18 de fev de 2011

Capitulo 5

Posted by sandry costa On 2/18/2011 4 comments

Novo Lar



POV Hinnata



A semana já havia se passado, e o dia da mudança era hoje, exatamente daqui a 3 horas. Pretendia ir pela ultima vez na casa de Charlie, e definitivamente, tentaria esquecer o passado, coisa que tenho certeza que e impossível pra uma pessoa imortal. Tomei meu banho, colocando uma causa jeans e uma camiseta azul marinho e meu all star tradicional, pulei a janela do meu quarto, pois sabia que meus pais diriam que não era para fazer isso, e sim tentar esquecer, e corri o mais rápido que meu corpo pudesse agüenta. Finalmente havia chegado à casa de Sue e Charlie, peguei a chave que ficava em baixo do tapete e entrei na casa, estava tudo do mesmo jeito, caminhei ate perto da chaminé e vi uma foto que tinha eu, Brian, Charlie e Sue, e não pude conter as lagrimas. A foto era de quando eu tinha 10 anos, mas era a foto que eu mais amava. Por instinto peguei a foto e tirei do porta retrato, eu levaria aquela foto comigo, não podia esquecer tudo.



POV Brian

Eu estava totalmente abalado com a morte de minha avó e de Charlie, estava inconformado, mas temia por Hinnata. Eu sou apaixonado por ela desde que somos crianças e ela só me batia, mais quem manda no coração? Eu trato ela como uma colega chata que tenho que suporta, porque sei que ela nunca me daria uma chance. Mas eu temia por ela, pois ela age muito por impulso e ate agora não tinha saído do quarto. Hoje iríamos embora de Forks, e eu iria pela ultima vez na casa de minha avó. Porque meus pais já tinham me falado que era para tenta esquecer tudo que aconteceu em Forks, coisa que seria impossível, F-A-T-O. Tomei meu banho porque só faltavam algumas horas para pegarmos o avião, e coloquei uma blusa branca com uma calça jeans e um tênis branco com vermelho da Nike. Desci e encontrei minha mãe nos braços de meu pai sentados no sofá.

- Vai a onde filho? – Perguntou ela.

- Só me despedi da cidade. – Tentei força um sorriso.

- Tudo bem, mais não demore.

- Ta. – Disse e logo sai de casa.

Corri direto para a antiga casa de minha avó, onde ela e Charlie moravam, e encontrei a porta da frente meio aberta, enfiei só um pedaço da cabeça para dentro da casa e vi a minha linda Hinnata, que olhava uma foto em meio de lagrimas. Não me contive e entrei a abraçando por traz. Ela me reconheceu se virou e me abraçou. Por impulso segurei seu rosto e a beijei e ela logo em seguida me empurrou.

- O QUE VOCÊ TA FAZENDO BRIAN? – Eu não sabia o que dizer só que a vi tão triste, que meu corpo reagiu assim.

- Desculpa, eu só não queria te vê chorando. – Disse meio nervoso.

- Tudo bem. – Ela deu uma pausa e respirou fundo. - Que isso não se repita. – Disse se sentando no sofá e olhando novamente para a foto.

Uma tristeza imensa me atingiu, vendo que por mais que eu tentasse fazer ela se apaixonar por mim, ela só me rejeitaria, para ficar com caras super otários que nem ligam direito para ela.



POV Hinnata

Eu estava distraída pensando no passado, coisa que só fazia ultimamente. Quando sinto braços quentes em volta de mim, respirei o aroma e sabia que era Brian, com seu cheiro de hortelã e uma pitada de melancia, virei-me e abracei-o. Ele me reconfortava, e era meu companheiro. Mas de repente ele me beijo, de imediato, fiquei sem reação e depois o empurrei com força. PORQUE O INDIVIDO ME BEIJOU? Isso ficou martelando na minha cabeça enquanto ainda nos beijávamos. Os lábios dele eram doce, realmente uma delicia, mas esperai ele e o Brian, o garoto que eu sempre impliquei e briguei, mas que também é MEU AMIGO, beijar ele e tipo assim, fora da lei.

- O QUE VOCÊ TA FAZENDO BRIAN? – Perguntei, só que acho que foi alto de mais, pois ele me olhou com os olhos de desculpa.

- Desculpa, eu só não queria te vê chorando. – Ele fez isso para mim não chorar? Ele teve boas intenções.

- Tudo bem. – Respondi, dando uma pausa e respirando fundo. - Que isso não se repita. – Disse me sentando no sofá e olhando novamente para a foto, e lembrando de como eu tinha uma amizade forte com Brian e como eu poderia contar com ele para sempre. Ficamos horas só olhando a casa, cada um sentado em um sofá, com seus pensamentos.



- Hinnata, vamos. – Brian me tirou de meus pensamentos.

- Já temos que ir? – Perguntei incrédula, pois queria ficar muito mais tempo ali.

- Sim. – Levantamos, e dava para percebe que queríamos ficar ali mais tempo, mas tinha algo nos olhos de Brian que me incomodavam. Ele foi andando na frente, calado. Não agüentei e tive que pergunta

- O que foi Bri?

- Nada. – Não acreditei, sua voz estava fraca demais.

- Sabe que pode contar comigo não é, Bri? – Segurei sua mão, e dei um leve sorriso. – Apesar de tudo, somos amigos.

- Amigos, e eu sei. – Ele virou seu rosto para mim, e deu um sorriso fraco. – Só acho que vou sentir saudades daqui, nada demais.

- Também. – E fomos caminhando abraçados para casa.



POV Jacob

Só faltavam 45 minutos para pegarmos o avião, então decidi ir no quarto apressar Hinnata, mas quando entrei percebi que ela não estava.

- Nessie, Hinnata não ta aqui. – Falei em um tom normal, sabia que ela escutaria.

- Como não Jake? – Ela entrou no quarto e ficou um pouco assustada. – Será que ela fugiu?Ela anda tão estranha ultimamente.

A porta da sala bateu, e logo o seu cheiro de cerejas embriagou a casa. Descemos, eu com certeza iria dar uma bronca nela, como ela saía, e não me avisa?

- Onde você estava mocinha? – Cheguei ao pé da escada, com Nessie abraçada a mim.

- Fui da uma volta. – Ela disse como se nem ligasse para nada.

- Podia ter avisado filha. – Nessie falou carinhosa com ela, que nem nos olhou.

- Não tava afim. – Respondeu simplesmente.

- Hinnata, olha como você fala com sua mãe. Vai terminar de arruma suas coisas, que já estamos saindo.

- Ta. – Ela foi pro quarto e voltou com uma pequena mochila, sentou-se no sofá e ligou a TV.

Passou 10 minutos, e decidimos logo sair de casa. Fomos direto para o aeroporto, chegando fizemos tudo que era preciso e logo entramos no avião. O vôo não seria tão demorado, e eu fiquei só com Nessie nos meus braços fazendo carinho em seus cabelos, e olhando para minha filha que ouvia musica distraída.

1 hora e meia depois que decolamos, finalmente chegamos onde seria o nosso novo lar.

Descemos, pegamos nossas bagagens que não era muita coisa, e pegamos um táxi. Onde iríamos morar seria perto de uma floresta, um pouco deserto, e só teria a casa dos Cullens, Minha e da Nessie, da Leah com Alec, e a do Seth que tinha decidido morar sozinho. Bella moraria junto com os outros Cullens. Chegamos logo em nossa casa, e fomos para os nossos quartos, quando escuto um grito.

- O QUE É ISSO? – Era a voz de minha filha. Então eu corri para o quarto dela.

- O que foi? – Perguntei não vendo nada de errado.

- Esse quarto! Porque tudo rosa? A mamãe e maluca? Pensei que vampiros pensassem direitinho.

- É por isso que você tava gritando? É só você pinta minha filha. – Eu disse normalmente.

- Ela não vai pinta nada, já chega dessa palhaçada Hinnata. – Minha Nessie disse, e só agora percebi que ela estava atrás de mim.

- PALHAÇADA? Essa droga de quarto e meu, eu que tenho que escolhe! – Hinnata começou a fazer drama.

- Mas não vai, a casa e minha e de seu pai, e eu não quero que você coloque cores escuras aqui.

- EU ODEIO ROSA, ODEIO CORES ALEGRES, ODEIO VOCÊS. – Hinnata se alterou. – DEU PARA INTENDER?

- Você começou a odiar agora, deixa de palhaçada e fica feliz pelo o seu quarto ser lindo. – Nessie tentou dizer calma, mas eu consegui percebe que quando nossa filha disse “odeio vocês” ela ficou triste.

- AAAAAAAAAAAH, sai daqui, vocês dois. – Ela gritou, e as coisas no quarto começou a se mexer.

- Não fale assim comigo Hinnata, já estou cansada de suas explosões, acho que meus pais estavam certos quando disseram que eu não coloquei limites em você! Todos da família fazem tudo por você, e o que recebemos em troca? Desaforos seus, mau educação, e nenhum ato de carinho e compaixão. E eu já estou no meu limite pelo o que você fez com a Alice. Aquilo foi inaceitável, e você pedira desculpas hoje mesmo para ela, ou melhor para todos. – Nessie cuspiu todas as palavras que ela só comentava comigo, então percebi que ela já não agüentava mais tudo isso.

-EU NÃO VOU PERDI DESCULPAS PARA VOCÊS, e se ta tão irritada assim mamãe, me manda para os Voltures, eles iriam adorar. Pelo menos lá, eu sei que seria bem tratada.

- Você não sabe o que ta falando, nunca conviveu com eles. – Minha esposa disse num tom de desgosto pelas palavras de Hinnata.

- Mas eu converso com o Alec, e sei muito bem que eles não me tratariam como vocês.

- A gente só trata você com carinho.

- MENTIRA, os únicos que me entendiam era Charlie e Sue. – Nessie olhou incrédula para Hinnata, e saiu do quarto. E eu, não sabia o que fazer, se ficava aqui e conversava com minha filha, ou se ia atrás de minha esposa.

- Filha, como pode dizer isso?

- E a realidade Jacob. – Pela primeira vez ela me chamou pelo nome, e não de pai.

- Me chame de pai Hinnata, e depois conversamos.

- Tanto faz. – Ela deu uma pausa, e as coisas do quarto pararam de se mexer. – Agora sai do meu quarto.

- Ta bom, mas pense bem nós seus atos. – Fechei a porta, deixando ela pensar um pouco sozinha.

POV Hinnata

Cheguei a casa, e encontrei meu pai tentando dar uma de pai serio e que iria me dar broncas, fingi que não tava ouvindo, ele era ridículo quando tentava fazer isso, e depois subi pegando minhas coisas e dando uma olhada no meu quarto pela ultima vez. Peguei minha mochila, e desci, sentando no sofá e ligando a TV em qualquer canal. Alguns minutos se passaram e logo saímos de casa. Chegado ao aeroporto meus pais fizeram tudo que tinham que fazer para entrarmos logo no avião, e logo chamaram a gente para o embarque. Sentei-me na janela, minha mãe no meio e meu pai na ponta, a abraçando. Eu achava muito legal esse lance de impressão, e ficava pensando se eu iria ou não me transformar, se teria minha impressão, o meu amor para vida eterna. Meus pais realmente pareciam almas gêmeas, que um tinha nascido para completar a vida do outro. Na verdade todo o casal que era da minha família parecia que tinha nascido um para o outro, era inacreditável a ligação que tinha deles, e às vezes eu jurava que via uma carga elétrica passar por eles. Coloquei meus fones de ouvido e comecei a escutar uma musica que eu amo Matt Wertz - 5:19, e de repente meus pensamentos voaram para o beijo que o Brian me deu, foi de certa forma tão diferente e gostoso o sabor de seus lábios, PERAI, EU GOSTEI DE BEIJAR ELE? OMG. Porque será que eu to pensando tanto nesse beijo? Afinal foi do Brian. Sacudi a cabeça, tentado expulsar aqueles pensamentos e olhei para a janela. Olhei o céu escuro, e virei o rosto, novamente olhando para meus pais. Fechei meus olhos e coloquei a musica no ultimo volume, tentaria dormi para não pensar besteiras. Então comecei a sonhar, eu via Sue e Charlie no meu sonho e então corri para abraçá-los e eles dois sussurraram ao mesmo tempo no meu ouvido “você não está só”.Alguém me cutucou e eu acordei.- Já chegamos filha, vamos. – Nossa parecia que tinha acabado de fechar os olhos, e que sonho mais doido foi esse?- Ok. – Me levantei, e ao sair do avião peguei minha mochila. Onde íamos morar, seria todo mundo perto, então pegamos um táxi e fomos para nossa nova casa. Chegando cada um foi para o seu quarto, eu já havia avisado a minha mãe que queria um quarto preto e ela disse que não, então pedi um quarto roxo bem escuro. Mas ao abrir a porta do quarto não foi bem isso que encontrei, e sim um quarto todo rosa, cheios de coisas ridículas que ela e Alice tentava me fazer gostar. Nem antes da morte de Charlie eu usaria um quarto assim, acho que ela fez para me irritar então não agüentei e gritei.
- O QUE É ISSO? – E a porta do quarto abriu, e encontrei meu pai olhando para o quarto de um lado para o outro.

- O que foi? – Perguntou ele ainda um pouco preocupado, mas não encontrando nada de errado para ELE.

- Esse quarto! Porque tudo rosa? A mamãe e maluca? Pensei que vampiros pensassem direitinho. – Cuspi as palavras com raiva.

- É por isso que você tava gritando? É só você pinta minha filha. – Disse ele como se fosse a coisa mais pratica. Era pratico para mim, mas porque minha mãe não fez do jeito que eu queria?

- Ela não vai pinta nada, já chega dessa palhaçada Hinnata. – Minha mãe falou. Ela ta falando que o meu gosto e palhaçada? Que a cor que eu quero e palhaçada?Que o que eu estou sentindo e palhaçada? Ai que raiva.

- PALHAÇADA? Essa droga de quarto e meu, eu que tenho que escolhe!

- Mas não vai, a casa e minha e de seu pai, e eu não quero que você coloque cores escuras aqui. – Ela falou, e a raiva subiu sob mim. Cadê aquele lance que eles sempre diziam, “tudo que e meu e seu minha filha.” E porque rosa? Como se minha vida fosse uma gracinha e pura felicidade.

- EU ODEIO ROSA, ODEIO CORES ALEGRES, ODEIO VOCÊS. – Gritei – DEU PARA INTENDER?

- Você começou a odiar agora, deixa de palhaçada e fica feliz pelo o seu quarto ser lindo. – Ela disse a palavra lindo mesmo? Eu tava prestes a enlouquecer, então precisava ficar sozinha.

- AAAAAAAAAAAH, sai daqui, vocês dois. –Não consegui controlar mais minha raiva, e as coisas no quarto começou a se mexer.

- Não fale assim comigo Hinnata, já estou cansada de suas explosões, acho que meus pais estavam certos quando disseram que eu não coloquei limites em você! Todos da família fazem tudo por você, e o que recebemos em troca? Desaforos seus, mal educação, e nenhum ato de carinho e compaixão. E eu já estou no meu limite pelo o que você fez com a Alice. Aquilo foi inaceitável,e você pedira desculpas hoje mesmo para ela, ou melhor para todos. – Mamãe cuspiu as palavras que me machucaram, mas fingi que nem ligava.

- EU NÃO VOU PERDI DESCULPAS PARA VOCÊS, e se ta tão irritada assim mamãe, me manda para os Voltures, eles iriam adorar. Pelo menos lá, eu sei que seria bem tratada. – Como assim, ela diz que não trato ninguém bem? Eu só não fico lambendo o chão que eles pisam.

- Você não sabe o que ta falando, nunca conviveu com eles. – Minha mãe disse num tom de desgosto pelas palavras pelas minhas palavras

- Mas eu converso com o Alec, e sei muito bem que eles não me tratariam como vocês.

- A gente só trata você com carinho. – Fala serio, ela não ta dizendo isso.

- MENTIRA, os únicos que me entendiam era Charlie e Sue. – Mamãe olhou incrédula para mim, e saiu do quarto. Papai ficou com cara de taxo, não sabendo direito o que deveria fazer.

- Filha, como pode dizer isso? – Ele perguntou com uma certa dor na voz.

- E a realidade Jacob. – Pela primeira vez o chamei de Jacob, e a parti de hoje seria assim que chamaria a todos.

- Me chame de pai Hinnata, e depois conversamos. – E ele ficou sentindo pelo jeito que eu o chamei.

- Tanto faz. –Fiz uma pausa, respirando fundo não queria brigar com ele também, então tudo no quarto parou de se meche. – Agora sai do meu quarto.

- Ta bom, mas pense bem nós seus atos. – Ele disse fechando a porta. Eu realmente não pretendia discuti, mas porque diabos minha mãe tinha que coloca o quarto do jeito que eu odeio. Eu sinceramente não estava afim de brigas, queria ficar no meu cantinho, meditando na minha só isso. E o que custa ela coloca as coisas do meu gosto? NADA. Mas parece que ela decidiu me irrita, e tudo culpa dos meu avos. Abri a porta do quarto e fui descendo lentamente as escadas, encontrei minha mãe chorando nos braços de meu pai. A fala serio!

- Não Jacob, ela tem que nos respeita, ela trata a gente como se fossemos seus amigos, nos somos seus pais.

- Calma amor, sei que isso e verdade, mas vamos esperar passar um tempo por favor. – Ele respirou fundo e passou a mão nos cabelos de minha mãe. – Ela esta em um momento difícil.

- Todos estamos.

- Mas meu amor, você sabe como ela era apegada a Charlie e Sue, ela era mais apegada do que a qualquer pessoa.

- Eu sei, pois então, essa e á hora de tentarmos reeducá-la, temos que mudá-la amor, ela não pode crescer uma pessoa maluca e sem juízo. – Fiquei com raiva do que eles estavam dizendo.

- Eu não vou mudar coisa nenhuma, e quer saber de uma coisa, vai essa família toda se ferrar. – Como minha mãe podia dizer tal coisa? ME MUDAR? Que absurdo, e eu não sou assim sem juízo. Sai de casa, e fui conhecer o lugar, corri pela floresta tentando me liberta de tudo de ruim, e pensando na data. Hoje era exatamente dia 1 de novembro, e daqui a 6 dias era o aniversario meu e do Brian, não que eu estivesse animada para tal data, mas compraria um presente para ele.Comei a correr o mais rápido que meu corpo agüentasse, sabia que com isso relaxava, então já cansada parei no meio da floresta pretendendo descansa, encostei em uma arvore e fui escorregando ate chagar ao chão úmido. Ouvi passos próximos, droga, só podia ser algum inimigo, e eu to totalmente cansada sem energia. Fiquei totalmente alarmada, olhando de um lado para o outro, mas um aroma muito conhecido embriagou minhas narinas, olhei para a parte norte da floresta e avistei Seth, um alivio invadiu meu ser, sorri para ele que se aproximou de mim.

-Oi Hi. – Ele sorriu. – Não deveria está aqui sozinha, e perigoso.

- Oi Seth, e perigoso só se for pra quem vim me ataca. – Dei um sorriso extremamente debochado para ele.

Ele caminhou e sentou-se do meu lado, pegou uma de minhas mãos e perguntou.

- Como você ta?- Agora sua face estava seria.

- Por favor, não vamos falar desse assunto Seth. – Pedi, pois sabia que eu ia começar a chorar, ou ficar deprimida.

- Tudo bem pequena. – Ele deu um sorriso, que sinceramente era de iluminar o dia de qualquer um.

Mas acho que já estava fora de casa faz tempo, porque o céu estava totalmente negro.

- Seth, vou indo. Ta tarde e já faz tempo que to fora de casa. – Puxei minha mão que ainda estava junto da dele.

- Foi bom te vê Hi. – Ele sorriu.

- Também. – Levantei, na verdade tentei levantar, só que meus joelhos falharam e eu cai no chão que nem uma jaca madura. Ele riu.

- Ta bem pequena? – Ele perguntou tentando conter o riso.

- Oh, claro que to né. – Ele me olhou como se não acreditasse. – Só faz um tempo que não caço, ai to um pouco fraca. – Confessei, eu não gostava muito de caçar, ficava com dó dos bichinhos.

- Fala com Jacob Hi, você sempre com essa mania de fica sem caça.

- Eu sei. E que eu .. eu não gosto de ficar falando isso com ele. Amanhã vou caçar sozinha.

- Eu vou com você. – Ele me puxou para mais perto. – Você sempre querendo ser independente. – E me envolveu com seus braços fortes, Deus me abana.

Mas de repente senti uma energia passar do corpo dele para o meu, me arrepiando. Levantei minha cabeça, e percebi que ele sentiu a mesma energia que eu, então por impulso colei meus lábios nos seus, tentando invadir sua boca com minha língua. Ele diferente do que eu esperava, deu passagem, comecei a beijá-lo explorando toda a extensão de sua boca, em um ato inesperado, que só meu corpo mandava, sentei em seu colo de frente para ele, agarrando seus cabelos e rebolando, não sabia bem o que tava fazendo mais estava tão bom e que meu corpo desejava aquilo mais do que nunca, enquanto rebolava em seu colo, senti um volume crescer em baixo de mim. Seth deu uma leve gemida e apertou minha coxa subindo as mãos para logo em seguida aperta meus seios, agora quem gemeu fui eu. Então coloquei minhas mãos sobre seu peito nu, e comecei a acariciar, sentindo os músculos dele. Ele começou a subir minha blusa e eu levantei meus braços pra tirá-la, novamente ele apertou meus seios, e passou as mãos para minhas costas, abrindo meu sutiã, olhei para ele envergonhada. Ninguém nunca havia feito isso comigo. Seth continuava a passar a mão por meu mamilos, e eu arfava, aquilo era extremamente prazeroso. Ele me empurrou um pouco para trás e abocanhou meus mamilos, começando a passar sua língua ágio por eles. Eu arfava como louca, nunca soube que aquilo era tão bom, já estava completamente molhada, e do nada ele desceu seu short amostrando sua boxe branca. Seu membro pulsava fortemente por debaixo de sua boxe, e então decidi colocar a mão e apertá-lo, ele deu um gemido alto, e a sua boxe ficou molhada igualmente minha calcinha, puxei-a para baixo deixando seu membro amostra, e apertei novamente, ele gemeu mais alto do que da outra vez. Desci meu rosto beijando cada parte de seu peito chegando ate seu membro, passei a língua na cabeça e fui descendo passando a língua por toda parte, subi com minha língua ainda alisando seu membro e o abocanhei, Seth urrava. Então a fixa caiu. EU TO QUASE DANDO PARO O SETH, OMG. Parei imediatamente de fazer aquilo, afinal, ele era gostoso e tudo mais, mas eu não vou fazer isso numa floresta e sendo que eu nem gosto dele para isso.

- Seth, a gente não pode fazer isso. – Disse com a voz culpada.

- É eu sei. – Ele colocou a mão no rosto, e logo em seguida puxou sua boxe e short, e eu fui colocando minhas roupas.

- Cara, e se meu pai vê isso na sua mente. – Perguntei preocupada, tipo, ele ia me mata.

- CARALHO. – Ele ficou visivelmente nervoso. Então eu abaixei e dei graças a Deus por ter meus precisos dons.

- Calma, ok? – Coloquei minhas mãos em seu rosto, fazendo o mesmo escudo cerebral que eu tenho, assim, só iam ler a mente dele quando ele quisesse. – Sua mente agora ta que nem a minha, só vão lê-la quando você deixar.

- Obrigado Hi. – Ele me puxou, beijando meus lábios novamente. Paramos de nos beijar, então levantei, tinha mesmo que ir para casa.

- Hmm, Tchau. – Olhei para ele, insegura se devia pergunta. – A gente vai repeti isso?

- Por mim, claro que sim. – Ele sorriu safado. – Tchau pequena.

Comecei a caminhar rápido, e deu uma ultima olhada para trás, ele estava com cara de bobo, e respirando pesadamente.

Agora, chegaria em casa, só pensando nas ultimas hora, que foram extremamente diferentes para mim.

Fui para casa saltitando, parecia ate a Alice, nossa, agora me lembrei que faz tempo que ela não está assim, tenho que pedi desculpas para ela. AAAAAAAAAAAH, DETESTO PEDIR DESCULPAS. Mas nesse caso e preciso, quero começar as coisas aqui bem, e depois do sonho que tive quando estava no avião, sinto como se Charlie e Sue estivessem do meu lado me guiando e vigiando, só espero que eles não estivessem nas horas anteriores. OMG, eu to com o cheiro do Seth em mim, PQP, o que eu vou falar em casa. Bom vou falar nada, só vou ir direto para o quarto, e ninguém vai percebe, isso, o menina esperta. Cheguei em casa, e meus pais estavam na sala, ih, nem vou falar com eles, corre Hinnata, e se tranca no quarto, você ta com cara de quem fez merda. Corri que nem foguete, e cheguei ao quarto me trancando feito uma maluca.

- Filha precisamos conversa. – Disse minha mãe, oh Deus, vou ter que fingi que to com raiva sendo que to nas nuvens.

- Agora não to afim de papo, ok? – Tentei ser grossa, mas acho que minha voz me entregou.

- Filha, e serio, temos que conversa. – Cara, que insistente.

- Vou toma banho, depois a gente conversa Renesmee. – Vamos lá, ela tem que parar de fica na minha cola, e pensar, “ela ta com raiva, vou deixá-la sozinha.”

- Hinnata Cullen Black, não quero saber, abre essa porta. – O que eu vou fazer? O cheiro dele ta entranhado em mim, ela vai fica fazendo perguntas.

- Mãezinha querida, eu só vou tomar banho, não da para esperar? Eu to fedendo. – Falei um pouco com deboche, coisa que eu sempre fazia. Mas é uma grande mentira eu dizer que estou fedendo,porque eu  to com o cheiro do gosto do Seth. E já que fingi raiva não ta dando certo, vamos apela para ser carinhosa né.

- Te dou 10 minutos. – Ufa, consegui.

- Claro. – Corri para meu banheiro rosa, que nojo, enchi a banheira e joguei minhas roupas lá, e fui para o chuveiro. Meus pais tão um saco, e sabe de uma coisa, vou começa a lamber o chão de todo mundo, pra mim da minhas fugidas com o Seth. Aiii, acho que gamei. Lavei meus cabelos rápido, e passei o sabão. Coloquei um short, e uma camiseta velha do Bon Jovi, e desci.

- O que foi papai. – Fiz minha cara de santa. E procurei a minha mãe, cadê a ela? – Ah, desculpa por mais cedo, eu realmente tenho que pedir desculpas. – Suspirei, como se tivesse visto que só vivo errando. – Eu magoei todos. – Eu tenho talento para ser atriz.

- Tudo bem querida, eu entendo. – E tão fácil dobra ele, que fico ate boba.

- Cadê a mamãe?

- Na casa dos seus avós. – Bom, vou agrada.

- Tudo bem, to indo lá.

- Ta tarde filha, você pode ir lá amanhã.

- Não pai, vou hoje. - Caminhei ate a porta da sala, e peguei um chinelo. Corri ate a casa dos meus avós, que era tão perto da minha que cheguei em menos de 10 segundos. Bati na porta, e logo meu avó atendeu.

- Oi vovô. – Deu meu sorriso, fazendo cara de angelical. – Mamãe ta ai?

- Oi. – Ele deu uma pausa me analisando. E perguntou. – O que você ta aprontando?

- Eu? Nada ué. – Olhei para ele, e choraminguei. – Porque vocês sempre desconfiam de mim?

- Porque você sempre apronta. – Ui, cara ele e do mal. – Vamos, entra logo. – Ele me trata com tanto carinho, ¬¬. Entrei e encontrei minha mãe sentada chorando nós braços de minha avó. Só me faltava essa, vão me culpar de novo.

- Porque ta chorando mamãe? – Ela levantou a cabeça, e me encarou. Isso foi uma indireta? Ela ta dizendo que e por mim? Eu ein. – O que? Não fiz nada. – Mentira, fiz sim. Caminhei ate ela e minha avó que só me encarava com um olhar reprovação, fingi que não vi e beijei seu rosto. – Oi vovó, o que aconteceu? – Senti que ela ia descasca em cima de mim, vou começar primeiro. – Vovó, depois você responde, tenho que revela uma coisa. – Os pensamentos do meu avo só gritou “VOCÊ TA GRAVIDA?”, tipo assim, choquei, como ele pensa isso de mim. Todos agora me olhavam esperando eu falar. – Assim eu tenho agido mal com todos vocês sabe. – Dei uma pausa, e suspirei. – Desculpa gente, de coração. – E lá vai eles acreditando que me lamento das coisas que fiz, me lamento nada. Sorri tentando aparentar uma pessoa que se arrependeu. A porta da casa se abriu, e Emmett entrou me olhando.

- Vocês não vão acreditar nessa maluca vão? – Nota Mental: Cobri o Emmett de porrada. – Ta na cara que e mentira.

- Como você pode pensar isso de mim? – Parei e sentei, chorando, cara sou de mais. – Eu.. aqui tentando.. me desculpa... – Dei uma super pausa. – E você ai me culpando.- Apontei para ele. - EU TE ODEIO. – Levantei e sai correndo, tipo assim, me fazendo me mocinha ofendida e injustiçada.

Minha mãe veio correndo atrás de mim, e eu parei para esperar, virei para ela que me abraçou, se eu não tivesse fingindo, juro que seria um cena tocante.

- Filhinha, não liga para o Emmett.

- E que isso e tão injusto, ele me acusando. – Sequei as lagrimas falsas que escorriam de minha face.

- Eu sei, vamos, ele vai te pedi desculpas. – Fui correndo com ela voltando para a casa de meus avós, todos estavam lá. O beleza, hora de encena mais um pouquinho.

- Anda Emmett, pede desculpas. – Tia Rose falou, e deu um tapa nele.

- Foi mau ai baixinha. – Idiota, eu nem sou do tamanho da Alice. ¬¬

- Tudo bem. – Dei uma pausa. – Família, queria pedir desculpas por todas as besteiras que fiz. – Dei meu olhar inocente de novo, e todos sorriram para mim.

- Desculpada. – Todos falaram ao mesmo tempo, menos a Alice. Já vi que vou ter que fazer melhor.

- Tia Lice, desculpa por te ti culpado, eu sei que você não era culpada de nada, só que eu tava transtornada por causa da minha perda. – Ela me analisou, depois sorriu e me abraçou.

- Ta desculpada, Rose chega aqui, temos que da um jeito nessa menina, ela ta horrível. – Esperai, eu acabo de pedir desculpa, e ela me chama de horrível, vou mata essa baixinha. – Que cabelo e esse, Rose, pega lá em casa no meu quarto uma tesoura, e que roupas são essas, vou ter que te emprestar, você não vai para escola amanhã assim né. – Ih, to fora, vai querer me deixa patricinha.

- Alice amor do meu coração. – Ui, te parece que falo assim. – Eu to bem, juro. E amanhã de tarde a gente faz compra. – Ela sorriu. – Mas eu escolho as roupas.

- Ah. – Ela fez biquinho. – Deixa eu te ajuda por favor, você tem o gosto ruim que nem o da Bella.

- Ei! – Nos duas falamos juntas, e todos riram. Ficamos conversando ate tarde, ate que eles não eram tão chatos, depois de umas desculpas e se fazer de santa, todos eram bem legal.

- Família, eu vou indo. Diferente de vocês, eu tenho que dormi e eu realmente preciso estuda. – Fui caminhando ate a porta. – Beijos para todos.

Sai de lá e fui correndo para casa, realmente estava cansada, o dia tinha sido cansativo de mais, e amanhã seria uma escola nova e eu precisava ta bem, afinal, não sou nenhuma gênia.

Dormi sem sonhos, e acordei com minha mãe me chamando.

- Filha, vamos ta na hora. – Puta merda, hoje tem escola.

- Não quero ir não mãezinha.

- Nada disso, primeiro dia de aula, você tem que ir. – Droga.

-Ta bom, já to levantando.

- Você tem 10 minutos para estar lá em baixo. Brian daqui a pouco ta chegando aqui.

- Ta, ta. – Disse levantando, enquanto ela saia do meu quarto. Fui pro banheiro, tomei meu banho rápido, Coloquei uma calça jeans e uma blusa branca de mangas, calcei meu tênis e peguei minha mochila, que minha mãe havia comprado, e era roxa, serio se ela comprasse mais alguma coisa rosa para mim, eu ia perda as estribeiras e joga meu disfarce de boa moça pro alto. Desci as escadas, e Brian já estava me esperando, era engraçado, mas sempre quando ele me via sorria para mim, como se estivesse feliz em me vê. Tava com uma baita fome, mas não tinha tempo para comer, droga.

- Bri, espera um pouquinho? – Sorri para ele.

- Ta, mas anda logo.

- Ok. – Fui á cozinha, peguei umas torradas e um todinho. – Pronto, vamos.

- Ta. – Ele se levantou do sofá e foi andando. – Meu pai vai leva a gente, cara e um saco não poder dirigir.



- Concordo, a gente tem que depende de geral. – Eu e o Brian estamos na 8º serie ainda, e os únicos que disseram que não vão para escola, e meu pai e o dele. E como nossa escola e diferente da dos outros, só eles para nós levar. Entrei no carro e Alec estava nós esperando, fui para o banco de trás.

- Bom Dia Alec. – Sorri para ele.

- Bom Dia. – Ele retribuiu o sorriso.

O caminho foi silencioso, já que eu e Brian estávamos com nosso Ipod no ouvido. Chegamos rápido na escola, e todos ficaram olhando para gente, hora de lê a mente deles. Olhei para uma garota, que aparentava ser uma líder de torcida, e ela tava pensando “Que garota feia, será que é irmã desse gostoso, só pode ser, feia desse jeito deve ter puxado algum parente da família ou e adotada” Olhei incrédulo, Brian gostoso? Me mata, e feia e a cara dessa biscate! Agora iria ver o que esse garoto com cara de playboy ta pensando, “ Novatos, ate que a menina não e feia”, até, cara fui comparada com um lixo. Eu não sou feia, ai agora to pra baixo. Vou parar de lê, se não vou me senti pior ainda.

- Brian, você sabe onde é a secretaria disso? – Perguntei já irritada.

- Não, vamos pergunta.

- Pergunta você, não gosto desse lugar. – Cruzei os braços.

- O que pensaram de você? – Ele riu. – Te chamaram de feia? – Como a peste sabia?

- Vai a merda, ok? – ele gargalhou, idiota.

- Não devia ta irritada, vivo te falando isso. – Ele suspirou o colocou a mão no meu ombro. – E a realidade.

- Brian, sai de perto de mim. – Olhei querendo matar ele, que tirou a mão do meu ombro. – Juro que te mato se fala mais alguma besteira.

- Ih, ta de TPM? Ta chata de mais cara, pêra ai que vou pergunta pra loirinha gostosa se ela sabe onde e a secretaria. – Lá vai o otário se achando para Vaca de Torcida. Nem fiz questão de responde, só fiquei esperando com cara de poucos amigos para quem quer que passasse.



POV Brian

O dia da viagem para a nova casa foi normal, só não foi muito bom porque não vi a Hinnata direito, ai porque será que ela não me olha direito? Eu faço tudo por ela, e ela só pensa que sou amiguinho idiota e que esta sempre a disposição, sim eu estou sempre a disposição dela, mas não queria ser apenas o amiguinho. Amanhã seria o primeiro dia na escola, e eu a trataria como ela me trata, quem sabe assim ela acorda. Cheguei na minha casa nova, que tinha uma mobília e um aspecto totalmente diferente da casa antiga, e subi, fui vê como era meu novo quarto, era verde, com uns moveis tabaco, parecia quarto de mauricinho, mas tudo bem. Tomei meu banho, e coloquei só uma causa de moletom preta, desci e fui comer alguma coisa, minha mãe havia feito macarronada, comi 2 pratos rápido e subi, para ficar vendo TV, na verdade, fica pensando no que a Hinnata tava fazendo, cheguei ate pensar em ir da uma visita, mas achei melhor não, deixa para vê ela amanhã. Vi TV ate umas 21h20min e fui dormi, não tinha nada de bom para fazer mesmo. Dormi tranquilamente e sonhei, adivinha com quem? Hinnata, isso mesmo.



“ – Bri, eu gosto de você. – Ela dizia passando a mão em meu braço, e com a voz melosa. Eu sorria feito um imbecil cheio de amor.

- Eu sou completamente apaixonado por você Hinnata. – Eu dizia com minha voz de apaixonado. Então nós beijávamos apaixonadamente”.



Algum barulho dos infernos começou a toca, então reconheci o barulho de despertado, 06h50min, ótimo, já amanheceu e eu to me sentindo cansado. Relaxa Brian, você vai vê a Hinnata daqui a pouco, sorria. Impossível sorrir, to um bagaço, vamos levanta e vai toma um banho. To pirando, falando sozinho por pensamento. Levantei e fui logo toma meu banho, demorei um pouquinho no chuveiro, me arrumei colocando uma calça jeans, uma blusa de mangas e um casaco com meu tênis azul e branco da Nike. Desci e logo liguei para a casa da Hinnata, sabia que ela deveria ta dormindo ainda, e avisei a Nessie que passaria lá daqui a 10 minutos. Tomei meu café da manhã, subi escovei meus dentes e peguei minha mochila. Meu pai já me esperava no carro, e minha mãe ainda estava dormindo.

- Bom Dia pai. – O cumprimentei.

- Bom Dia Filho. – Ele sorriu e beijou minha cabeça, cara, não gosto quando ele faz isso. Fomos logo para a casa da Hinnata, chegando lá, Nessie mandou eu entra porque a dondoca não tava pronta ainda. Ela desceu uns 5 minutos depois.

- Bri, espera um pouquinho? – Como se eu já não estivesse esperando, dei um sorriso amarelo e respondi.

- Ta, mas anda logo. – Fui curto e grosso, se não ela ia fica enrolando.

- Ok. – Ela foi na cozinha, e pegou umas torradas e um todinho. – Pronto, vamos.

- Ta. – Levantei do sofá e fui logo andando. – Meu pai vai leva a gente, cara e um saco não poder dirigir. – Reclamei, mas e verdade, depende dele para tudo.

- Concordo, a gente tem que depende de geral. – Concordei com a cabeça e fui entrando no banco da frente e colocando meu Ipod no ouvido. O caminho foi um silencio total, cada um tava com seus pensamentos eu lugares diferentes, chegamos rápido na escola e geral tava encarando a gente. Hinnata sorriu e pelo o que eu conheço tava lendo os pensamentos dos outros, já falei para ela parar com isso. Ela fez uma careta, e depois ficou seria, sabia que tinha lido coisas que não queria.

- Brian, você sabe onde é a secretaria disso? – Perguntou ela toda irritada.

- Não, vamos pergunta. – Dei um sorriso para a loira que tava me encarando, oferecida.

- Pergunta você, não gosto desse lugar. – Ela cruzou os braços como uma criança com birra.

- O que pensaram de você? – Ri da cara dela. – Te chamaram de feia? – Para ela ta com essa cara, só pode ser isso. Mas eu descordo completamente de quem pensou isso dela.

- Vai a merda, ok? – Gargalhei, não posso da na pinta de que ela fica uma graça irritada.

- Não devia ta irritada, vivo te falando isso. – Suspirou o coloquei a mão no seu ombro. – E a realidade. – Ela ficou visivelmente irritada.

- Brian, sai de perto de mim. – Ela disse isso me fuzilando com os olhos, tirei rápido a mão do seu ombro. – Juro que te mato se falar mais alguma besteira.

- Ih, ta de TPM? Ta chata de mais cara, pêra ai que vou pergunta pra loirinha gostosa se ela sabe onde e a secretaria. – Sabia que ela ia fica mais irritada, ela sempre fica quando falo de mulher perto dela, se eu não a conhecesse diria ate que gosta de mim. Coisa que eu adoraria. Caminhei ate a loira oferecida e perguntei.

- Linda, pode me dizer onde fica a secretaria? – Dei um sorriso sexy para ela que se derreteu.

- Claro, e só segui reto e no prédio verde fica a secretaria. – Ela deu um sorriso, muito bonito ate. – Novato é? Bom, sou Sâmara.

- É sou novato sim, mas que nome mais lindo, como a dona. – Percebi que ela perdeu a linha, humanos, tão dobráveis.

- Olha, você pode precisar de ajuda toma o numero do meu celular. – E ela me entregou um papelzinho.

- Te ligo. – Virei e fui andando na direção de Hinnata que parecia que ia matar um. Ainda deu para ouvir os suspiros da menina.



POV Hinnata

Ele voltou alguns minutos depois com um sorriso idiota no rosto, nem vou pergunta o que a Vaca de Torcida falou para ele.

- Ai, a gostosa me deu ate o numero do celular dela. – Ele sorria feito um idiota que era.

- A biscate loira? – Ri sarcástica. – Pelo o que vi na mente dos outro, e sabonete de quartel meu filho. – Mentira, num vi nada. Mas tenho que estraga a felicidade né.

- Não seja invejosa Hinnata, só porque ela e gostosa, e você e toda sem sal. – Num da vontade de mata um desses? Ignorei e sai andando. – Vai para onde? Você não sabe onde e a secretaria. – E mesmo, droga. Virei e segui o imbecil. O raiva que eu to, querendo matar um. Respira, inspira, respira, inspira. Bem melhor, agora se o Brian vim falar mais uma vez sobre a Vaca de Torcida, biscateira, eu arranco a cabeça dele, sem brincadeira. Chegamos logo na secretaria, e minha primeira aula era de Matemática, puta merda , olhei para o horário de Brian e o dele era de português, o que é pior? Ele percebeu que não tínhamos aula juntos e disse:

- Pena, não tenho aula com você. – Suspirou, parecendo realmente triste. – Devo ter aula com a Sâmara. – Sorriu.

- Quem é essa Brian? – Perguntei levemente irritada, mas já imaginava que era a Vaca de Torcida.

- A loirinha.. – O interrompi.

- Ta, ta. – Virei e sai andando, com o mapa da escola que a mulherzinha tinha me dado junto com o horário. Entrei na minha sala e o professor já estava lá, PERFEITO, para o primeiro dia de aula.

- Er.. desculpe o atraso. – Fiquei vermelha tenho certeza.

- Tudo bem Srta...?

- Black. – Falei, eu prefiro Cullen mais minha mãe manda fala Black, palhaçada ¬¬.

- Srta.Black, pode sentar do lado do Sr. Willton – Nossa, Willton, mas que sobrenome e esse? Não respondi, só caminhei ate a carteira do meu parceiro. Ele me encarou e não falou nada, mas que cara nojento.

- Oi. – Eu vou puxa papo, não vou fica quietinha numa aula insuportável, fala serio.

- Oi. – Ele pareceu pensar. – Me chamo Lucas, e você?

- Hinnata. – Dei um sorriso sem graça, esse tal de Lucas e tão bonitinho, mas tem uma carinha de antipático. Ele é loiro de cabelos espetados, olhos verdes e parece ter +/- o mesmo tamanho do Brian.

Na aula toda conversamos, ate que ele não é tão antipático assim, ele gosta do mesmo estilo de musica que eu, NÃO TO DESLOCADA, e um cara super bacana. O sinal tocou e agora eu tinha aula de Biologia. Fui caminhando olhando o mapa da escola, e quando entrei na sala, por sorte, não estava atrasada.

- Olha a patinha feia. – A biscateira loira falou, o ódio subiu. Respira, inspira, respira, inspira. Olhei para a cara dela e sorri, mandando o dedo do meio para ela. Sentei em uma cadeira qualquer e quando olhei para o lado o Lucas estava lá, esse menino ta me seguindo?

- Adorei o que você fez. – Ele riu. – Minha irmã precisa mesmo se por no lugar dela, fica se achando só porque e líder de torcida. – Esse menino lindinho é irmão da biscateira loira, FALA SERIO.

- Sua irmã? – PQP. – Desculpa, mas ela e uma cretina. – Falo mesmo, não da para conter um comentário desses.

- Concordo. Ela sempre implica com as novatas, e você e a primeira a responde as implicâncias ridículas dela. – PERAI, VOU ALI MORRER E JÁ VOLTO. Como assim ele CONCORDA?

- Ih, comigo não tem essa não, encheu o saco mando logo toma.. – Parei, não vou xinga no primeiro dia, apesar que eu já xinguei né. Dei um sorriso. Ele riu.

Conversamos muito que nem na outra aula, via que ele seria um grande amigo. O sinal tocou e eu iria me sentar sozinha para lancha, o tristeza. Tava saindo da fila do lanche quando ele me chamou.

- HINNATA. – Olhei, e ele tava acenando para mim ir ate onde ele estava. Caminhei ate sua mesa e tinha uma menina e outro menino que eu não conhecia.

- Oi gente. – Cumprimentei todos.

- Pessoal essa e a Hinnata, ela tem duas aulas comigo, ate agora. Hinnata, essa e a Fernanda e esse e o Vinicius.

- Oi. – Disseram eles. Sentei-me do lado do Lucas. A menina tinha os cabelos vermelhos bem escuros, que ficam lindo com sua pele bem branca os olhos era pretos, já o menino tinha os cabelos castanho e olhos castanhos igualmente o cabelo pele bem clara.

Pela conversa que tivemos, todos eram do meu estilo.

Eles me falaram que teria o show do Paramore, o que me deixou muito contente. Nesse fim de mundo tem um show desses, OMG, to nas nuvens. Agora, que sou uma “boa moça”, vou poder ir, ui, vou chama o Seth, dizendo que e para ele me protege. Bem protege nada né, ai meu Deus, o felicidade.

O sinal tocou, e eu fui para a aula de Geografia, e encontrei o Brian de papinho com a Vaca de Torcida ¬¬, o que ele viu nela? Garota ridícula! Eu não estou com ciúmes, e só que .. Hmm.. eu só quero coisas melhor para o meu amigo.

A biscate loira me olhou com repulsa e deu um sorriso debochado, fazendo todas as outras Vacas de Torcida rir também, depois das risadas cessarem ela voltou seu papinho fútil com Brian, ele sorria para ela com cara de sexy ¬¬, tava mais ridículo que a biscateira, DROGA, porque ele consegue me travar na hora de entrar na mente dele, quero saber o que a ridícula ta falando. Fiquei encarando ele com cara de nojo, tipo assim “ não fala mais comigo se ficar de papinho com a Vaca de Torcida” e ele fingia nem ta me vendo. Alguma coisa interrompeu meus pensamentos, olhei para baixo e tinha um papelzinho perto da minha mão, olhei para a menina, que me incentiva com o olhar a abrir o papel, então foi o que eu fiz, lá tava escrito“ODEIA A SÂMARA TAMBÉM? :D” tive que rir, essa carinha no final foi impagável, peguei uma caneta e escrevi “SÂMARA? SE FOR A LOIRA RIDICULA QUE SE ACHA, SIM.” Ele olhou para mim e abriu um sorriso, depois abaixou os olhos para o papel, e deu uma leve risada.

- Realmente ela e ridícula, mas ela acaba com a vida de todos que não há respeitam. – Ela fez uma cara de triste, e respirou pesadamente. – Me chamo Maryane, mas pode me chamar só de Ane. – Ela deu um sorriso fraco. – Nossa aquele menino que ta com a Sâmara e tão lindo. – Eu obviamente ri do que ela falou, pois sabia que ela tava falando do Brian.

- O Brian? – Ela balançou a cabeça dizendo que sim. – Fala serio, ele e feio que dói.

- Você e cega? – Então parei para lê os pensamentos dela, “ OMG, que menina doida, um cara daqueles e ela chamando ele de feio, que pecado.”

- Não, e só que eu conheço ele faz muito tempo sabe? – Ela suspirou e pensou “ SORTUDA” – Então não vejo ele nem um pouco bonito, e agora to achando ele Ridículo. – Falei um pouco mais alto o ridículo.

- Você são.. tipo assim .. parentes?

- Digamos que não de sangue, mas de consideração. – Os pensamentos da menina começaram a gritar. “ME APRESENTA? ME APRESENTA? ” ela corou, acho que por causa do seu próprio pensamento. – Sabe, posso te apresenta para ele.

- Pode? Serio? Obrigada. – E sorriu realizada.

O professor tava passando alguma coisa sobre a África, que eu nem via, eu só ouvia minha musica no meu Ipod, feliz da vida com meus pensamentos dirigidos a Seth.

- Srta.Black – Alguém estalou os dedos no meu rosto, a turma toda riu.

- O..oi – Falei totalmente sem graça, mas que primeiro dia ein.

- Pode me dizer por quais mares a África e banhada? – COMO EU VOU SABER? Olhei para o lado e vi um nerd, ele com certeza sabe. Entrei na cabeça do nerd que só pensava em cálculos, ui ninguém merece.

- Um minutinho professor, deixa eu pensar aqui. – E finalmente o nerd pensou na resposta me chamando de burra, “Quem não sabe essa bobeira de pergunta? É banhada ao norte é banhado pelo mar Mediterrâneo; ao leste pelas águas do Oceano Índico e a oeste pelo Oceano Atlântico. O Sul do continente africano é banhado pelo encontro das águas destes dois oceanos.” Que cara irritante, precisa de uma resposta tão grande. - É banhada ao norte é banhado pelo mar Mediterrâneo; ao leste pelas águas do Oceano Índico e a oeste pelo Oceano Atlântico. O Sul do continente africano é banhado pelo encontro das águas destes dois oceanos. – Sorri, me fazendo de inteligente, o Brian sacou o que eu tinha feito e só sacudiu a cabeça.

- Muito bem, correto. – Vamos ver o que o professor, que eu não sei o nome esta pensando, “Como a menina sabe a resposta? Ela tava ouvindo musica.” Ri em meus pensamentos, ele parecia frustrado, já saquei o tipinho desse ai, adora fazer os alunos passar vergonha, já odiei.

- Ei. – Disse baixo chamando a menina do meu lado.- A loira de farmácia já te zoou?

- Já, ela me chamava de monstrega, gorda,cabelo de pico poxa eu não sou assim tão feia. – E não era mesmo, a menina era linda cara, fiquei ate com invejinha. Ela era loira, com as pontas levemente aduladas, olhos azuis, pele clara, devia ter minha altura, era magra. Me lembrava ate a tia Rose. Inveja e foda!

- Você não acreditou no que ela disse de você, né? – Ela balançou a cabeça dizendo que sim, como ela pode acredita? Depois eu que sou cega. – Fala serio, você não e nada disso que ela disse de você, olha o seu cabelo e olha o dela. – Ela olhou. – O seu e loiro original. – Ela riu.

- E, mas eu acredito em todas as coisas que as pessoas falam. – Ela disse envergonhada.

- Só acredite 100% na pessoa que você confia. – Dei um sorriso.

- Ta bom. – Ela corou, virando-se para frente e logo depois o professor tava chamando a atenção da turma.

- Turma, quero que vocês façam um trabalho em dupla. – Droga, eu tinha que fazer todos os trabalhos com o Brian, mas pelo visto, ele vai fazer com a Vaca de Torcida.

- Er.. faz comigo? – Perguntou Maryane, e né, vou fazer com ela mesmo.

- Claro Ane. – Sorri.

- Professorzinho, deixa eu fazer em trio? – A loira irritante perguntou. Nossa eu já dei tantos apelidos a ela, um melhor que o outro.

- Não, e em dupla, se tentar fazer em trio vai fica com 0 os três. – Ele fez uma pequena pausa. – E o trabalho e para depois de amanhã.

- O QUE? – A turma toda perguntou ao mesmo tempo.

- O trabalho é para depois de amanhã, e eu não vou aceitar outro dia. Quero em cartolina, e depois quero que vocês explique ele aqui na frente. – PQP, ainda tem que explica, mas que professor cretino. E ainda vou ter que explicar, aposto que quase tudo, já que minha nova amiga e tímida.

O professor passou a matéria que era o trabalho, no caso, a matéria que ele explicou hoje. O sinal tocou, dei um pulo da cadeira, mas quando ia saindo da sala Ane me chamou.

- Hinnata, podemos fazer o trabalho na sua casa? – Ela estava envergonhada de pergunta, nossa, essa menina e muito tímida.

- Hmm, claro. – Sorri amarelo, só espero que ela não seja estabanada e se machuque. – Amanhã depois da aula a gente faz.

- Ta bom, tchau. – E ela saiu correndo, toda estabanada.

Sai da escola e fui para o pátio esperar o Alec. Brian estava vindo, só consegui sentir seu cheiro, misturado com um perfume barato.

- Como foi seu dia Hinnata?

- Nossa Brian você ta fedendo. – Dei uma pausa. – E meu dia foi ótimo, e o seu? – Perguntei seca, nem queria ouvir.

- Muito bom, essa escola e de mais, a loira me deixou louco por ela, menina sedução. - Tem mais ridículo que esse?

- Perguntei se foi bom,e não sobre a tal “menina sedução”. – Fiz cara de nojo nas ultimas palavras.

- Ta de TPM mesmo né, eu só quis dizer o motivo de ter sido bom.

- Ta Brian, tanto faz. – Fechei a cara, mas alguém tocou nas minhas coisas, e eu senti um aroma conhecido, só não sabia de quem. Olhei para trás querendo saber quem era o individuo e vi Lucas, na hora desfiz minha cara emburrada para um grande sorriso, Brian me olhou torto e cruzou os braços.

- Já ta indo Hi? – Lucas perguntou numa voz meiga.

- E to sim. – Dei um sorriso fraco.

- Pena, ia te chama pra fica ali comigo e mais um pessoal que você não chegou a conhecer, deixa pra outro dia então.

- Claro. – Sorri, nossa ele e tão amigável.

- Tchau Hi. – Ele deu um beijo no meu rosto e saiu.

- Quanta intimidade ein Hinnata. – Olhei para o ser irritado do meu lado.

- Que foi Brian? – Esse menino vê maldade em todos os meus amigos, mas e serio, dessa vez não tinha nenhuma.

- Já vai indo Hi? – Ele fez uma voz debochado e com muito sarcasmo, o fuzilei com os olhos. – Hi?Hi? Ele te conheceu hoje, e ta cheio de intimidade.

- Brian. – Falei seria, ele ficou me encarando. – Me poupo desse seu discurso ridículo e sem noção. – Ele ficou todo serio e virou a cara, ficamos esperando Alec em silencio, 5 minutos depois ele chegou, tava agradecendo mentalmente por não ter que fica muito perto de Brian, mas quando vi Leah na frente, parei de agradecer. Entramos no banco de trás, todos os dois calados.

- Oi gente. – Cumprimentei.

- Oi Hinnata, Oi Filho. – Disse Leah, Alec só deu um sorriso que deu pra vê pelo espelho. – Como foi o dia na escola?

- Brian conheceu uma Vaca de Torcida, e ficou todo metido. – Fiz uma careta.

- Hinnata conheceu um playboy e ta cheia de confiança. – Ele disse com raiva na voz.

- Mentira, quem ta cheio de confiança e você, dando em cima da loira nojenta e ainda ficou me zoando com ela. – Parei irritada. – Seu ridículo.

- Cala a Boca Hinnata. – Ele praticamente gritou comigo.

 - Vai a merda Brian! – Falei no mesmo tom, cruzei os braços e coloquei os fones de ouvido olhando para frente. Leah só sacudia a cabeça, e ria da nossa briga. Brian fez o mesmo que eu.







POV Brian

Eu tive praticamente todas as aulas com a Sâmara, menina oferecida, mas deixa isso pra lá, já que Hinnata ficou morrendo de ciúmes dela, então vou continua perto dela. Ela me apresentou para os “populares” da escola, não que eu ligue para isso, mas ela fez questão dizendo que eu faria parte do grupo também. Na hora do intervalo eu pretendia procurar a Hinnata, pois não sabia se ela tinha feito amizades aqui, mas a loira e meus novos amigos me puxaram para a mesa deles. Enquanto comia procurei ela por todo canto, só a vi quando um loiro, muito parecido com a oferecida, a chamou. MAS QUE PORRA E ESSA? O que ela ta fazendo com aquele cara? Pensei que ela tinha parado de andar com aquele tipo de pessoas. Brian, acorda, ela anda com quem quiser. Comecei, ou melhor, tentei presta atenção no pessoal da mesa que só falava besteira. O sinal logo bateu, e eu fui para a aula, que eu tinha com a Sâmara de novo. Tava conversando com a Sâmara e uns amigos dela, e logo Hinnata entrou na sala, me olhando com cara de nojo, fingi que não vi e continuei conversando.

- Nossa, não suporto a novata. – Ela disse fazendo cara de nojo. – Menina estranha.

- Toda novata você fala isso. – Disse outra líder de torcida, e todos riram.

- E porque não entra ninguém de qualidade, só você Brizinho. – Sorri para ela, de um jeito sexy. Nessa hora Hinnata olhou para minha cara. E voltou a fazer o que estava fazendo, o professor começou a explica e todos ficaram quietos, só que a Hinnata, tava viajando ouvindo musica, e o professor reparou isso.

- Srta. Black. – Chamou ele, ela nem respondeu. – Srta. Black.? – Ele caminhou ate a mesa dela, e estalou os dedos na frente do seu rosto.

- O..oi – Ela disse toda sem graça.

- Pode me dizer por quais mares a África e banhada? – Se ferrou, quero vê ela saber. Ela ficou olhando a sala como se tivesse procurando alguém, e parou com os olhos no nerd, já era de imaginar que ela fosse fazer isso.

- Um minutinho professor, deixa eu pensar aqui. – E ela fez cara de pensativa, 1 minuto depois respondeu a resposta corretamente, sabia que ela tinha entrando na cabeça do nerd. O resto da aula foi tranqüila, tirando o trabalho de ultima hora, que eu ia fazer com a Sâmara. Sai da sala e fui para o pátio, logo vi Hinnata esperando meu pai e me juntei a ela.

- Como foi seu dia Hinnata? – Perguntei logo quando cheguei perto dela.

- Nossa Brian você ta fedendo. – E, realmente eu não tava com o melhor cheiro, mais precisava mesmo comenta? – E meu dia foi ótimo, e o seu? – Ela perguntou seca, então vou implica um pouquinho.

- Muito bom, essa escola e de mais, a loira me deixou louco por ela, menina sedução. – MENINA SEDUÇÃO? To rindo de mim mesmo.

- Perguntei se foi bom,e não sobre a tal “menina sedução”. – Ela fez uma cara de nojo nas ultimas palavras.

- Ta de TPM mesmo né, eu só quis dizer o motivo de ter sido bom. – Ela ta tão irritada hoje, que não da pra resisti de não implica com ela.

- Ta Brian, tanto faz. – Parece que ta sem paciência total, pois fechou a cara, mas logo depois alguém tocou nas costas dela e ela logo abriu um sorriso pro mesmo idiota que chamo ela na hora do intervalo. Olhei pra cara dela, que tava toda animadinha e cruzei os braços, já irritado com esse cara perto da garota que eu gosto.

- Já ta indo Hi? – O cara perguntou cheio de charme, sai de perto FDP, vou te mata se encosta nela.

- E to sim. – Ela deu um sorriso fraco meio que dizendo “ infelizmente, pois queria ficar aqui com você”. O ódio.

- Pena, ia te chama pra fica ali comigo e mais um pessoal que você não chegou a conhecer, deixa pra outro dia então. – Outro dia? Ta maluco?

- Claro. – Ela abriu um enorme sorriso, não acredito que ela ta caindo no papinho desse cara.

- Tchau Hi. – Ele deu um beijo no seu rosto e saiu. Nossa, que intimidade.

- Quanta intimidade ein Hinnata. – Ela me olhou inocente.

- Que foi Brian? – E continuava com o tom inocente na voz, mas ela não me engana não.

- Já vai indo Hi? – Falei todo debochado. – Hi?Hi? Ele te conheceu hoje, e ta cheio de intimidade. – Calma Brian, o ciúme ta te dominando, ela não sabe que você gosta dela, então respira, inspira, respira, inspira.

- Brian. – Ela disse seria me encarando. – Me poupo desse seu discurso ridículo e sem noção. – O ciúme me veio de novo, porque ela nunca me escuta? Ficamos esperando meu pai em silencio, 5 minutos depois ele chegou. Entramos no banco de trás, todos os dois calados.

- Oi gente. – Ela cumprimentou, eu não falei nada, só fiquei emburrado na minha.

- Oi Hinnata, Oi Filho.- Disse minha mãe, e meu pai deu um sorriso que eu vi pelo espelho. – Como foi o dia na escola? – PESSIMO.

- Brian conheceu uma Vaca de Torcida, e ficou todo metido. – Ela fez uma careta, como se só eu tivesse conhecido pessoas novas.

- Hinnata conheceu um playboy e ta cheia de confiança. – Disse com raiva.

- Mentira, quem ta cheio de confiança e você, dando em cima da loira nojenta e ainda ficou me zoando com ela. – Eu nem zoei, ta, um pouco, mas foi baixo, eu só tava entrando na conversa com todo mundo. – Seu ridículo.

- Cala a Boca Hinnata. – Gritei com ela, já que não tinha argumentos.

Coloquei o fone de ouvido e cruzei os braços, me jogando todo largado no banco do carro, minha mãe só ria da nossa pequena briga. Mas eu ainda tava irritado, o cara dando em cima da Hinnata, DA MINHA HINNATA, na minha frente, não dá.

4 comentários:

OLHA TA FICANDO INTERESSANTE...BJS

Oie
o cap tava bem legal
parabéns

Oi
bem eu gosto muito da sua fic mas acho que vc começou a forçar as coisas.
sabe, exagerar?
Tipo tah tudo bom só que a história do Seth e da Hinnata naum tem nada a ver
O Seth nunca faria isso, sabe?
Eu adoro a sua fic, mas acho que vc deveria tomar mais cuidado quando se tratar dessa relação dos dois.
é só um conselho pq a fic é sua e vc é que decide como quer escreve-la
mas é que como leitora me senti na obrigação de ti falar isso.
Desculpa por qualquer coisa
Beijo

rsrs que lindinho tomara que eles se
transformem logo e descubram o imprinting
um pelo outro. ta Otimo bjs

Postar um comentário

Não esqueça de comentar, isso incentiva os escritores e também a mim que tento agradar a vocês.