30 de out de 2011

Capitulo 23

Posted by sandry costa On 10/30/2011 1 comment



16 de Janeiro de 2039



POV Renesmee

Após ler aquela mensagem no celular todos os meus medos foram embora. Aquele ali deitado na minha frente era o Jake, o meu Jake. Não havia dúvidas. A alegria reinava em mim. Acarinhei seu pelo e por um momento senti saudades dos braços que tinha me apertado há poucos minutos atrás.

- Eu te amo!

- Ele também de ama filha.

Meu pai falou do andar de baixo provavelmente da sala. Nesse momento eu saí do nosso mundinho particular e pude perceber pela conversa e movimentação que todos já haviam chegado.

– Será que a sessão melação pode findar? Eu não pude impedir e sem querer fiquei acompanhando o sonho de vocês e se eu pudesse estaria vomitando agora. E Carlisle, quer verificar os ferimentos de Jake.

- Tudo bem podem entrar. - Jake rosnou com o que o meu pai havia dito, assim como eu ele também não queria que o nosso momento terminasse. Era incrível como a animosidade entre eles não terminava. -

- Sim minha filha tem coisas que nem o tempo muda. – O meu pai respondeu isso com um sorriso irônico no rosto entrando juntamente com toda minha família no quarto. – Não Jake, Renesmee está se referindo ao nosso antigo caso de amor.

- Ei! Será que vocês podem parar com essa conversa unilateral de três pontos? O que tanto vocês conversam?

Era engraçado como a minha mãe se incomodava quando meu pai respondia à um pensamento de alguém.

- Bella meu amor. Nada além do normal. Apesar de tanto tempo eu e Jake ainda temos alguns conflitos de opiniões e pensamentos. Ele simplesmente quer que eu diga a Renesmee tudo o que ele está pensando. E eu tenho que editar, eu sou o pai dela oras! E tem coisas que são constrangedoras de se falar. – A única coisa que posso te dizer Jake é que por incrível que pareça você e a Renesmee pensam as mesmas coisas e sentem tudo igual. Então pelo amor que você tem a ela, a Deus ou sei lá o quê. Pare de gritar na minha mente.

Todos no quarto começaram a rir. Uma sensação de nostalgia dejàvu me tomou ao mesmo tempo o constrangimento. Eu percebi que não estava protegendo a minha mente, filtrando os meus pensamentos. Eu poderia poupar meu pai, pelo menos de mim. Meu avô se aproximou com sua maleta e começou a analisar as feridas e fraturas.

- E Jake não pode voltar à forma humana?

- Não mamãe... é uma longa historia... Já vamos contar tudo...

– Bom tê-lo de novo conosco Jacob. Seja bem vindo de volta ao lar.

...

Logo após meu avô terminar de refazer os curativos ficamos conversando por um bom tempo. Minha mãe não parava de chorar daquele jeito estranho dela sem lágrimas. Fazia tanto tempo que eu tinha até me esquecido do quanto eles eram amigos. Eu fiquei tão presa na minha dor que me esqueci que ela poderia ter sofrido também com a perda do amigo. Meu pai contou a todos o que Jake lhe narrava, sobre onde esteve esse tempo todo e o que lhe acontecera. Logo depois eles já estavam traçando planos para que assim que Jake se reestabelece completamente eles dessem início a busca de seu corpo. Minha mãe vendo a dificuldade de comunicação do Jake e que volta e meia ele rosnava com alguma palavra que meu pai editava teve a brilhante ideia de trazer um equipamento que tem lá no centro de pesquisas que conectado no cérebro é capaz de transmitir a voz da pessoa tanto escrito quando conectado a um computador como em áudio. Ela disse que ele era usado em pacientes em coma e também em pacientes que operavam a garganta. Ela iria trazer e eu torcia para que isso funcionasse com o Jake. Estávamos conversando há horas, Esme tinha ido até a cozinha preparar o nosso jantar e já estava voltando com as bandejas, quando eu dei por falta do meu filho.

- Cadê o JJ? – Meu avô e Bella trocaram um olhar conspirador e naquele momento eu percebi o que estava acontecendo. – O.K, não precisam me dizer mais nada. Eu já posso presumir. Ele está com a tal de Willian né?

- Ah minha filha você com ciúmes fica linda!

- Não são ciúmes mamãe. É só o obvio. Acho que ele está indo com muita sede ao pote. Ele nem mesmo conhece a garota direito. Tem quanto tempo que se conhecem? Um mês? Acho cedo demais ele arrastar esse bonde todo por alguém que ele nem sequer beijou ainda. Nem sofreu imprint. Eu sei que os hormônios dele estavam explodindo no abrigo... Mas,...

- Nessie, JJ sofreu o imprint essa manhã. Ass...

- O quê?

- Sim. Tinha que ver como o garoto é rápido no gatilho. Carlisle quando viu os dois no maior amasso na sala de análises viu que o dia deles não iria render. Você tinha que ver olhar de devoção dele pra ela. Quando você a conhecer, vai perceber que ela é perfeita para ele.

- O quê Carlisle? Ela cheira diferente? Como vocês não compartilham isso com a gente?

- Espere aí pai. Quem cheira diferente?

- A Willian. Seu avô ficou intrigado com ela, mas esqueceu de nós contar que Willian não é uma humana normal. Ou não é uma humana.

- Conte essa historia direito vovô.

- Bom Renesmee... Com a correria e você naquele estado isso acabou passando despercebido. Eu não pude investigar a fundo porque são tantas novidades lá no CP que deixei esse assunto de lado pra resolver depois. Mas sei que foi por pura percepção. Então com isso conclui que Willian não é humana. Ela é diferente, sua temperatura, seu cheiro, lembra muito os transmorfos de La Push. Ao mesmo tempo em que ela tem percepções rápidas e um QI bastante elevado. Ela faz de tudo para que ninguém perceba suas habilidades fora do comum, somente olhos bem treinados e perceptivos como os nossos notariam alguma coisa. De início achei que ela entraria para a equipe e que não seria de muita ajuda, mas me enganei completamente.

Fiquei em parafusos com tudo o que o avô relatava. Como poderia? Seria ela uma loba como a Leah? Pelo o que vi nas imagens que JJ me mostrava mentalmente ela era caucasiana de olhos verdes, não tinha nenhum traço indígena. Seria ela de uma outra raça, outro tipo de transmorfos? Respondendo aos meus pensamentos meu pai completou.

- É ela é realmente uma incógnita, mas creio que logo iremos desvendar todo o seu mistério. Pelo que vi na mente de Carlisle ela não resistiu à devoção de JJ. E se ela tem um segredo não vai guarda-lo dele por muito tempo.

- Não, não vai mesmo. Nem que queira. Eu a convidei para vir almoçar aqui em casa nesse final de semana. Se ela não for uma aberração como eu, Edward poderá ler a mente dela sem problemas nenhum.

- Meu amor você não é uma aberração. Nunca foi. Você é totalmente maravilhosa.

- Papai... Você pode parar? Você pode não vomitar, mas nós podemos. – Falei apontando pra mim e Jake. Que ladrou uma risada. Fazendo-o sentir na pele a piadinha que ele soltou. – Bom, de qualquer modo. Vou ligar para JJ, ele precisa voltar pra casa. Jake está aqui e sei o quanto ele gostaria de estar ao lado do pai.

- Érrr... Filha... Acho melhor mandar uma mensagem pra ele amanhã cedo. Jacob não vai sair correndo daqui, nem que quisesse, e bom se JJ não voltou até agora... Tente imaginar o que possa estar acontecendo com ele hein?

- Ah papai me poupe! Que horror! Nesse momento me lembrei de JJ em La Push excitado quando pedi pra ele tentar voltar à forma humana pensando em Willian.

Meu pai e Jake sorriam. – Machos! Não sabem pensar em outra coisa?

- Desculpe filha, é que essa parte o JJ ocultou de mim quando me contou a história. – É isso mesmo Jake, você também viu? Cara! Não acredito na primeira vez que você viu seu filho apanhou e na segunda vez ele estava daquela forma.

- Vou deixar o palhaço e o circo se divertindo enquanto eu tomo um banho, quando eu voltar espero que o espetáculo já tenha terminado.

Fui tomar meu banho e depois de muitos anos senti a preocupação em ficar linda novamente. Ok. Não vou ser hipócrita, eu não virei uma bruxa. Mas coisas simples como passar um gloss nos lábios, secar o cabelo, vestir uma roupa mais... como posso dizer... Interessante. Abri as gavetas e percebi o tanto de roupas intocadas calcinhas de renda, baby dols... Foi como se eu tivesse passado todo esse tempo dormindo. Só usava o que era confortável. Na realidade tudo me lembrava do Jake. Então eu me anulei totalmente para evitar o sofrimento. Não me importava se estava combinando, se era a tendência de alguma moda doida que saiu no meio de toda essa turbulência.

Assim que sai do closet e entrei no quarto não havia mais ninguém ali senão o Jake deitado na cama. Assim que deitei ao seu lado ele empurrou o celular com o focinho, escutei um rosnado, que provavelmente tinha sido do meu pai. Logo o aparelho vibrou indicando uma mensagem.

VOCÊ ESTÁ LINDA!

- Obrigada. Me arrumei pra você.

De repente escuto meu pai fazendo ânsia de vômito e um estrondo que supus ser um tapa da minha mãe seguido de um Pare de ser insuportável amor.

- Jake... Sabe como Edward é rabugento, então enquanto eu não trago o Mecanic Voice pra você se vira ai pra conversar com a Nessie. Eu vou levar o meu marido pra passear um pouquinho. A noite está linda. Beijos

Tão logo meus pais saíram eu voltei toda a minha atenção ao Jake. Toquei em seu pêlo lhe mostrando as imagens do que estava pensando e ao mesmo tempo lhe fazendo carinhos. Mostrei para ele os flashes back das nossas melhores noites... é claro ocultando uma.

- Então? Vamos lá quem é a vencedora?

...A noite foi divertida, nos lembramos das noites mais quentes que tivemos e fomos enumerando e eu sorri muito até chegar a “the best” que eu resistir em falar fingia que não me lembrava e era engraçado o desespero do Jake tentando me dizer. – Ah Jake! Eu não me lembro... Pra mim a noite “The Best” foi aquela em que ficamos grudados. – Eu gargalhava desesperadamente com o desespero dele. – Não é essa? – Ele sacudia dizendo que não. – Mas Jake! Essa foi à noite que provavelmente houve a concepção do JJ. O dia que nosso filho passou a existir. – Eu percebi que ele ficou balançado com o meu argumento, mas logo depois ele desistiu sacudindo a cabeça e dizendo que não. Decidi que não iria fazê-lo sofrer mais... Como meu pai havia dito, nós pensávamos a mesma coisa e eu sabia qual era a noite “The Best” de nossas vidas. – Hum... Acho que me lembrei de alguma coisa. Jacob Ephaim Black você é um pervertido total! Você sabe o que eu faço com pervertidos? – Ele sacudiu a cabeça dizendo que não. – Pervertidos Mon cher, ils ne reçoivent pas les baisers! Ils peuvent seulement observer. – Nesse momento Jake soltou um uivo e eu gargalhei até não poder mais. – É meu amor é a minha “The Best” também, não sei da onde tirei coragem pra fazer tudo aquilo. Mas foi maravilhoso. Prometo que assim que pudermos nós vamos repetir a dose... Continuamos a conversar até que o cansaço nos tomou dessa vez adormecemos com uma noite sem sonhos...

POV JJ

Acordar com Will repousando sua cabeça em meu peito foi à coisa mais maravilhosa que já me aconteceu em minha vida. Ter ficado com ela foi ter mais um dos meus sonhos realizados. Will era uma incógnita pra mim o que ela era? Onde estava a sua família? Será que tinham morrido durante a guerra? Sua respiração estava calma e serena ela ainda gozava de sono profundo enquanto eu ficava passando os dedos em suas costas apreciando toda a beleza do seu corpo desprovido de roupas, sendo aquecido pelo meu que estava da mesma maneira. Hoje era sexta-feira eu ainda não tinha matado a minha vontade de ter Will pra mim. Acho que estava virando um ninfomaníaco. Eu já ia mandar uma mensagem para o meu avó pedindo mais um dia de folga quando ao pegar o celular percebo que tem uma mensagem.

VOLTE PRA CASA O QUANTO ANTES VOCÊ PUDER.

BJS. MAMÃE.

Eu não pretendia me levantar da cama naquele momento. Não com Will ainda nos meus braços, mandei uma mensagem de volta.

É MUITO URGENTE? ACONTECEU ALGUMA COISA?

ESTOU COM A WILL NA CASA DELA.

BJS... JJ

Enquanto aguardava a resposta da minha mãe, percebi que minha linda estava acordando. Continuei com o carinho em suas costas e percebi sua respiração ficar pesada e sua pele arrepiar com o meu toque.

- Bom dia, linda.

- Hum... Bom dia. É tão bom acordar sonhando.

- Sinto muito ser estraga prazeres, mas definitivamente estarmos juntos não é um sonho.

- JJ eu estou moída! O que você fez comigo hein? Que droga você me deu?

- Droga? Hum quem sabe seja disso que você está falando. Nesse momento a puxei para os meus lábios. – Assim que ia aprofundar o beijo a senti ficar tensa. De repente ela saiu correndo dando um pulo da cama, catando o edredom no chão e o enrolando em seu corpo. – Will onde você pensa que vai?

- Eu sei em que situação eu acordo. E apesar de você já ter visto não vou deixar que você continue vendo.

Antes dela se esgueirar banheiro adentro eu a trouxe pra mim. Vê-la lutando no ar tentando colocar os pés no chão foi engraçado. Enquanto a trazia de volta pra mim com um simples pensamento arranquei o edredom do seu corpo a deixando completamente exposta pra mim. Seria trágico se não fosse cômico. Mas eu estava tão louco de desejo por ela que ignorei a cena. Ela nervosa e envergonhada e mesmo dessa forma ela ainda conseguia ser a coisa mais linda do mundo.

- JJ você é louco! Me solta! Você ainda não me explicou como faz isso!

- E você ainda não deu o meu beijo de bom dia.

- Eu estou horrorosa, com direito a mau hálito e tudo mais.

- Não estou sentindo mau hálito nenhum. E obrigada por querer me preservar, mas pode deixar que no dia em que você estiver “fedendo” eu mesmo cuidarei de você. – Comecei a distribuir beijos por todo o seu corpo e de imediato meu corpo reagiu. Senti Will amolecer em meus braços quando o celular tocou indicado uma mensagem. A ignorei deixando pra ler quando terminasse o que comecei.

NÃO É MUITO IMPORTANTE. É IMPORTANTÍSSIMO! AO PONTO DE CARLISLE NÃO IR AO CP HOJE. A FAMÍLIA TODA ESTÁ AQUI. CARLISLE DEU FOLGA PARA WILL TAMBÉM. DEIXE WILL DESCANSAR UM POUCO SEU MONSTRINHO E VENHA PARA CASA IMEDIATAMENTE. E AVISA A ELA QUE AMANHÃ ELA VEM ALMOÇAR AQUI EM CASA. EU NÃO VEJO A HORA DE CONHECER MINHA NORA.

BJ. MAMÃE.

- Que foi?

- Eu estava querendo ficar aqui com você de novo, mas antes de falar com Carlisle, minha mãe mandou uma mensagem pedindo para eu ir pra casa. Falou que o assunto é urgente. Ela disse que Carlisle não irá ao CP hoje e que te deu o dia de folga.

- Será que aconteceu alguma coisa ruim?

- Não tenho a mínima ideia. Minha mãe é muito tranquila. Pra ela me chamar assim é algo realmente importante. Eu gostaria muito de ficar aqui com você, mas vou ter que correr pra casa. Tudo bem?

- Tranquilo. É bom que eu posso descansar um pouco. Alguém não me deixou dormir direito essa noite. Sabe?

- Está certo então. Descanse bem. Ah! Já ia me esquecendo, minha mãe falou pra você não se esquecer do almoço amanhã lá em casa. Ela não vê a hora de te conhecer.

- Pode deixar meu amor. Eu também quero muito conhecer sua família.

- Então até amanhã. Eu venho aqui te buscar. E mais tarde eu te ligo.

- Beijo. Vai com Deus.

Will me levou até a porta e não fosse à curiosidade com relação à mensagem da minha mãe, quase que eu volto pro quarto dela. Fui para casa tentando adivinhar o que seria tão importante assim. Assim que cheguei encontrei meu avô e o biso conversando na sala e percebi que eles mudaram de assunto quando assim que eu entrei. – Bom dia!

- Bom dia HOMEM! – Meu avô me cumprimentou zombeteiro, mas parecia uma piada do tio Emm.

Meu avô era mesmo um sacana. Bisbilhoteiro. Olhei em seu rosto e a ironia estava lá estampada. Para não me expor mais lhe respondi mentalmente. – É neh... Uma hora eu tinha que começar a espalhar minhas sementes. Pisquei e ele gargalhou. Estranhei. Meu avô não era o tipo ranzinza, mas também não o vi muitas vezes gargalhando. Diante da mensagem que minha mãe mandou percebi que essa urgência não poderia ser algo ruim. Meu avô estava feliz. Anormalmente feliz. Não poderia deixar essa passar e aproveitei pra fazer uma piada. – Biso o que o tio Emmett está fazendo no corpo do meu avô? – Carlisle sorriu.

- E aê meu neto... Conseguiu conversar com a Willian?

- Biso, pra falar a verdade... Não conversamos... As coisas meio que saíram do controle. O senhor entende neh... O amor, os hormônios a vida celibatária que tive naquele abrigo, aliás, que eu tive durante toda a minha vida...

- Bom meu filho, pelo menos você foi mais rápido do que o Edward que foi ter sua primeira experiência aos 119 anos.

Vovô rapidamente fechou a cara com o comentário do biso. Eu já sabia da historia dele, mas no momento a piada caiu como uma luva. E me senti vingado. Carlisle sabia ser sutil. O “velho” era classudo... Quando tio Emmett soubesse eu estaria encrencado. Sorte minha ele estar do outro lado do mundo nesse momento. Mas, eu conhecia minha família muito bem e como sabia que aquele seria o assunto do momento então resolvi eu mesmo fazer piada daquilo na realidade eu estava tão feliz, eu tinha encontrado a minha alma gêmea. Não poderia ter nada que me deixasse mais feliz do que isso.

- Bom... JJ acho que pode sim. Por isso sua mãe lhe chamou. Na realidade ela estava tão ansiosa que queria ter te ligado ontem, mas eu imaginei o que você poderia estar fazendo e pedi para que te mandasse uma mensagem agora pela manhã.

- Certo. Cadê a mamãe?

- Está no quarto.

- Ok. Vou lá então ver o que ela quer.

- Espere JJ. Antes Carlisle e eu precisamos falar com você. Sente-se.

Eu me preocupei... Se era uma notícia boa, se mamãe estava bem o que será que eles queriam me contar primeiro. – Vamos lá comecem. Estou curioso.

- É sobre o lobo que você atacou em La Push... Ele... Ele é o seu pai.

- O quê? – Eu definitivamente não esperava por isso. Meu pai? O que aconteceu com o grande lobo de pêlos castanho avermelhado?

- JJ... Você às vezes consegue ser terrível. Bom você estudou toda a história Quileute e a conhece hoje mais que qualquer um de nós. Então eu vou resumir e o resto você fica sabendo depois.

...

Eu estava pasmo. Diante de todas essas informações me perdi em pensamentos... Então era verdade, meu pai estava no andar de cima no corpo de um lobo comum com seu corpo perdido em algum lugar. Ao constatar todas essas informações um estado de pânico me atingiu. Eu cresci acreditando que meu pai tinha morrido. Sempre quis saber como seria minha vida se ele estivesse vivo. Sempre cogitei a ideia de que quando saíssemos do abrigo poderíamos encontra-lo vivo em algum lugar. Mas esses pensamentos eram como um conto na minha mente. Imaginava isso, pois achava que não seria possível. Neles eu conseguia agir naturalmente, e me imaginava fazendo amizade com ele rapidamente, mas agora diante da realidade eu estava sem reação e totalmente constrangido. O que eu iria conversar com ele? Olá prazer em conhecê-lo sou Jacob Junior seu filho. Isso era ridículo. Forçar amizade não era comigo e ainda com meu avô sendo seu porta voz. Isso não ia dar certo. A minha vontade era de sair correndo daqui. Me arrependi profundamente de ter saído da cama de Will. Ai meu Deus! Ainda por cima me lembrei que quase o matei durante a minha primeira mudança de fase. Já pensou se tivesse sido o responsável pela morte do meu pai?

- Provavelmente ele não morreria. Aquele ali sobreviveu a uma explosão nuclear. Você não o mataria tão fácil assim. Ah! Seria tão bom se você tivesse me feito esse favor. Eu lhe seria eternamente grato. Agora eu não teria que escutar os seus pensamentos gritantes na minha mente.

No andar de cima escutei o lobo rosnar e minha sorrir Amor ele está brincando! Minha mãe sorrindo? Meu avô me olhou confirmando meus pensamentos. Com toda essa novidade com a Will eu não tive tempo e nem a oportunidade de ver minha mãe depois da viagem em que fizemos a La Push. Ao escutá-la pude perceber que a mulher que eu via em suas lembranças havia voltado. E tudo graças ao retorno do meu pai o homem que nunca conheci, mas que sempre amei. – Bom vou lá conversar com eles. Meu avó acenou concordando. Ao subir as escadas senti o peso do desconhecido, um medo seguido de uma adrenalina tomou todo o meu corpo. E ao chegar à porta do quarto da minha mãe fiquei parado por alguns instantes sem saber que reação tomar. – Mãe?

- Entre filho.

Eu me assustei ao ver a mulher na minha frente. Minha mãe estava espetacular. Não pelo fato de estar arrumada, isso também, mas o seu semblante estava diferente, a alegria, paz felicidade irradiavam dela. – Mamãe a senhora está maravilhosa. Ao vê-la assim, meus temores foram embora e resolvi relaxar. – Isso tudo por causa de um lobinho? Minha mãe veio ao meu encontro e me abraçou não deixando a piada para traz.

- Hum... Mas eu escutei rumores que um certo Black andou sofrendo imprint por aí... Agora você deve entender muito bem o que eu sinto não é mesmo?

Naquele momento parei pra perceber o que minha mãe tinha me dito. Eu estava tão feliz com a Will eu não podia sequer imaginar que algo lhe acontecesse ou simplesmente na hipótese de perdê-la. A dor só de somente imaginar me dilacerava. - Mais do que nunca mãe. Agora eu pude perceber o tanto que a senhora foi guerreira

- Bom, isso é passado! Vem cá quero que conheça seu pai, quer dizer, o seu pai e quem vai te conhecer...

Vi minha mãe ficar confusa pelo tanto que ela tagarelava percebi que ela também ficou sem saber como fazer, novamente o constrangimento me tomou como eu conversaria com ele?

- Jake, Jake!! Olha só o nosso garoto!

Resolvi verbalizar meu pensamento, falando com meu pai mentalmente. – Bom isso é meio constrangedor. Essa conversa totalmente unilateral. Mamãe está tão nervosa tanto quanto eu... Desculpe-me, mas estou me sentindo como se estivesse falando sozinho. Isso é estranho demais, sempre pensei em você na forma humana e na forma de um grande lobo castanho avermelhado. Mesmo com a ajuda do vovô não sei como poderemos aprofundar isso. Você me entende?

- Ele entende sim JJ. E eu vendo essa situação pensei em uma coisa que poderia dar certo.

O lobo virou sua atenção para o meu avô que entrava no quarto. – O que seria vovô?

- Bom... Pensei em você mudar de fase. Pelo que pude perceber na mente dos dois no episodio em La Push foi que foi tudo aconteceu tão rápido que não houve a chance de uma comunicação. Acho que poderíamos tentar isso.

- Mas papai Jake está com a pata quebrada e supondo que isso desse certo seria chato mesmo eles conversando mentalmente estarem em lugares diferentes.

Vendo-os discutindo essa possibilidade... Minha mente viajou longe e logo uma ideia veio em minha mente. – Bem a locomoção pra ele não será problema. Gostei da ideia, vamos para floresta. Se tudo der certo eu ele teremos uma conversa a sós. – Era simples e sem complicação com um simples pensamento o tirei da cama e corremos todos em direção a floresta.

- É Jake... Fantástico não é mesmo? Posso dizer que você e Nessie acertaram na receita quando fizeram JJ.

Escutei o lobo ladrando uma rizada e nesse momento fiquei feliz e orgulhoso. Assim que chegamos à floresta eu não fazia ideia de como mudar novamente... Tudo tinha acontecido tão rápido, e parecia ter sido há tempos e não em apenas 2 dias atrás. Mandei-lhe uma mensagem. Não tenho ideia de como faço pra mudar de fase.

- JJ, o Jake falou que enquanto você não se acostumar e isso não se tornar natural você terá incitar a sua ira ao ponto de perder o controle.

Eu fiquei pensando na raiva que senti quando vi minha mãe sendo ameaçada em La Push, mas aquilo não fazia sentido. O que me daria raiva agora?

- JJ sua noite com a Will foi maravilhosa hein? Vi em seus pensamentos que mulher gostosa! Mais gostosa que a Bella. Eu com uma mulher dessas ao meu lado perderia facilmente as estribeiras. É amanhã que eu vou poder conhecê-la?

Eu sabia que o vovô estava brincando, mas a minha imaginação foi longe ao pensar em outro homem tocando o que era meu. Minha! Willian era somente minha! Uma raiva tomou conta de mim e quando percebi ao invés de gritar eu estava rosnando no rosto do meu avô com toda minha fúria exposta. Ele levantou os braços em sinal de rendição e disse – Missão cumprida Jacob. Agora se vira com seu filho. Olhei para o lobo que estava deitado no chão.

- Desculpe-me, sei como ficamos com relação aos nossos imprint. Fique tranquilo que seu avô nunca perderia as “estribeiras” com a Willian. Foi eu quem lhe dei a ideia, pois sabia que surtiria o efeito desejado. Bom estou feliz que deu certo enfim vou poder conversar com alguém que não seja o Edward.

- E aê deu certo ou não?

Eu estava sofrendo tantas emoções que acabei ignorando completamente a presença da minha mãe. – Deu sim mamãe desculpe, nem percebi que a senhora ainda estava aqui. Importa-se se eu roubar seu marido um pouquinho?

- Não que isso... Fique a vontade. Só não vão muito longe e nem demorem.

- Tudo bem!

Minha mãe voltou pra casa Eu não tinha a pretensão de ir muito longe. Só não queria plateia com a gente. Eu levantei Jacob novamente, e entramos floresta adentro.

- Wow! Isso é estranho.

- O quê?

- Você me levantar assim do nada. Eu fico procurando tentando sentir, e não sinto nada só apenas flutuo isso é muito estranho.

- É eu sei como se sente eu posso flutuar também se quiser, mas no momento me sinto tão bem nessa condição de lobo. É tão bom sentir o chão aos meus pés. Sempre fiquei imaginando se isso aconteceria comigo, como seria, e por uma época eu tinha aceitado que tinha me saído mais aos Cullens do que aos Blacks. Mas como a mamãe diz eu sou uma mistura bem feita. Pois na forma humana eu sou uma espécie de hibrido aperfeiçoado, tenho os reflexos mais rápidos do que a mamãe. Só não sei como lobo, pois não tinha ninguém pra comparar.

- Bem, com certeza você é mais poderoso que qualquer lobo, pois não vi ninguém da alcateia fazer alguém flutuar, e estou fascinado com a sua mente, você não precisa ficar pensando: Ele tem que flutuar, ele tem que flutuar. Na verdade você nem está pensando nisso. Mas pensando bem quando puder caminhar com as próprias patas acho que não irei gostar que me faça flutuar.

Quando ele mencionou isso, eu me lembrei de Will hoje de manhã, quando a trazia “a força do banheiro” eu não estava acostumado a dividir a mente e só percebi o que estava “fazendo” quando ele comentou.

- Hum... Essa aí é a minha nora? Realmente ela é de se perder as estribeiras.

Não tive como apelar. Era nítido que ele estava brincando, na sua mente só havia humor com relação ao comentário.

- Claro, eu sou louco pela sua mãe!

Nesse momento percebi que a devoção que minha mãe tinha com relação a ele não era em nada comparada a que ele sentia por ela. E ele sabia disso, pois já tinha visto isso na dela muitas vezes.

- É o poder do imprint.

- Eu me sinto tão estranho, eu sempre imaginava esse momento. Cresci vendo suas fotos, assistindo as lembranças da mente da minha mãe. Cresci desejando estar com você, com a alcateia, desejei levar broncas suas, ser criado por você. Mas agora é tão estranho, não consigo nem te chamar de, de...

- Pai?

- É, isso...

- Eu também não consigo te chamar de filho. Aliás pensar que tenho um filho já adulto. É natural... Desculpe-me e não me entenda mal. Estou muito feliz de estarmos aqui e conversando, mas olhe a minha situação. Eu deixei uma mulher com apenas 8 anos de idade e aparência de 20. Volto e ela está a mesma coisa só que com o um homem feito a tira colo e que ainda por cima descubro que ele é meu filho!

- Então você não acredita que é o meu pai?

- Claro que acredito, eu vi você dentro da barriga da sua mãe. A ví quando ela estava perto de dar a luz... Conversei com você quando estava dentro do ventre dela.

- Os sonhos... Eu já tinha visto aquelas imagens só que no ponto de vista da minha mãe.

- JJ quando lhe ataquei em La Push achei que era algum vampiro querendo se dar bem à custa da minha mulher e o ciúme me corroeu. Mas no momento em que vi o lobo chocolate na minha frente entendi que se tratava do meu filho.

- Bom você não me atacou... Só ameaçou... E apanhou... – Disse com uma pontinha de orgulho.

- Verdade, mas quando encontrarmos o meu corpo eu vou querer revanche! Essa não valeu! Eu sei que vamos nos dar muito bem JJ. É tudo uma questão tempo. Aliás, já estamos nos dando muito bem. Só digo isso com a relação ao termo pai e filho.

- Tranquilo... Eu estou percebendo isso. Eu já estou me acostumando com a ideia de ter meu pai por perto. O que me chocou foi apenas a aparência. Esperava o grande e imponente lobo Alpha Jacob Black... Não esse lobinho mixuruca aí.

Nesse momento gargalhamos até não aguentarmos mais. Percebi que ele sentiu dor e me culpei pela piada fora de hora. – Desculpe-me. Vamos mudar de assunto não quero que se machuque mais. Nos acalmamos. Ele puxou um assunto mais tranquilo e muito mais constrangedor.

- Então você está passando por fortes emoções essa semana hein?

- Acho que todos nós, mas já sei a quê você está se referindo a Willian não é mesmo?

- Claro - claro. Quem mais? Conte-me mais sobre ela?

Falei da primeira vez que a vi antes da mudança de fase, antes do imprint, do seu jeito... dos segredos que ela guarda e que prometeu me contar. Do meu eu, minha família do medo que tenho dela querer fugir de mim quando souber que eu sou um lobo, que minha família é de lobos e vampiros. Contei-lhe sobre nossa noite especial ontem... Em como tudo foi tão maravilhoso. A sensação de ter uma mulher nos braços pela primeira vez... de saber que ela é minha e que cabe a mim cuidar dela pra sempre. Papo de homem! Em momento algum me senti constrangido, como pensei ao escutar a pergunta. Aquele embaraço todo tinha ido embora e percebi que estar ali com ele não era tão complicado como eu achei. Ficamos conversando sobre tudo quanto era tipo de assunto e quando percebi já estava escurecendo e a fome reclamando fundo em nossos estômagos.

- Se conheço bem a mamãe, ela deve estar em papos de aranha querendo vir atrás da gente e o vovô deve estar segurando ela em casa.

- Com certeza. Acho que já está na hora de voltarmos pra casa.

Iniciei o percurso de volta e inconscientemente ficamos calados até que Jacob me chamou.

- Sabe JJ eu senti muito não ter podido acompanhar o seu crescimento, mas estou orgulhoso com o trabalho que a Nessie fez. Eu não poderia ter feito melhor. Ver o homem que você se tornou é um orgulho pra mim. Tive a oportunidade de ter uma conversa inusitada com a Nessie e pude perceber que mesmo eu estando longe de você ela não deixou que eu fosse ausente na sua vida. E apesar da falta de costume, eu o sinto como meu filho e já o amo demais.

- Eu também te amo pai.

1 comentários:

MUITO EMOCIONANTE,,,,, LINDOUUUUU!!!!!!

Postar um comentário

Não esqueça de comentar, isso incentiva os escritores e também a mim que tento agradar a vocês.