21 de jan de 2011

capitulo 9

Posted by sandry costa On 1/21/2011 1 comment


Um beijinho pra sarar...

- Ai! – Eu gritei no meio da música. Alice parou de cantar na mesma hora e Edward parou de tocar na bateria.

- O que houve? -  Alice correu para mim.

- Cortei meu dedo na corda. – Gemi. Meu dedo sangrava. Já me sentia enjoada vendo aquilo e um gosto ruim veio pra minha boca. Eu odeio sangue.

- Me deixa ver. – Edward pegou minha mão. – Um belo corte hein. – Ele sorriu. – Lice, por favor, pega a caixinha de primeiros socorros.

Alice saiu correndo. Edward segurou meu pulso e me puxou para um pufe enorme que havia num canto da sala de música. Eu estava n casa do Edward.

- O que você vai fazer? – perguntei.

- Um curativo. É meu dever cuidar de você.

- Por quê? – Perguntei rindo. Meu dedo pinicava.

- Porque como futuro médico, eu devo cuidar da minha melhor amiga. Se eu não puder cuidar de você não poderei fazer mais nada. – Ele falou de forma intensa fazendo meu coração perder uma batida.

Alice entrou com uma maletinha branca e entregou a Edward.

- Agora você pode trazer um copo de água bem gelado, por favor? – Edward pediu. Ela assentiu e saiu.

Edward começou a cuidar do meu dedo. Eu evitava olhar o que ele fazia e contemplava seu rosto calmo cuidando de mim.

Olhei para o meu dedo quando ele passou água oxigenada fazendo pinicar mais ainda. Quando tremi ele riu. Ele colocou um remédio vermelho e depois limpou o excesso para não deixar meu dedo todo sujo e finalizou com um band-aid.

Ele pegou o meu dedo e olhou nos meus olhos.

- Bem, sua mãe nem a minha estão aqui, então não tem como dar um beijinho de mão pra sarar mais rápido, mas o beijinho do melhor amigo deve fazer algum efeito. – Ele deu um sorriso torto e beijou a ponta do meu dedo.

Eu corei violentamente. Nessa hora Alice entrou com a água e me deu.  Na mesma hora eu comecei a beber.

-EI! O copo era pra mim! – Edward reclamou.

Eu terminei toda a água e entreguei o copo para ele.

- Todo seu. – Falei e sai do pufe.

Edward resmungou e saiu com o copo para pegar mais água.

Eu fui guardar a guitarra de Edward. Alice foi pro teclado e começo a tocar uma melodia que ela estava aprendendo com Edward.

- Eu estou com vontade de aprender a bateria. – Comentei com Alice.

- Meu irmão poderia te ensinar. Ele é um ótimo professor.

Eu ri. Edward era um ótimo professor mesmo. Na verdade Edward me ensinou uma batida na bateria que eu vi em um filme e pedi para ele me ensinar, era a batida que apareceu no filme High School Musical 2 quando a Sharpey pediu para um baterista tocar para ela e ela saiu desfilando dali.

Eu sentei no banquinho e peguei as baquetas e fiz a batida que Edward havia me ensinado.

Alice aplaudiu. Eu ri e guardei as baquetas no balde de baquetas de Edward. Fui até o meio da sala e me deitei no chão. Eu estava exausta. Meu dedo pinicava um pouco. Edward então chegou e se deitou perto de mim, levantou minha cabeça e a deitou na sua barriga e ficou afagando o meu cabelo, Alice veio e deitou com a cabeça na minha barriga. Rimos e ficamos conversando bobagens.

Então meu telefone tocou. Era o James.

- Alô.

- Onde você está? – Ele perguntou simpático.

- Na casa de Edward. – disse calmamente. Edward me deu língua.

- Vou te buscar ai. Vamos sair um pouco hoje. O que acha? –James estava bem empolgado.

- Estarei esperando.

Chego em meia hora. Beijos!

- Beijos!

Eu desliguei e sorri. James era relaxado e prestativo. Adorava isso nele.

Edward ficou um chato depois da ligação do James.

Ele melhorou o semblante quando Alice começou a cantar uma musica e ele acompanhou.

Eu fiquei calda. Eu não gostava de cantar na frente dele. Eu sempre cantava baixo, uma voz de fundo. A única vez que eu realmente cantei foi no meu aniversário que eu ganhei o violão. Normalmente eu fazia praticamente mover os lábios.  

Eu escutei uma buzina.

- Deve ser o James. – Me levantei.

- Nossa que cavalheiro. – Edward disse sarcástico. – Em vez de ligar para você descer ele buzina como se fosse algum comando que faz a um animal de estimação.

Eu me virei com ódio.

- O que você quis dizer com isso? – Minha voz era ácida, meus olhos estavam semi cerrados.

- Não o que você está pensando. – Edward pulou longe.

Eu peguei uma almofada que estava próxima e joguei nele.

- Idiota. – murmurei e sai dali.

Quando estava na porta uma mão fechou no meu pulso. Eu definitivamente reconheceria aquele toque em qualquer lugar.

-  Bells. – Seu olhar era suplicante. – Não me entenda mal. Só não gostei do que ele fez. Não quero que ninguém te maltrate.

- Tudo bem Edward. – Falei olhando pro chão. – Mas você devia ser o primeiro a não me tratar mal.

Ele me deu um beijo na bochecha.

- Me desculpe. – Eu assenti, ele abriu a porta para mim e eu sai para me encontrar com o James.

Entrei no carro do James, que me recebeu com um sorriso meigo e me deu um beijo terno então saiu dirigindo.

- Aonde vamos? – Perguntei feliz.

- Como se Forks tivesse muitas opções. – Ele riu e eu o acompanhei. – Pensei em irmos ao parque aproveitar o resto do sol.

Quando chegamos lá, me levou até uma das margens do lago e estendeu uma manta na grama e deitou me convidando para deitar com ele. Eu me deitei ao seu lado e ele me puxou para o circulo dos seus braços.

Passamos o restinho da tarde trocando leves caricias algumas vezes James me beijava. Não tinha como não se sentir bem naqueles braços, eu me sentia tranqüila... James era um porto seguro.

Quando o sol se pôs ele sentou virado para mim e eu me sentei em seguida. Ele afagou o meu rosto e me puxou para mais um beijo. O beijo de James era cuidadoso e cheio de caricias. Seus dedos passeavam pelo meu rosto.

Eu sempre me sentia um pouco mal ao beijar o James, mas aos poucos eu me entregava ao beijo do jeito que ele merecia.

Estava com a mente longe quando senti os dedos do James descendo pelo meu pescoço indo pro colo e descendo cada vez mais. Enrijeci e me afastei na mesma hora.

James me olhou atônito e depois deitou, nossas faces estavam vermelhas.

Eu suspirei e olhei para o chão, minha postura estava defensiva.

- Bella... – James me olhou triste. – Me perdoe. Eu não devia ter feito...

- Chega James. – Murmurei – Só me leve pra casa. Acabou o clima por hoje.

Ele assentiu e se levantou me estendendo a mão eu me levantei com ele. James dobrou o lençol e colocou debaixo do braço, pegou minha mão e saímos caminhando de volta para o carro.

Em casa, eu comecei a fazer a janta, na verdade esquentar os restos de ontem. Quando terminei subi para o quarto. Ia passar direto para o meu closet mas notei a presença de alguém na arvore. Eu abri a janela, ele notando minha presença me deu um sorriso torto.

- O que faz aqui?

- Senti saudades da minha melhor amiga. – Ele riu.

- Nós estávamos juntos a menos de três horas. – Falei calmamente.

- Eu sei. – Ele se levantou e pulou pra minha varanda que estava aberta. – Mas deu vontade de vir aqui. – Disse e se deitou na cama.

- Não vai sair com a Tânia hoje não? - falei enquanto guardava minha mochila

- Não. - Ele murmurou - Eu meio que discuti com ela hoje.

 -Eu poderia falar que sinto muito, mas soaria muito falso. -  Falei com um sorriso sem graça no rosto.

 Ele riu descontraído.

- Ainda não entendo sua aversão a ela.

- Não quero discutir isso. - Cantarolei

 - Tudo bem Bella. Eu posso brigar com ela, mas não suporto a idéia de ficar sem a sua companhia... Eu queria me desculpar novamente por ter ofendido você hoje à tarde...

 - Fica tranqüilo Edward, eu também sei que James não é a pessoa que você mais gosta. – Sentei virada pra ele.

Edward acariciou o meu rosto com as pontas dos dedos, fazendo inúmeras descargas seespalharem pelo meu corpo. Ele me olhou fixamente e falou baixinho e de maneira doce:

- Obrigado Bella por você existir na minha vida...



Neste momento o celular toca e mesmo com as insistentes chamadas, não perdemos o olhar um do outro...

 -É melhor você atender... Seja quem for está desesperado pra falar com você... – Sussurrei baixinho.

Ele atendeu ao telefone desconcertado.

- Alô. - ele fez uma careta então vi que era a Tânia. - Não estou em casa não... Tânia faz o seguinte - ele suspirou me encontre as oito no restaurante. Te vejo lá.

Ele desligou.

Sorri para ele forçadamente, um sorriso que não alcançava os olhos.

- Eu preciso ir resolver este problema Bella. – Falou envergonhadamente.

- Tudo bem Edward... Eu sei que teu problema é uma loira, linda e burra que atende pelo nome de Tânia...  Falei tentando fazer uma piadinha e Edward me acompanhou rindo e revirando os olhos completei:  - Eu só quero que você seja feliz... Mesmo que seja com o morango azedo.

 - Morango azedo? - ele riu gostosamente. Aquele som me inspirava

 - Claro... Ela não é loira... Também não é ruiva... Então é um morango azedo. – Ele riu alto.

Ele olhou pra varanda e disse: - Ham... Será que dá para eu descer pela escada dessa vez?

- Claro que sim... Mas por quê?       

 - Acho que minha vida de atleta está comprometida com esses saltos... – Ele riu.

 - Falando nisso... - Eu tive um relampejo - Você se inscreveu pro time de basquete?

 - Aham... - ele riu - O Emm me obrigou...  Mas não creio que eu vá ser chamado...

 - Acho que não é bem assim... - Dei um sorriso torto - Vi seu nome na lista dos que vão ser chamado para o teste.

- Verdade?!?! – Ele gritou. Eu apenas assenti.

 E num átimo ele me abraçou fortemente e rodopiou enquanto já estávamos na porta... Ria com sua empolgação e ele disse:

 - Você só me traz coisas boas Bella.

Sorri e pronto... Novamente nossos olhares se prenderam, e meu coração decidiu galopar freneticamente em meu coração, sua respiração batia na minha pele fazendo relembrar do nosso primeiro beijo, mas de repente um feixe de luz de um farol de um carro tirou-nos daquele momento quando percebi que era o carro de minha mãe que estava adentrando na garagem...

 Edward então me jogou nas suas costas e desceu correndo as escadas

Eu dei um grito.

- Ficou louco? Podemos cair!

- Deixa de ser medrosa Bells! - Ele riu gostosamente e pulou os últimos dois degraus me fazendo dá um grito maior

Nesse momento minha mãe entrou em casa com um olhar assustado, provavelmente escutou meus gritos. Quando ela me viu nas costas do Edward riu de olhos fechados, balançando a cabeça.

 - Boa noite D. Reneé! - Disse Edward me jogando de leve pra cima, eu me agarrei a ele fortemente.

- Boa noite crianças... – Ela riu - Que bom vê-lo Edward, fazia tempo que você não aparecia, fica pro jantar? - mamãe falava inocentemente e nem imaginava que o Ed escalava minha janela quase todos os dias, eu sorri matreiramente...

 Uma coisa que eu prezava em Renée era a confiança que ela tinha na gente. Não fazíamos nada de errado, mas ela poderia interpretar de uma forma errada ela sabia que na nossa amizade não havia malicia ou segundas intenções... Já que eu fazia de tudo para não deixa meus sentimentos explícitos para ninguém.

- Obrigado pelo convite D. Renée, mas tenho um compromisso...

 Enquanto ele dizia aquilo meu coração apertou e o sorriso que estampava meu rosto desapareceu...

 Não entendi essa reação do meu corpo, mas eu fiquei triste por lembrar que ele estava me deixando ali para ir se encontrar com o projeto de namorada oxigenada.

 Edward saiu se despedindo de mim e de minha mãe com um sorriso no canto da boca que me deixava atordoada. E depois da janta, fui pra o meu quarto e agarrei meu grande companheiro, o único que sabia de todos os meus segredos e aflições: Meu violão.

He's the reason for the teardrops on my guitar.

Ele é a razão para as lágrimas no meu violão

The only thing that keeps me wishing on a wishing star.

A única coisa que continuo pedindo para uma estrela cadente

He's the song in the car I keep singing,

Ele é a canção dentro do carro que eu continuo cantando,

Don't know why I do.

Eu não sei por que eu canto

No dia seguinte pela manhã Reneé me esperava para tomar o café da manhã juntas.

- Bom dia mãe! – Falei sorrindo para ela que lia um jornal enquanto bebericava o café.

- Bom dia meu anjo. Eu queria conversar com você. – O sorriso de minha mãe era amável.

- Sobre o que? – Ela fechou o jornal e eu terminei de me servir.

- Querida, eu estive vendo o seu ultimo boletim e suas notas me orgulham a cada dia. Você tem uma capacidade incrível e creio que vai conseguir uma bolsa para qualquer faculdade.  – Ela deu um sorriso satisfeito. – Bella eu estava pensando... Bem nós estamos numa situação financeira agradável. Tenho um fundo para a sua faculdade e para quem sabe alugar um apartamento pra você. Mas eu também quero te oferecer outra coisa.

- Que coisa? – A curiosidade me consumiu.

- Um intercâmbio. Quero que você passe seis meses na Itália. Você aprende bem rápido e creio que em três meses estará falando com fluência e os outros três meses serão de aprofundamento. O que acha? – Ela me perguntou animada.

Eu não soube o que responder. Definitivamente era algo novo. Lançar-me a um mundo diferente e desconhecido. E o pior: passar seis meses longe dele. Desde os meus seis anos nunca passamos tanto tempo separados.

- Querida não precisa me responder agora. – Ela sorriu docemente.

Eu assenti e tomei o café da manhã.

***

Na hora do intervalo eu fui ao banheiro deixando o pessoal na lanchonete. Já estava saindo do Box quando escuto alguém entrar.

- Tânia eu não acredito! Você líder de torcida. É incrível. – Era Jéssica. Eu me sentei na privada e levantei minhas pernas para que ela não soubesse que eu estava ali.

- É... – Escutei a voz de Tânia – Me empenhei muito para isso.

- Eu não agüentava mais obedecer às ordens da Lauren. – Jéssica disse. Interessante que Lauren era uma das melhores amigas de Jéssica.

- Ninguém agüentava. – Tânia disse.

- E ontem como foi?

- Muito bom. – Tânia riu. – Eu já te falei como ele é bom de cama.  Passei uma tarde maravilhosa regada a sexo.

Eu me senti enojada. Eu não tinha a confirmação às quantas andavam o relacionamento da Tânia e do Edward. E saber que ele me deixou para ir para a cama dela...  

Calma.

Eu acho que não ouvi bem. Edward passou a tarde comigo e com Alice. Isso significa... Que a Tânia traía o Edward!

E agora o que fazer com aquela informação? Agir de modo egoísta e contar a verdade ou ficar na minha e não deixar Edward magoado?

1 comentários:

OI! gostaria de me queixar de uma coisa, tudo bem, geralmente a gente comenta sobre o cap. mas é que eles estão vindo super bagunçados e as vezes até repetidos.
Não me entenda mal, não sou muito de fazer criticas, e garanto que amo sua fic.
É apenas uma observação para que a fic se mantenha coerente.
Com muito carinho...

Lupimix

Postar um comentário

Não esqueça de comentar, isso incentiva os escritores e também a mim que tento agradar a vocês.