6 de fev de 2011

capitulo 19

Posted by sandry costa On 2/06/2011 5 comments


Eu me espreguicei lentamente e sorri ao sentir o calor que só podia pertencer a Jacob perto de mim, inspirei fundo, sim só podia ser dele.
            - Bom dia amor – ele sorriu perfeitamente e acariciou minha bochecha.
            - Bom dia Jake – seu sorriso refletiu no meu.
            - Pensei que você ia ficar na cama o dia todo – ele riu – Acho até que já retiraram o café... Mas como eu sou um namorado preocupado com a minha garota, eu trouxe pra você.
            Eu tenho certeza que estava com um daqueles sorrisos de orelha a orelha, Jacob era tão perfeito em tudo que fazia, eu me sentia tão completa perto dele.
            Ele colocou a bandeja em minha cama, tinha até uma florzinha.
            - Você que montou? – eu falei ainda encantada com seu gesto.
            - Você sabe que eu não sou muito bom na cozinha, mas a flor foi idéia minha – ele riu.
            - Obrigado – eu toquei sua bochecha e rocei meus lábios nos seus – Eu já falei que eu amo você?
            - É sempre bom escutar – ele falou rindo.
            - Eu amo você – dei um beijo no canto de sua boca – Eu – dei outro beijo no lado contrário – Amo – beijei-o nos lábios – você.
            Seu sorriso estava perfeito como sempre deslumbrando qualquer uma a sua frente.
            - Não vai comer Ness? – ele pegou um dos morangos que estava no prato mordeu um pedaço e me ofereceu.
            Jake de manhã já dando morangos na minha boca?
            Ok, eu definitivamente herdei o lado ninfomaníaco das Swan.
            Eu mordi o morango que ele me oferecia e passei a língua por meus lábios, umedecendo-os.
            Notei seu olhar se fixar ali e logo ele suspirou.
            - Então qual é a minha surpresa? – comentei enquanto comia um pedaço de waffles.
            - Se é surpresa eu não posso te falar. – ele sorriu – E eu só vou dar os parabéns pra você hora que formos para lá.
            - Então minha surpresa é um lugar? – eu tentei adivinhar.
            - Também. – ele riu da minha empolgação.
            - Ah, Jake você sabe como eu sou... Nunca consigo esperar por surpresas, sempre descubro antes.
            - As minhas você nunca descobriu – ele sorriu e pegou mais um morango.
            E era hipnotizante o jeito que ele movimentava seus lábios, sensualmente, ou talvez seja essas duas piscinas negras que me fitavam profundamente e eu não pude deixar de corar e lembrar de ontem a noite.
            E eu podia jurar que ele pensava o mesmo.
            Eu peguei o morango que estava em sua mão e dei uma suculenta mordida, logo depois colocando nos lábios de Jake que sem hesitar mordeu o resto e limpou seus lábios com sua língua.
            Meu deus, como eu vou sobreviver assim?
            Respira e inspira Renesmee, antes que você ataque seu namorado agora mesmo. Eu repeti mentalmente.
            - Já terminou – ele perguntou.
            - Sim – falei devolvendo a bandeja para ele.
            Ele colocou na pequena mesa que tinha no canto do quarto e veio até mim com um sorriso e se sentou ao meu lado.
            - Obrigado Jake? – eu falei me aninhando em seus braços – Estava uma delicia.
            Senti seus lábios em meus cabelos, logo depois em minha orelha, seu hálito quente penetrando em minha pele, me fazendo ficar arrepiada no mesmo instante.
            - De nada amor – ele roçou seus lábios na ponta da minha orelha.
            Eu apoiei a cabeça em seu ombro, jogando-a para trás e deixando o caminho livre para ele beijar meu pescoço.
            Ele mordiscou minha orelha mais uma vez e eu pude sentir ele inspirar profundamente a pele de meu pescoço, mas uma vez eu estremeci e senti seu braço se apertar em minha cintura.
            - O seu cheiro... – ele murmurou com a voz rouca – É tão bom ness...
            Oh céus, como eu podia me abnegar disso? Era muita tentação.
            Eu senti seus dentes roçarem em minha pele e praticamente engoli um gemido, será que... Será que é essa a minha surpresa?
            - Hoje eu vou estar raptando você – eu pude sentir o seu sorriso – O dia todo, tudo bem pra você?
            Ah Jake, você pode me raptar a hora que quiser, bom quem sabe 24h por dia... Eu juro que vou aceitar de bom grado. Eu pensei e quis falar, mas ao sentir seus lábios de novo em meu pescoço eu perdi minha linha de raciocínio.
            - Quem cala consente em Ness... – ele sussurrou mais uma vez.
            - Hmm – foi tudo o que eu consegui dizer.
            Ele agora percorria meu ombro com seus lábios, ora beijando, ora sugando minha pele, eu fechei meus olhos e a sensação de seus lábios em minha pele pareceu se aquecer ainda mais.
            - Tome um banho – ele beijou meu pescoço – Se arrume – Mais um beijo – Que daqui a pouco nós saímos.
            Ele fez se afastou um pouco e eu me virei capturando seus lábios em um breve beijo.
            Breve por sua causa, ele vinha aqui me deixava praticamente queimando e agora saia de fininho? Argh.
            - Se arrume – ele falou enquanto se afastava com um sorriso – Volto logo pra te pegar, prisioneira.
            Oh céus, será que ele tinha noção do duplo sentido dessa frase? Ou das fantasias impróprias que rondavam por minha mente agora mesmo?
            Ele fechou a porta e eu suspirei pesadamente.
            Fui para o banheiro e tomei uma rápida chuveirada, sequei meus cabelos e fui enrolada na toalha até minhas malas.
            Ok, agora descobrir o que eu iria vestir é o mais difícil.
            Abri o primeiro compartimento e notei uma porção de lingeries, eu corei ao ver o tamanho das calcinhas que tia Rose ou tia Alice haviam separado para mim.
            Entre tantas eu resolvi escolher uma vermelha que se destacava em minha pele pálida, rapidamente a coloquei e fui ver a roupa que eu iria.
            Outra vez eu me surpreendi, elas haviam escolhido para mim uma big mala cheia de roupas provocantes e eu mal sabia o lugar que Jacob iria me levar... Se ele ao menos me falasse.. Bom, se tratando de Jacob eu não sabia o que esperar, ele poderia tanto me levar a uma campina como em um restaurante chique.
            Resolvi optar por uma roupa mais confortável, peguei uma saia xadrez azul, uma blusa branca com a manga três quartos, um colete preto e um par de botas cinzas.
            Passei uma maquiagem mínima e quando fui me sentar bateram na porta.
            - Pronta Ness?
            Eu sorri e abri a porta.
            - Sim – ele me fitou de cima a baixo e pegou minha mão.
            Nós fomos em direção ao elevador e eu estava me mordendo para saber onde Jacob iria me levar.
            - Nós vamos de carro?
            - Sim – ele deu o seu melhor sorriso.
            Notei que ele estava vestido com uma camisa branca com o corte em V, calça jeans preta e aquela jaqueta de couro que eu amo.
            Como eu podia namorar alguém tão lindo assim?
            - Nós vamos direto para a garagem? – eu notei que ele havia apertado o botão da garagem.
            - Sim, você é minha prisioneira agora Ness – ele riu e afagou minha bochecha – Não quero te dividir hoje com ninguém.
            Eu nem preciso comentar o efeito que essa frase teve sobre mim.
            As portas do elevador se abriram e nós fomos até o meu Aston Martin, Jake abriu a porta para mim e logo depois entrou do lado do motorista, ligando o carro e acelerando.
            Ele pegou minha mão e nós entrelaçamos nossos dedos, eu sorri satisfeita com o calor de sua mão na minha.
            Olhei seu rosto de perfil, Jake tinha uma beleza tão exótica, ele exalava confiança e poder, seus traços, as maçãs de seu rosto, tudo nele tinha um tom imponente que o fazia ser mais bonito ainda, seu cabelo macio, sua barba bem feita quase sempre, seu cheiro, tudo nele me atraia, me deixava sem ar, até mesmo sua voz rouca produzia seu próprio efeito em mim.
            E Jake sabia que tinha esse efeito sobre mim, que a paixão e o impriting entre nós só havia aumentado, eu ainda pensava as vezes que estava sonhando, que a qualquer momento Jake podia escapar por entre meus dedos e esse era o meu maior medo, perder Jake tinha se tornado tão doloroso que o simples pensamento já me afetava em grandes proporções.
            Mas eu tive que levar em conta tudo que nós dois passamos para estarmos aqui hoje, juntos como um casal. Tantas indas e vindas, angustia, lágrimas intermináveis. Era Jacob quem me completava e por mais que eu insistisse sempre seria ele, a minha metade, minha alma gêmea.
            Por que até mesmo o impriting contribuía com nós, e o destino me presenteou de uma forma tão grandiosa que eu não podia contestar.
            Eu havia ganhado um amigo e um namorado ao mesmo tempo, que me ouvia e também queria ser ouvido, que eu sabia que lutaria ao meu lado se fosse preciso.
            - O que foi? – ele perguntou enquanto eu o fitava.
            - Nada, só olhando. – sorri.
            - Nós já estamos chegando... E antes da parte mais legal, nós vamos parar pra almoçar ok?
            - Sim, já que eu não tenho escolha né.
            - Isso mesmo – ele riu – então hoje você faz 18 hun?
            - Oito na verdade – eu ri.
            Ele me olhou divertido.
            - Eu devia me sentir um pedófilo agora?
            - Com toda certeza – eu continuei rindo.
            - Sua boba – ele pegou minha mão,
            - Jake, me fala... Que lugar mais legal é esse?
            - Você vai ver baby – ele disse com um sorriso.
            Eu rolei os olhos e apertei sua mão.
            Nós finalmente chegamos ao restaurante aconchegante no alto de uma colina, ele deixou o carro com o manobrista pegou minha mão e descemos.
            - Temos reservas – ele disse a recepcionista – Para dois.
            - Nome?
            - Jacob Black – ele sorriu e eu vi que a mulher de repente ficou bem animada perto dele.
            - Oh senhor Black, eu pensei que só viria a noite.
            Por que ela olhava com aquele sorrisinho idiota? HELLO, ele tava acompanhado.
            - Mudança de planos – ele sorriu – Algum problema?
            - Não, venha comigo.
            Nós fomos atrás da mulher irritante que nos colocou em uma mesa um pouco afastada das outras, perto de uma parede feita de vidro que nos deixava apreciar toda a vista.
            - Tenham uma boa noite – ela falou olhando só pra ele.
            Que por sua vez, apenas me fitava.
            Ela saiu e eu suspirei, namorado bonito dá dor de cabeça... Com certeza.
            - O que foi Ness?
            - Você nem percebe o que faz com as garotas a sua volta não é?
            Ele sorriu.
            - Por que eu só presto atenção em uma – Ok, esse era um bom argumento, corei.
            Ele tocou minha mão e eu pude sentir seu calor, tanto pelo toque como pelo olhar. Eu olhei em seus olhos e depois para a vista ao nosso lado.
            - É lindo Jake.
            - Sim, eu pensei que você iria gostar.
            Até se ele me levasse para uma cabana velha, um penhasco, até mesmo um porão, se ele estivesse comigo tudo ficaria perfeito, absolutamente tudo.
            - Um porão Ness? – ele riu.
            Ops.
            Soltei sua mão e vi a garçonete vindo até nós, ela nos entregou o cardápio e pegou seu bloco.
            - O que vão querer para bebida?
            Jake pediu um vinho e frutos do mar enquanto eu fitava a vista, tentando ainda adivinhar o lugar em que ele estava me levando, se seria hoje que nós finalmente faríamos amor.
            Nós conversamos coisas mais banais até a garçonete vir com os nossos pratos, eu observei Jake comer e mal toquei em meu prato, não que estivesse ruim, mas meu estomago revirava de antecipação, eu não podia evitar, eu desejava Jake, eu queria ter uma entrada, qualquer coisa que eu pudesse abordar esse assunto, contar a ele o que mamãe e minhas tias iriam fazer, eu estava contando que ele aceitasse e que não desse para trás, por que depois disso eu não precisaria mais de nenhum presente, almoços caros ou jóias raras, por que tudo que eu mais queria estava na minha frente.
            Sentado, olhando para mim.
            - Não gostou Ness? – ele perguntou.
            - Está uma delicia Jake – sorri – só estou sem fome.
            Ele sorriu.
            - Você quer descobrir qual é a nossa próxima parada?
            - Sim – sorri.
            - Bom, antes eu tenho uma coisa pra você... – ele sorriu e colocou a mão em seu jeans – Sabe não é grande coisa...
            - O que é Jake? – eu falei curiosa.
            Ele colocou a caixinha na minha frente e meu coração acelerou.
            - É um anel que pertenceu a minha mãe – ele falou olhando em meus olhos – Tem um grande valor emocional pra mim, você sabe. Mas em nossa família, ele geralmente é dado as mulheres, como nenhuma de minhas irmãs quis ficar com ele por causa da mãe, eu o peguei enfim, era para eu dar a uma pessoa especial e eu acredito que estou dando a pessoa mais especial da minha vida.
            Eu estava sem palavras.
            Como Jake consegue me fazer ficar assim? Sem palavras, emocionada, a beira de lagrimas, louca por ele.
            Ele abriu a pequena caixinha e eu vi um anel lindo com uma safira no meio e em volta incrustado com brilhantes.
            - Oh jake – meus olhos se encheram de lagrimas – É lindo...
            Ele sorriu e colocou em meu dedo.
            - E agora ficou mais lindo ainda.
            Eu olhei para a minha mão contemplando aquele anel e todos seus significados e fiquei maravilhada.
            - Eu nem sei o que te falar – eu deixei uma lagrima escapar por meus olhos.
            - Você ta chorando?
            - Lagrimas de felicidade – eu sorri – Eu amo você Jacob.
            Ele levantou de sua cadeira e me puxou para um beijo apaixonado, que sem esperar nem um segundo eu correspondi, eu podia sentir a doçura entre nós, o amor pairando sobre cada gesto, o desejo começando a borbulhar por nossas línguas que se tocavam com sincronia.
            -  Eu amo você Renesmee – ele encostou a sua testa na minha e sorriu.
            - Obrigado Jake – toquei sua bochecha.
            Ele continuou sorrindo e pediu a conta.
            Eu não preciso falar que a essa hora todos no restaurante nos olhavam com aqueles olhares de inveja e admiração, a garçonete se apressou em trazer a conta e nós saímos do restaurante.
            Bom, finalmente eu saberia que raio de lugar é esse!
            Ele ligou o rádio e nós fomos conversando sobre a festa que tia Alice daria hoje a noite.
            - Tomara que ela não exagere – comentei.
            Jake riu.
            - Estamos falando de Alice aqui, não tem como evitar exageros.
            Nós dois rimos e de repente o carro “engasgou” e foi parando.
            - O que foi?  Já chegamos? – olhei em volta.
            - Não – ele franziu o cenho - Aconteceu algo com o carro.
            - Sério? – eu olhei a fumacinha que saia do capo – Ah, a revisão que tia Rose iria dar seria segunda.
            - Ah droga, eu vou ver o que aconteceu.
            Eu observei Jake sair do carro e abrir o capo, uma onda de fumaça se libertou e ele foi para trás tossindo.
            Eu desci também para ver o que tinha acontecido.
            - Provavelmente algo com o motor, mas não vou conseguir ver isso agora – ele falou com seu cenho ainda mais franzido – Mas que droga, por que logo hoje?
            - calma Jake – eu sorri e toquei seu braço – Nós podemos ir a pé.
            - Mas como vamos chegar apresentáveis lá? – ele coçou sua cabeça – e, além disso, é longe.
            - Então vamos ligar para alguém vir nos buscar, ou trazer outro carro – eu sugeri – E já ligamos para algum guincho também.
            Ele ainda parecia decepcionado.
            - Ok.
            - Vou pegar meu celular.
            Eu peguei meu celular no suporte ao lado da porta.
            Sem sinal.
            - Jake você trouxe seu celular?
            - Não achei que fosse precisar – ele veio até meu lado – Por que?
            - O meu ta sem sinal.
            Ok, isso era no mínimo chato, mas eu tive que me controlar muito para não rir do bico de Jake agora.
            - Mas que merda – ele falou chateado  enquanto olhava para seu pé – Desculpa Ness, eu queria que hoje fosse tudo perfeito, mas pelo o que eu to prevendo vai ser um completo desastre.
            Eu engoli meu riso e fui até seu lado e o abracei.
            - Você agora prevê as coisas? Pensei que esse trabalho fosse da Alice.
            - Engraçadinha – ele falou me abraçando.
            - Lembra do que eu falei? Tudo seria perfeito mesmo que você me levasse a um porão.
            Ele assentiu e continuou olhando para baixo decepcionado.
            - Bom Jake – eu sorri – Você não sabe se tem alguma coisa aqui perto?
            - Tem uma praia – ele respondeu – a alguns quilômetros, mas não deve ter ninguém nessa época...
            Perfeito.
            - Vamos lá então, quem sabe nós não damos sorte?
            - Você não quer esperar algum carro passar aqui, ou sei lá, eu vou sozinho atrás de ajuda.
            - Não Jake eu vou com você lá na tal praia.
            - Ok eu acho.
            Eu peguei meu celular e ele trancou o carro.
            Nós começamos a andar em uma velocidade não muito normal e apesar de jake sorrir eu sabia que ele estava decepcionado, seja lá o que ele havia planejado para nós hoje eu estava feliz.
            Feliz por estar apenas com Jacob, sem nenhum olhar questionador a nossa volta, sem ninguém para nos interromper ou para impor limites, era apenas eu e Jake e a floresta ao nosso redor, eu olhei mais uma vez para ele que mantinha seus olhos a frente, e olhei para o anel em minha mão, eu sabia que aquilo significava mais que uma simples jóia, aquilo fazia parte da historia de meu Jacob, um pedaço da triste memória que ele tinha de sua mãe que ele felizmente compartilhava comigo.
            Alguém especial, isso que ele havia dito.
            Mas eu sabia que na verdade que isso significava muito além, meu coração acelerou, e eu fui tomada por uma forte onda de emoção, aquilo era um sinal de comprometimento, meu Jacob, mais uma vez me provando o quanto me ama, e o quanto eu sou especial para ele.
            Eu deixei um sorriso serpentear por meus lábios e notei que Jake agora me olhava curiosamente.
            - Sério Jake – eu mantive meu sorriso – Por que você ainda continua triste?
            - Não estou triste Ness – ele pegou minha mão – Nunca vou ficar triste com você do meu lado, eu apenas estou decepcionado por não poder ter o dia “perfeito” com você.
            - Oh Jake, você precisa de mais perfeição que isto?
            Eu apontei em volta.
            - Só nós dois, sem ninguém por perto – eu toquei sua bochecha – Eu não poderia pedir um dia melhor.
            Eu tinha quase certeza que ele entendeu o que eu quis dizer, por que antes mesmo que eu pudesse o beijar ele falou.
            - Ali – ele apontou – A estrada que leva a praia, vamos.
            Revirei os olhos e apressei meus passos.
            Nós chegamos a uma praia relativamente pequena com bastante pedras o mar parecia ser bem violento e as constantes ondas arrebentavam com raiva contra as pedras centenárias, apesar de estar um dia nublado eu podia ver a beleza daquele lugar quase intocável e sem presença humana ou de qualquer outra espécie.
            - Ali, uma cabana quem sabe não tenha alguém lá? – ele falou enquanto me guiava até lá.
            A cabana me dava arrepios, ela tinha uma aparência um tanto quanto macabra e quem moraria ali afinal? Esse lugar mal parecia ter energia elétrica.
            - Espera – eu o puxei – Não podemos... sei lá, curtir um pouco a paisagem?
            - Claro que poderíamos – ele sussurrou – Mas olhe para o céu, está prestes a chover...
            Ah ok, foi só Jake falar que eu senti uma gota cair em minha cabeça, perfeito. Agora eu estava começando a me irritar.
            - Ok, vamos logo.
            A chuva começou a cair pesadamente enquanto andávamos o mais rápido possível para a tal cabana e ela era menos assustadora olhando mais de perto, tinha uma placa deVENDE-SE, então certamente estaria desocupada, mas Jake insistiu em bater.
            - Definitivamente não tem ninguém Jake – eu falei enquanto ele quase quebrava a porta.
            - Mas olhe a grama tem aparência de que foi aparada a pouco tempo e a pintura da cabana está em ótimo estado... – a medida que ele falava foi ficando evidente que ele estava em desespero.
            Mas esse seria o aniversario mais cômico de minha vida.
            Percebi que inconscientemente ele ainda batia na porta.
            - Jake, acalme-se você vai...
            BAM!
            Jacob olhava apavorado para mim e para porta que acabara de cair, Ótimo agora seriamos presos por invasão de propriedade privada.
            - Meu deus – ele falou fracamente.
            A chuva aumentava cada vez mais e nós mal podíamos escapar dela na soleira da porta, eu estava encharcada assim como Jake e já que havíamos arrombado mesmo...
            - Vem vamos entrar – eu puxei sua mão e ele apenas me fitou.
            - Você ta louca? – ele falou exasperado – isso é crime, nós estamos invadindo uma propriedade!
            - Oh como se você arrombando a porta também não fosse um crime! Anda Jake, nós vamos ficar ensopados aqui e a casa não tem nem moveis por dentro! Ninguém vai chegar agora.
            Ele pensou um pouco em minhas palavras e acabou cedendo.
            Eu estava ficando com frio e as roupas molhadas não ajudavam muito em tudo isso.
            - Você ta com frio? – Jake me perguntou.
            - Um pouco.
            - Droga, eu esqueci minha jaqueta no carro – ele fez uma careta – Vou ver se eu acho alguma coisa aqui.
            - Ok. – eu concordei rapidamente imaginando se aquilo não era classificado como furto.
            Jake foi para um corredor e eu observei a cabana por um instante.
            Ela era toda rústica mesmo sem moveis eu poderia ver facilmente que a cozinha e a sala eram no mesmo cômodo, seguida de um pequeno corredor, ela estava com um pouco de pó, mas mesmo assim parecia ter sido desocupada a pouco tempo... E para a minha surpresa tinha até interruptores, eu fui ligar um, mas não havia energia como eu tinha suspeitado.
            Suspirei resignada, droga, teríamos que ficar um bom tempo aqui até que essa chuva passe e nós possamos voltar até o carro.
            Que eu tinha minhas serias suspeitas de que ainda estivesse lá, estremeci diante ao pensamento e a brisa chuvosa que entrou pela porta.
             Eu realmente adorava aquele carro, pensei enquanto tirava minhas botas encharcadas. Papai provavelmente vai ficar uma fera quando descobrir, mas certamente me daria outro...
            E se eu e Jacob não conseguíssemos voltar a tempo da festa? Eu nem queria pensar sobre isso, provavelmente tia Alie teria um ataque e papai culparia Jake por tudo.
            Como sempre...
            Já que eu estava mesmo toda encharcada resolvi tirar meu colete de lã que só provocava uma sensação ruim em minha pele.
            Pensei em tirar minha camiseta também, mas sabia que a Jacob não iria gostar nada disso... Ou ele podia até gostar... O lado mais perverso em minha mente provocou.
            E de repente eu vi que esse era o momento perfeito para eu trazer o assunto a tona, estava apenas eu e Jake nessa cabana praticamente isolados do resto da civilização, o que mais poderia nos distrair?
            Eu dei uma risadinha involuntária e senti meu rosto corar com esse pensamento.
            Subitamente eu já não estava mais com tanto frio assim...
                        A minha camisa tinha um decote V que parecia ainda mais acentuado em meu corpo pelo fato de estar molhada e bom sendo branca ela estava praticamente transparente.
                        Graças a Deus eu coloquei uma lingerie bonita, pensei com um sorriso malicioso serpenteado por meus lábios.
                        Minha saia também era bem curta, tendo em vista que tia Alice e tia Rose eram experts nesse negocio de sedução e foram elas que haviam feito minhas malas.
                        Eu tenho certeza que meu rubor aumentou ao lembrar da noite passada onde eu e Jake estivemos tão perto de...
                        Oh meu deus, quando eu fiquei assim tão ninfomaníaca?
                        Soltei o ar pesadamente ao lembrar os lábios de Jacob em meu pescoço, em meus seios...
                        Ok, eu queria me acalmar, mas isso certamente não estava me ajudando nem um pouco.
                        Ainda mais lembrando de seus dedos tão perto da minha calçinha...
                        Sem perceber eu já estava ofegante relembrando tais momentos e pra me ajudar mais ainda neste instante aparece o alvo de todos os meus desejos, com algumas mantas na mão e sem camisa.
                        Oh Deus, como eu vou sobreviver?

5 comentários:

Oh Deus, como é que eu vou sobreviver assim? Estou morrendo de curiosidade, não vejo a hora de ler o capítulo com a primeira noite deles, será ótimo.
Beijos *-*

AFFFFFFFFFFFFFFFFFFF, CADE O PROX. CAPITULO O QUE VAI ACONTECERRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRR, ANSIOSAAAAAAAAAAAAAA

Momento mais Q perfeitoo!!!
roendo as unhas de ansiedadee...
Quero ler logo o próximo cap.
Super curiosaaaaaa'
espero estar respirando até lá!
postaa logo vai!!!!!!!!
bjinhos'

Nossa esta show de bola mal posso esperar pra ver o que vai acontecer será que é dessa vez rsrsrs.

uhuuuuu
ai cara eu to pirando com essa fic
ela é muuuuuito boa
parabéns
indo pro próximo
~~>
Beeijo

Postar um comentário

Não esqueça de comentar, isso incentiva os escritores e também a mim que tento agradar a vocês.