3 de fev de 2011

Capitulo 18

Posted by sandry costa On 2/03/2011 5 comments


 - Anda Ness – Jake bateu na porta do meu quarto – Todos já desceram.
         Eu me olhei no espelho mais uma vez.
         Deus! Eu estava parecendo uma... Uma... Argh, não quero nem poder comparar.
         O vestido que Tia Rose e tia Alice separaram para eu usar era extremamente colado, decotado e curto. Ele destacava todas as minhas curvas e elas ainda deixaram um sapato alto numero 15.
         Eu nunca havia saido com uma roupa assim e eu tinha minhas sérias duvidas se eu ficava realmente bem com uma roupa assim.
         Esse vestido era mais a cara da tia Rose que era provocante e sensual por natureza, eu parecia mais um desajeitada tentando ser sexy.
         Respirei fundo, com certeza Jake poderia me dar uma opinião e eu também adoraria ver sua cara quando me avistasse com essa roupa.
         - Jake, entra aqui – falei – Eu quero sua opinião.
         - Certeza? – ele perguntou rindo.
         - Entra logo!
         Vi a porta se abrir e ele hesitar.
         Sua boca se abriu em um pequeno “o” e eu obviamente corei.
         Ele me fitou da cabeça aos pés e eu pude ver o desejo em seus olhos, ele mordeu seu lábio inferior e eu sorri. Então era esse o efeito que tia rose e tia alice queriam causar em Jake?
         Eu dei uma viradinha deixando ele ver todo o resto do meu look e ele continuava com aquela mesma expressão.
         - Então, como eu estou?
         Ele pareceu “descongelar” e veio até mim, com aquele mesmo olhar intenso que fazia eu me sentir pequena.
         - Você está... – ele passou seus braços por minha cintura e eu por seu pescoço – Tentadora demais para a minha saúde nessie.
         Eu podia sentir o meu rubor aumentar.
         Ele se aproximou e lentamente beijou meu maxilar, logo depois o lóbulo de minha orelha, e eu sentia que poderia derreter a qualquer momento.
         - Como você espera que eu me controle – ele mordeu a ponta de minha orelha – Com você vestida assim...
         Sua voz rouca em meu ouvido me fazia estremecer.
         Oh Jake, se você soubesse o quanto eu quero que você perca esse maldito controle.
         - Não... – minha voz saiu em um sussurro.
         - Eu sinto que estou prestes a perder a qualquer instante – Ele me apertou em seus braços – E você nem ao menos me ajuda...
         Cansada dessa doce tortura, eu capturei seus lábios em um beijo sôfrego, nossas línguas travavam uma batalha deliciosa, cada um explorando o outro, querendo mais, sempre mais saciar sua fome, seu desejo.
         Eu intensifiquei o beijo e logo as mãos de Jake passeavam por minhas laterais, me esquentando, deixando rastros de calor que me faziam arrepiar.
         Oh deus, como seria a primeira vez que nós nos tocássemos pra valer? Eu senti Jake morder meus lábios sensualmente e um som de prazer inundou minha garganta.
         Eu temia desfalecer em seus braços, derreter de uma só vez, céus, sua boca era tão quente e hábil contra a minha que eu sentia o calor percorrer por meu corpo e se instalar em meu ventre, pedindo por alívio.
         Eu interrompi o beijo em busca de ar, ele encostou sua testa na minha e nós continuávamos a arfar.
         - Nós temos que descer... – ele sussurrou sem a mínima vontade.
         - Já? – fiz um biquinho nada atraente.
         - Você é a aniversariante... Então sim.
         Ele se afastou um pouco de mim e me fitou da cabeça aos pés novamente.
         - Não que eu quisesse deixar você descer com um vestido assim – ele falou – Tenho a leve impressão que não é só eu que vou apreciar.
         Eu sorri e corei com seu comentário.
         Decidi ter um pouco de ousadia e dei dois passos, colando nossos corpos, mordi seu queixo e rocei meus lábios por seu pescoço, sentindo seu cheiro maravilhoso.
         - Podem apreciar, mas é tudo seu – sussurrei em seu ouvido.
         Senti suas mãos se fecharem no inicio de meu quadril colando ainda mais nossos corpos, e eu queria Jake, queria mais do que qualquer coisa.
         - Ness... – ele repreendeu.
         - É verdade meu amor – mordi a ponta de sua orelha como ele havia feito comigo – Só seu e você parece não querer.
         Eu sabia que ele me queria, mas um pouco de manha não poderia fazer mal, poderia?
         Ele apertou meu quadril contra o dele e eu pude sentir o quão “animado” ele estava a essas horas.
         Ondas de calor invadiram todo o meu corpo e eu sentia agora mesmo borboletas voarem em meu estômago.
         - Pode ver o quando eu não quero você? – Ele sussurrou ironicamente em meu ouvido.
         - Ah Jake – passei minha mão esquerda por todo o seu abdômen coberto e logo em seguida toquei suas costas – Eu quero tanto você, eu te amo tanto.
         Eu pensei em contar para ele o que minha mãe havia falado, ou até mesmo mostrar, mas não era o momento certo, por mais que eu queimasse por isto não era ainda o momento certo.
         Ele me surpreendeu puxando meus lábios para um daqueles seus beijos brutos repletos de desejo e paixão, minhas mãos agora se infiltraram em suas madeixas negras, aproximando-o, aprofundando mais ainda nosso beijo.
         Suas mãos passeavam por todo meu corpo e eu não me importava, eu me sentia tão quente, como se suas mãos marcassem minha pele com seu desejo, com a promessa de suprir nossas necessidades mais primitivas, eu o amava, eu o queria.
         Jake deu alguns passos comigo e nós caímos na cama, eu podia sentir todo o corpo de Jake pressionado contra o meu, ele mordeu meus lábios e eu interrompi o beijo em busca de mais ar.
         Seus lábios não me deixaram e percorreram famintos o meu maxilar, meu pescoço e cada vez mais eu o sentia perto de meus seios, um frio de antecipação se instalou em minha barriga, e soltei um suspiro alto.
         Eu não estava usando sutiã por que o próprio vestido exigia isso, e eu podia sentir eles enrijecerem a medida que os lábios de Jake exploravam minha pele, arqueei minhas costas querendo mais de seus lábios, querendo absolutamente tudo que só Jake poderia me oferecer.
         Eu senti Jake suspirar contra minha pele, suas mãos passaram lentamente por minha barriga, meu seio e foram para a alça do meu vestido, meu coração acelerou, se seus toques já me deixavam em chamas, imaginei como seria seus lábios degustando minha pele como se fosse seu doce favorito.
         Eu corei imaginando que aquela seria a primeira vez que Jake me veria tão exposta, tão entregue a ele, mas logo toda timidez foi susbstituida pelo calor abrasador de nossos desejos.
         Jake abaixou as alças de meu vestido e agora eu estava com meus seios expostos, ele me olhou com um tom de admiração que fez com que eu me sentisse confiante, eu podia ler o desejo em seu olhar, o amor em seu toque, a paixão em seus lábios.
         - Tão linda... – ele beijou meus lábios com voracidade.  
         Suas mãos agora hesitavam em minha barriga, como se ele estivesse pensando se deveria ou não me tocar tão intimamente.
         Sentindo toda a confiança que ele me transpaçou, eu tirei uma de minhas mãos de sua nuca e percorri todo seu braço com a ponto de meus dedos até chegar em sua mão, eu a cobri com a minha e o guiei até meu seio. Senti sua mão cobrir toda a extensão de meu seio esquerdo e mordi seus lábios.
         O calor que eu sentia agora era abrasador, indescritível, as borboletas em meu estomago agora batiam suas asas freneticamente, eu senti sua mão me apertar gentilmente, e todo o ar de meus pulmões se tornaram rarefeitos, extintos.
         Interrompi o beijo tentanto em vão recobrar algum oxigênio, mas quando senti seus lábios trilhando um caminho de beijos até meu outro seio, eu senti o ar preso em meus pulmões. Um som de prazer rompeu por minha garganta quando eu senti seus lábios úmidos tocarem o meu ponto mais crítico, involuntariamente minhas mãos pressionaram sua nuca, enquanto ele roçava seus dentes ali.
         - Ah, Jake... – minha voz soava rouca.
         Senti sua mão em minha coxa, erguendo-a na altura de sua cintura, entendendo o que ele queria eu passei minha outra perna envolta de sua cintura, entrelaçando meus tornozelos em suas costas.
         Não agüentando mais o calor em meu ventre eu ondulei meu corpo junto ao seu e o senti roçar em mim, mesmo com nossas roupas no meio eu pude sentir as descargas elétricas que disparam por meu corpo, eu suspirei pesadamente e não pude conter o gemido que escapou por meus lábios.
         Eu podia sentir a fome não familiar crescer em mim, meus hormônios entrarem em total alforia, senti todo o fogo abrasador em minhas coxas e eu não podia mais suportar, eu precisava do alivio que só meu Jacob poderia proporcionar.
         Seus lábios agora alternavam em meus seios, sua língua passeava por minha pele excitando-me ainda mais, meus gemidos agora ganhavam volume, eu apertei o lençol em minhas mãos enquanto me arqueava ainda mais.
         Eu olhei em sua direção e para minha supresa seus olhos estavam cravados em mim, um sorriso malicioso brotava em seus lábios, eu toquei seu rosto ternamente e sorri ao ver que ele fechava os seus olhos em deleite.
         Puxei seus lábios em um beijo desejoso, mas tentando ao mesmo tempo demonstrar todo o amor que queimava em mim.
         Minhas mãos foram para sua cintura e eu comecei a erguer sua camisa, sentindo seus músculos se contraírem ao meu toque.
         Eu queria retribuir todo o carinho que Jacob me fazia, queria tocá-lo, senti-lo, e ao menos proporcionar um pouco do prazer que ele me dava.
         Ele ergueu seus braços e se livrou da camisa, logo meus lábios imploraram para explorar sua pele, sentir seu delicioso sabor.
         Comecei distribuindo beijos por seu ombro nu, logo depois explorei cada cantinho de seu pescoço, absorvendo seu cheiro, tomando seus gemidos sôfregos com um incentivo.
         Acariciei lentamente cada quadradinho de seu abdômen, arranhando-o, apertando-o contra mim, até chegar ao cós de sua bermuda jeans, então eu não sabia o que fazer, por um instante eu fiquei em duvida, se deveria ou não abrir, mas a curiosidade juntamente com o prazer falaram mais alto.
         Mesmo ele continuando com sua bermuda eu passei a ponta de meus dedos por toda extensão de sua excitação. Sentindo minha pele queimar diante a tanto calor.
         Jake gemeu alto e mordeu forte meu ombro, aumentando mais ainda meu desejo de agradá-lo cada vez mais, de ver Jake entregue aos meus toques assim como eu era aos deles.
         O acariciei mais uma vez, lentamente sentindo mesmo que por fora de seu jeans a extensão de seu membro, e aquele gesto me mandou arrepios profundos me fazendo estremecer contra ele.
         Jake agarrou o lençol acima de minha cabeça enquanto fechava seus olhos reprimindo um gemido muito alto.
         - Oh Ness, eu não consigo mais me controlar – ele sussurrou, sua voz rouca acariciando meu apelido.
         - Não se controle Jake – minha voz saiu mais como um gemido.
         - Ah Nessie... Se eu começar a fazer o que eu quero meu anjo – ele roçou seu nariz no meu - eu não vou conseguir parar tão cedo.
         Suas palavras roucas em meu ouvido me fizeram ficar ainda mais quente, eu podia sentir agora meus seios comprimidos em seu peitoral.
         - E-Eu preciso de você Jake... – ondulei meu corpo contra o seu, sentindo-o – Eu preciso...
         - Oh Nessie, por favor, pare – ele falou enquanto gemia.
         Mas seu ato contradisse totalmente sua fala, por que assim como eu ele ondulou seu quadril me permitindo senti-lo.
         Minhas mãos ganharam vida própria até seu cós, abrindo os dois botões de sua bermuda e delisando lentamente o seu zíper.
         - Nessie! – ele gemeu forte em seu tom de puro prazer.
         O som de meu apelido saindo de seus lábios com tanto amor, tanto tesão me fez crer que aquela podia ser a hora certa, tinha que ser.
         Inconscientemente eu ouvi um barulho, mas preferi ignorar, me concentrando apenas em Jake.
         Comecei a puxar sua bermuda lentamente, notei que nós dois prendíamos a respiração em antecipação.
         Notei que Jake usava uma cueca boxer branca que contrastava com sua maravilhosa pele morena. Aos poucos pude ver toda sua excitação se revelando e senti minha boca secar, meus dedos congelarem e meu coração acelerar.
         Podia sentir Jacob me fitando, eu o ouvi engolir audivelmente.
         Antes que ele pudesse desistir e alegar que tínhamos que descer eu passei rocei lentamente meus dedos em toda sua extensão, senti jake estremecer e apertar com ainda mais força os lençóis.
         - Oh Nessie, pare de me torturar – ele gemeu sôfregamente – E-eu...
         Ele interrompeu sua fala quando eu o toquei timidamente mais uma vez, tentando não mostrar o medo que eu sentia, afinal onde caberia tudo aquilo? Estremeci a pensar.
         Ele mordeu meu ombro novamente e agora uma de suas mãos foram para meu seio, acariciando fortemente, me prendendo contra o colchão.
         E antes mesmo de eu terminar minha caricia Jacob me beijou daquele jeito rude que eu tanto amo, mostrando a mim todo seu desejo, sua paixão, seu fogo que me ardia em brasa.
         Senti uma mão de Jake descer por minha lateral e chegar a borda de minha calcinha.
         - Posso? – ele sussurrou de um jeito tão provocante que eu o deixaria tocar até mesmo minha alma.
         - Oh jake – gemi em seus lábios – Faça!
         E se eu pensava que era impossível sentir mais calor, mais desejo, mais eletricidade... Eu estava errada.
         No momento em que Jacob me tocou, mesmo que por cima de minha calcinha eu senti meu corpo entrar em combustão, senti toda a eletricidade que percorria meu corpo concentrar no meio de minhas pernas, deixando minha pele extra sensível a qualquer toque.
         Arqueei meu corpo em sua direção, jogando minha cabeça para trás.
         Sentir os lábios de Jacob em meu pescoço só melhorava tudo, e eu me sentia em chamas, elas pareciam aumentar a medida que seus toques se aprofundaram.
         Eu queria sentir seu toque sem barreiras, pele com pele, o desejo nos consumindo em toda sua extensa profundidade. Involuntariamente mexi meu quadril em resposta a seus movimentos.
         Os gemidos escapavam de minha garganta cada vez mais altos.
         - OK! JÁ que vocês FIGEM que não estão me ouvindo EU VOU ENTRAR! – ouvi uma voz masculina vinda do corredor.
         Eu olhei espantada para Jacob que por um segundo manteve suas mãos congeladas, e no próximo já havia saído de cima de mim fechando seu zíper ao mesmo tempo.
         Só deu tempo de eu cobrir meus seios quando a porta se abriu revelando o ser de curta vida a nossa frente.
         Sim, curta vida, por que eu ia cometer um assassinato em breve se a todo momento eu e Jacob fossemos interrompidos!
         Eu vi Seth com um largo sorriso no rosto e ouvi Jacob rosnar, tão frustado quanto eu.
         - Eu não acredito! Todos lá em baixo esperando e vocês aqui na maior pegação?
         - Eu. Vou. Te. Matar. – Jake murmurou entredentes.
         - Woooow – Seth falou se afastando – Calma bro, eu só vim por que pediram ok? Antes eu do que o Edward.
         - Ah Seth, sai logo daqui antes que eu mesma perca a cabeça ok? Já vamos descer! – falei ríspida.
         - Ok casal selvagem, já me vou – ele falou e saiu rindo enquanto Jacob tacava uma almofada nele.
         Er, como se uma almofada fosse fazer o estrago que eu gostaria de fazer agora.
         Eu suspirei e me levantei da cama quase caindo, Jacob me segurou pelos braços e eu soltei a parte de cima do vestido que deslisou, deixando meus seios descobertos.
         Jake me fitou por incontáveis segundos, suspirou pesadamente e ergueu meu vestido, colocando as alças no lugar e puxando agora meu vestido para baixo ajustando-o em meu corpo.
         Sentir as mãos quentes de Jacob me fez estremecer e toda aquela sensação de estar em chamas voltou a percorrer todo meu copo.
         Eu toquei seus ombros, seu peitoral até que ele colocou sua mão em cima da minha.
         - Precisamos descer – ele suspirou – Não que eu queira, mas precisamos.
         Eu assenti e relutantemente eu me afastei indo em direção ao espelho retocar minha maquiagem e arrumar meus cabelos.
         Logo nós dois estávamos prontos, eu peguei a mão que ele oferecia e nós fomos para o elevador.
         - Vamos ter que tentar ao máximo não pensar nisso – ele mumurou.
         - Impossível. – apertei sua mão, me lembrando das sensações que ela me causou.
         Jake me fitou e aos poucos aquele sorriso que eu tanto amava surgiu em seus lábios.
         - Eu amo você – sussurrei enquanto ele acariciava a minha bochecha com a mesma mão que segurava a minha.
         - Eu também Ness – seu sorriso refletiu o meu e nós chegamos ao hall do hotel.
         A recepcionista nos indicou para um pequeno salão onde havia uma mesa cheia de salgados e doces e todos estavam ali conversando, comendo e bebendo.
         Logo toda a atenção virou sobre nós e eu corei obviamente.
         Meu pai estava com o maxilar trincado mas resolvi não ligar, afinal ele sempre faz isso.
         O resto de minha noite passou assim, conversei com todos no salão, ignorando as piadinhas bobas de Seth e do tio Emmett.
         Conversei também com as irmãs de Nahuel que estavam estranhas como ele, acho que elas não se sentiam confortáveis aqui, mas eu nunca tive nada contra as duas, pelo contrário elas que costumavam a me tratar com hostilidade. Mas hoje toda essa hostilidade fora substituída por frieza e preocupação. Nahuel estava distante e quando eu perguntei o que havia acontecido ele deu uma desculpa qualquer se esquivando de minhas perguntas.
         Eu queria ajudar Nahuel, mas ele não me deixava nem ao menos tentar. Eu sabia que isso ia além de uma disputa boba com Jake por atenção, mas não podia saber nada além disso. E justamente esse ponto é o que me encomodava.
         Suspirei e tomei um gole de suco enquanto observava todos no salão, rapidamente meus olhos encontraram Jake que conversava animado com Josh e Joseph, perdi a noção do tempo enquanto o fitava em toda sua perfeição, sua pele morena, seu sorriso que deixava seu rosto com um aspecto infantil, seu cabelo preto bagunçado daquele jeito que eu tanto gosto...
         - Você gosta mesmo dele não é coração? – Olhei para o lado e vi que era Sue quem falava agora. Sorri para ela e voltei a olhar Jacob.
         - Eu o amo Sue – mantive meu sorriso – Amo tanto que chego a ficar com medo.
         - Medo? – ela questionou.
         - É, sabe as coisas finalmente se ajeitaram e tudo está tão bem... – suspirei – dizem que o que é bom dura pouco.
         - Poderia agora mesmo chutar a pessoa que inventou essa frase – Eu ri enquanto ela me olhava surpresa.
         - É sério Ness, você não precisa se preocupar, ele te ama também da mesma forma ou até mais – ela sorriu – Vocês são tão lindos juntos, combinam em tudo... Não vejo por que isso não durar garota.
         - Obrigado Sue – abracei-a.
         Sue sempre tinha palavras amigáveis para todos, não me espantava que Charlie havia se encantado por ela.
         Jake e eu trocamos olhares por toda a noite, mas toda hora alguém me puxava para conversar, ou o puxava para conversar, então não nos falamos tanto e pode parecer melação, mas eu já sentia falta de seus braços em minha cintura, do calor de sua presença.
         Já era um pouco tarde e a maioria das pessoas que dormiam ali, já haviam subido.
         Eu bocejei audivelmente e me sentei em um dos divãs.
         - Com sono meu anjo? – Jake murmurou enquanto sentava ao meu lado.
         - Aham – me aconcheguei em seu peito sentindo seus braços quentes a minha volta.
         Jake começou a afagar minha cabeça, aumentando minha sonolência. Ouvi ele bocejar também.
         - Vamos subir, eu coloco você na cama.
         Eu não queria levantar agora, eu queria a todo custo continuar em seus braços e adormecer por ali mesmo.
         Instintivamente me encolhi mais ainda em seus braços.
         - Não, ta bom aqui.
         Pude ouvir sua risada.
         - Vamos Ness. – ele levantou me puxando consigo.
         Eu passei meu braço por sua cintura e ele fez o mesmo.
         Nós fomos até o meu quarto e mesmo eu insistindo para ele entrar ele permaneceu do lado de fora esperando eu colocar um pijama.
         Eu coloquei uma daquelas camisolas de seda que tia Alice havia colocado em minha mala e abri a porta.
         Ele me fitou e logo abriu um sorriso daqueles de me fazer perder o fôlego.
         Eu andei até a cama e me deitei lá, ele pegou a coberta que estava dobrada no fim da cama e me cobriu igual como quando ele fazia em casa.
         - Boa noite meu amor, sonhe com os anjos. – ele murmurou e me deu um selinho.
         - Pode deixar que eu vou sonhar com o mais bonito – Acariciei sua bochecha.
         Ele manteve aquele sorriso abrasador.
         - Eu tenho uma surpresa para você – ele falou enquanto se afastava – Mas isso você só descubrirá amanhã. Durma bem minha Nessie.
         Ele mandou um beijo enquanto fechava a porta.
         Eu pensei curiosamente no que Jake preparara para mim, mas logo não conclui nada, quando o sono me fez sucumbir e sonhar com o meu anjo de olhos amendoados.

5 comentários:

Como pode uma fic ser tão boa? Eu não, mas só sei que essa é muito boa. Eu amo de mais essa fic, vocês não tem noção. Eu não vejo a hora de ler a primeira noite do Jake e da Ness, estou curiosa.
Eles combinam tanto que tenho até medo que algo aconteça com eles, mas pra saber se algo vaia contecer vou ter que continuar acompanhando a fic =)
Meus parabéns, essa fic é divina.
Posta mais capítulo porque eu estou morrendo de curiosidade.
Beijos.

cap.maravilhosoo'ameii!!!
postaa logo o próximo! rápido Q eu ñ vou me
aguentar de ansiedade!!!
louca p/ ler a primeira vez deles...
essa fic é a melhor q eu já lii!
SEM DÙVIDAS'
kiss <3

essa fic é otima, os momentos hots dos dois é nota 10...da pra ficar sem folego...parabens e poste por favor logo os proximos capitulos...bjs

A M E I!
somente isso.

cara o Seth é um furão mesmo hein?
lugar errado, hora errado,
de maneira errada.
Enfim...
TUDO errado.
--"
parabéns adorei o cap
Beeeijos

Postar um comentário

Não esqueça de comentar, isso incentiva os escritores e também a mim que tento agradar a vocês.