11 de fev de 2011

capitulo 16

Posted by sandry costa On 2/11/2011 2 comments


Iscas
 Mônica

Gui e eu rapidamente avisamos ao Carlisle e ao Marcos e logo todos estavam em guarda.
- Onde esta a Sarah? – Esme nos perguntou e eu não soube o que dizer.
- No meu quarto. – Gui falou. E era o mais provável. Todos corriam de um lado para o outro no castelo, falando em tom elevado. Chegamos ao quarto e abrimos a porta abruptamente. Sarah e Ariel estavam sentados assustados, as roupas amarrotadas no corpo.
- Qual o problema? – Ariel perguntou.
- Estamos sendo atacados. – Gui respondeu e Ariel e Sarah se levantaram rápido.
- É melhor irmos ver o biso. – Sarah falou e concordamos. Voltamos pra sala do trono e antes de chegarmos lá ouvimos uma explosão alta.
- Oh meu Deus! – Sarah gritou.
- O que... – Zê me interrompeu, ela falou enquanto corríamos.
- Estão forçando a entrada. – Na sala principal tinham vampiros e todos preparados pra lutar.

Sarah
- Todos bem? – Carlisle perguntou e afirmamos com a cabeça. Eles distribuíram os vampiros pelo castelo e eu odiei ter que ficar parada esperando, como se eu não soubesse me defender.  O biso olhou pra nós e nos chamou.
- Ariel, eu preciso da sua ajuda.
- Sim senhor.
- E eu biso? – Perguntei fechando a cara, ele me olhou por alguns segundos antes de falar.
- Gui, você e a Sarah vão examinar a parte subterrânea. – Eu o olhei com os olhos semifechados. Eu sabia o que ele estava fazendo, me tirando daqui de cima, onde tudo iria acontecer, e ainda estava mandando uma babá comigo.
- Gui, cuida dela. – Ariel pediu e eu bufei, me virei e saí. Já estava no último corredor antes de chegar onde tínhamos que ir quando o Gui me alcançou.
- Não os culpem por te proteger, eles te amam.
- É eu sei, mas eu sei me defender. – Caminhamos em silêncio e atenciosamente, olhamos cada porta do subsolo, aqui era a masmorra quando Aro governava, agora havia virado salas de treino. Um barulho baixo me chamou atenção.
- Ouviu isso?
- Sim. – Gui respondeu entrando em modo de ataque, no mesmo instante três vampiros pularam em cima de nós. Gui e eu os atacamos juntos, nós já tínhamos imobilizado um deles quando tudo ficou preto. Tudo era preto, não havia som, eu não sentia dor, eu não podia me mover.

Gui
Abri meus olhos. Sarah e eu estávamos em uma grande sala branca, nós dois estávamos amarrados em uma pilastra de ferro, correntes passavam por todo o meu corpo. Tentei quebrá-las, mas foi impossível. Sarah estava com a cabeça tombada tinha sangue em sua cabeça e eu temi o que eles fizeram com ela.
- Sarah... Sarah. – Ela começou a abrir os olhos e gemeu. – Olha pra mim. – Eu pedi e ela olhou pra onde eu estava. – Você está bem? – Ela afirmou com a cabeça.
- Onde estamos?
- Olha quem acordou. – Um vampiro falou entrando. – Sarah Cullen Black e Guilherme Francis “NA: Nossa foi difícil lembrar o sobrenome dele.”, sejam bem vindos. – Ele veio até bem perto de nós e em um movimento rápido ele deu um soco no rosto da Sarah.
- Wou! – Gritei me chocalhando tentando me libertar. Sarah tossiu cuspindo sangue. – Qual o seu problema?
- Vocês, sua família.
- Quem é você? – Sarah perguntou com a voz fria.
- Oh! Que falta de educação a minha. Eu sou Frederico King, encantado. – Ele fez uma mesura e sorriu. – O futuro rei do nosso mundo. Percebi que tinha outros dois vampiros na porta.
- O que vocês querem conosco? – Perguntei sem compreender o que exatamente eles queriam.
- Nada. Vocês são somente iscas. – Ele saiu e somente um dos vampiros ficou na porta, olhei para a Sarah e seus olhos estavam repletos de medo. Mexi-me tentando meu soltar, se eu pelo menos conseguisse usar meu dom, mas era como se eu não pudesse me teletransportar. Olhei para o vampiro na porta e ele deu um sorriso grande. Apontei minha cabeça pro vampiro na porta.
- Ele esta nos anulando. – Sarah me olhou e afirmou com a cabeça.
- Também não consigo usar meu dom. – Merda.
- Vamos ficar calmos, tudo vai dar certo. – Falei tentando me convencer disso.

Ariel

Sarah saiu irritada e isso me deixou mal, mas era o melhor. Eu sabia que ela era uma ótima lutadora, mas não gostava de vê-la correndo perigo.
- O que vamos fazer? – Perguntei ao Carlisle. Vários outros vampiros se juntaram a nós incluindo a Mônica. – Por que você não foi com eles? – Perguntei irritado, eu não queria ela em perigo também.
- Para Ariel e se concentra.
Saímos pra entrada do castelo e encontramos uns quatro vampiros lutando com o Rafael e a Zê. Nos envolvemos na luta, não demorou muito e um deles se afastou, ele disse algo em Alemão e os outros se afastaram também e foram embora, do mesmo jeito que chegaram.
- Fala sério! – Falei olhando sem entender.
- O que eles queriam? – Mônica perguntou.
- Provavelmente nos assustar. – Voltamos pro salão principal onde todos estavam.
- Onde estão a Sarah e o Gui? – Perguntei olhando em volta. Carlisle também olhou e mandou uma vampira ir atrás deles. Pouco depois ela voltou.
- Eles não estão lá.
- Como? – Perguntei assustado. Fui eu mesmo conferir, percebi que eu não era o único, Mônica, Carlisle e Esme foram juntos. Procuramos em todo lugar, mas nem sinal deles. Em uma das portas estava escrito.

“Fim da era Volturi, início da era King.”

- Eles os pegaram. – Carlisle constatou o óbvio.
- Mas por quê? – Perguntei.
- Por que eles querem que vamos buscá-los. – Esme falou, nos fazendo compreender. – Eles são a isca.

***
        
Em dois dias toda nossa família, incluindo os lobos, estava em Volterra, todos estavam preocupados. Eles fizeram planos de ataque, Jazz ajudou a organizar os grupos de resgate.
- Temos que descobrir onde eles estão. – Marcos falou.
- Eu posso ajudar. – Zê falou e se concentrou. – Norte de Florença. – No mesmo instante todos começaram a se organizar pra irmos atrás deles.
- Como você está? – Perguntei a Mônica, ela virou o rosto pra que eu não visse seus olhos.
- Bem.
- Vai dar tudo certo. – Falei a abraçando.

Sarah
Os dois dias seguintes passaram lentamente. Eles me torturavam fisicamente e psicologicamente, eu só não sabia o que eles queriam, Gui achava que era só pra me ver sofrer. No segundo dia eles começaram a agredi-lo também, mesmo não tendo o mesmo efeito que em mim. Meu corpo todo doía e minha cabeça latejava.
- Sarah. – Gui me chamou e eu esforcei pra olhar pra ele. – Aguenta firme, nós vamos dar o fora daqui. – Eu já havia percebido que eles não pretendiam nos entregar para nossa família, nós éramos brinquedos descartáveis, já que eles já tinham conseguido o que queriam. Provavelmente agora toda nossa família estava em Volterra se preparando pra vir atrás de nós.
- Eles... Não podem... Vir. – Falar era difícil, eu sentia como se todos os meus ossos estivessem quebrados.
- Quem? – Gui perguntou atordoado.
         - Nos-sa família. É uma... Emboscada. – Gui não respondeu. Ouvimos a porta bater e logo dois vampiros estavam na nossa frente, atrás deles estava Frederico King.


2 comentários:

ai meu deus que caras covardes meu
bando de filha da p*$#
são uns cornos
plhaços
quero ver baterem em alguém com a força deles
a esses desgra*&¨%$&*, filhos da P*&#
tah parei
ja desabafei
coitadinha da Sarah San
que isso, quanto maldade
mas mesmoassim eu amei o cap ( obvio néh Jóyce, não fui tu que apanhou apokspakskop)
Beeeijos

pq tinha q ser tão pequeno vou chorar, mas ta perfeitoo amo as suas fanfics bjss

Postar um comentário

Não esqueça de comentar, isso incentiva os escritores e também a mim que tento agradar a vocês.