritante contestou, Angelina – Pensei que faríamos os testes na aula de hoje! Você nem ao menos vai dar uma chance para outras tentarem?
Ele revirou os olhos e assentiu.
- Tudo bem! Vamos começar então!
Os testes começaram e várias garotas tentaram o papel de julieta, mas o Sr. Priest não pareceu gostar de nenhuma. Assim eles continuaram a escolher os papeis, e no fim ficou decidido que eu seria Julieta, Nathan seria Romeu, Jeremy seria Paris. Angelina ficou inconformada com o papel de minha ama que o Sr. Priest destinou a ela que parecia querer me fuzilar com os olhos, eu apenas dei o meu melhor sorriso para ela.
As outras aulas passaram rapidamente, todos comentavam da peça do segundo ano e que os papeis já tinham sido escolhidos, notei que atraia mais olhares do que o normal.
Logo estávamos no carro indo para casa.
- Pai – eu o chamei – Hoje eu vou sair com a minha amiga Lucy para fazer compras, tudo bem?
- Sim – ele sorriu – Fiquei sabendo que você será a Julieta na peça do colégio.
- Serio Ness? – Mamãe perguntou.
Eu assenti.
- Ah é? – eu ri – Você está sempre por dentro das fofocas mesmo não é edinho?
Eu o chamei pelo apelido que eu sabia que ele odiava.
- Sempre – para minha surpresa ele sorriu – Eu gosto da sua amiga Lucy, seus pensamentos são bons e sinceros.
Eu sorri.
Nós chegamos em casa e eu fui correndo para meu quarto me trocar.

Pov Jacob

Thump-Thump, Thump-Thump, Thump-Thump,
Um-dois, três-quatro, cinco-seis.
Até quando você pretende ficar nessa situação cara? Seth perguntou.
Cala a boca Seth! Eu já falei pra você me deixar em paz! Falei com o tom de voz alpha.
Eu continuei a seguir os instintos primitivos do meu lobo interior, eu mal sabia quanto tempo tinha se passado desde aquela tarde.
Aquela tarde, eu pensei.
Não demorou muito para a pressão em meus ouvidos voltarem e minhas patas perderem suas forças.
Jacob! Cara! A nessie ta arrasada, Edward me falou que ela mal come! Por que você ao menos não tenta falar com ele cara? Ele diz que se alterou aquela hora mais...
Será que você não sabe mesmo como ficar quieto? falei mal humorado.
Eu sabia que a minha Nessie estava sofrendo, ela se importava comigo... Mas e daí? Era apenas isso. Ela se importava comigo como se importava com seu pai, sua mãe.
Eu não conseguiria olhar para ela e me refrear por muito tempo, e eu sabia que a Nessie faria de tudo para me ver feliz, mas eu não agüentaria ver a pena em seus olhos, jamais.
Para de ser orgulhos Jacob! Dessa vez quem pensou foi Leah.
Isso não é sobre orgulho Leah, eu segui a merda do seu conselho e olha só no que deu? Ela não me ama desse jeito! Nunca vai me amar assim!
Será que você não consegue ser mais idiota?
Han? pensei confuso.
Você acha mesmo que a garota iria te corresponder se não gostasse de você sua mula? Ela te daria é um tapa bem dado na sua fuça! Então anda e trás esse traseiro peludo logo pra sua mestiça! Se não eu mesmo vou ai te buscar! Não agüento mais aqueles sanguessugas ligando a todo instante lá pra minha casa!
Você acha que eu devo voltar?
Pare de ser covarde Jacob Black! Será mesmo que eu vou ter que explicar? A garota cresce igual um ET e ficou longe de você por dois anos, ela mal teve tempo de descobrir o que sente por você ainda! Ai vocês se beijam e depois você some! O que você quer que ela faça? HELLO! Vai lá e mostra pra ela o que você ta sentindo! Caramba! Além do beijo, fala pra ela! Explica a situação! Entendeu ou quer que eu desenhe?
Caramba Leah, pra que ser tão grossa com o Jake? Seth pensou.
CALA A BOCA SETH! Eu e Leah reclamamos.
OK! Mas posso dizer algo? antes de vocês responderem não, eu vou falar! Acho que Jacob devia ir mais devagar e não ir falando tudo assim de uma vez.
Como assim?
Ah não Seth! Leah interferiu Ele tem que falar de uma vez! Esses dois já estão separados a tempos demais! Conta logo pra ela sobre o impriting, que você a ama e tudo mais! Pelo amor de deus! Eu não agüento mais esse lenga-lenga!
Mas e se ela não me quiser?
Ela vai querer Jacob! É impossível ela se deter ante á tanto amor e comprometimento! Agora eu e Seth vamos deixar você pensar sobre o assunto! Eu já te dei meu conselho! Crie coragem e assuma o que você sente!
Logo notei que estava sozinho.
Em certo ponto Leah tinha razão, eu precisava deixá-la saber o quanto eu a amo, se é que é possível transparecer isto com palavras.
Engoli seco e parei diante ao rio que estava em minha frente.
Eu criaria coragem, eu precisava. Meu coração acelerou.
Eu sentia uma saudade de Nessie que era imensurável, de sua voz, de seu cheiro incomparável, da textura da sua pele... Eu precisava vê-la e assim eu faria.
Comecei a voltar para Oregon com toda a minha velocidade.
Eu falaria com Renesmee e explicaria a minha situação, se ela não aceitasse meu amor incondicional por ela, eu sairia novamente e não importava o porquê ou quem me quisesse por perto, dessa vez eu partiria para sempre.
Na metade do caminho senti Seth em minha mente.
Então Jacob?
Ligue para o leitor de mentes e fale que eu vou voltar! Diga que eu quero conversar com Nessie sozinho.
ATÉ QUE ENFIM! pude ouvir sua risada Até que enfim o Jacob Black que eu conheço está de volta!
Ah Seth, anda logo antes que eu mude de idéia!
Pode deixar!
Senti novamente o silêncio em minha mente e apressei minhas patas que logo me levariam ao encontro da pessoa mais importante em todo o mundo para mim.

3 comentários:

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA graças a deus JACOB BLACK achei que ia desitir facil!

esta maravilhoso!!!!

Oi feliz 2011, olha amei esse capitulo,
espero que vc nao demore postar o proximo
por favor e vc esta de parabens além de ser
um fic ótimo o seu vc sempre posta capitulos
longos amor ler seu fic posta logo ta e bemmmmmmmmmm
grande o capitulos. bjs bjs bjs

EEEEEH'
ele vai voltar , ele vai voltar *---*
ameii
que bom que o Jake decidiu voltar
e o Seth e Leah são uns anjos, não é mesmo?
adorei o cap
Parabéns
Beeeijos

Postar um comentário

Não esqueça de comentar, isso incentiva os escritores e também a mim que tento agradar a vocês.