11 de nov de 2011

Capitulo 9

Posted by sandry costa On 11/11/2011 1 comment



Leah

- Leah, você precisa comer. – Scott falou de novo. Mas eu não queria comer, nem tão pouco fazer alguma coisa além de apenas ficar sentada em frente a janela, chora7ndo na esperança de ver minha filha voltando para casa.
- Por que não contamos á ela?Por quê? – as lágrimas caiam compulsivamente pelo meu rosto. Scott suspirou e me abraçou.
- Ah Lee - eu senti lágrimas mornas tocarem meu ombro.
Eu continuei encarando o nada, vendo a tempestade que caia lá fora e então meu coração falhou uma batida e a alegria tomou conta do meu corpo.
- GABI – gritei me levantando assim com Scott. Nós pulamos a janela e corremos ao encontro da nossa pequena.Ela se jogou em nossos braços e então meu mundo voltou a ter cores, cheiros e sabores.
- Filha.Minha filha. – sussurrei a apertando mais contra mim – Me perdoe minha criança. Por favor, nos perdoe.Nós te amamos tanto – pedi em meio as lágrimas. Senti um sorriso se formar em seus lábios
- Não precisam se desculpar. Não mais. Eu entendi que tudo que você fizeram foi para o meu bem e que queria me proteger do mundo perigoso em que viviam. Está tudo bem mãe. Eu amo vocês e não me importo com nada do que aconteceu.
- Nós te amamos querida e nunca se esqueça disso – Scott falou e ela sorriu
- Nunca.

Narradora



Scott e Leah não desgrudaram da filha um só minuto o alivio misturava-se ao medo de perdê-la novamente, junto com Ash e Alex eles explicaram a Gabi tudo que ela precisava saber sobre o mundo sobrenatural e depois começaram a brincar como adoravam fazer.Alex pegou Gabi no colo e a jogou no sofá enquanto fazia cócegas na sobrinha.
Ashley sentiu seu celular vibrar no bolso e foi para um canto atender.
-Ash – uma voz desesperada soou do outro lado da linha e ela sentiu seu coração apertar-se, pois já sabia o que significava.
- Estamos a caminho – ela falou – Acalme-se, okay? – e desligou o telefone. Na sala todos a encaravam com olhares preocupados, eceto Alex que fitava o nada, com uma expressão retorcida de dor. Ash caminhou até o irmão e o abraçou.
- Vamos achá-lo. Eu tenho certeza, agora preciso que nos leve para sua casa – ele demorou mais um segundo e então assentiu.
Todos na sala encostaram-se a ele e logo eles não estavam mais Copenhague e sim em NY. Chris correu até o marido e o abraçou.
- Ele descobriu tudo, ficou revoltado e sumiu- ela afundou o rosto no peito de Alex e chorou. – Eu quero meu filho.
- Nós vamos encontrá-lo, eu prometo – Scott disse pegando em sua mão.
Logo todos começaram a traçar estratégia de por onde começariam a procurar. Ashley pegou Gabi pela mão e a puxou para um canto da sala
- O encontre e conversem. Você é a única que ele vai ouvir agora. Deixe seu coração te guiar e a natureza se encarrega do resto - Gabi sorriu e assentiu.
Ela correu em direção a rua e quando todos foram em seu encalço não conseguiram passar pela barreira invisível que Ash colocou em torno da casa.
Ela não sabia como iria encontrá-lo, apenas deixou seu coração guia-la como a tia havia dito.As luzes da cidade escondiam o brilho da Lua, discreto no céu tendo sua beleza ofuscada pela correria da cidade grande. Ele seguiu para a parte mais afastada da cidade e entrou em uma pequena estrada de chão batido e continuou seguindo por ali até encontrar uma pequena fazenda abandonada. E da estrada pode enxergar o primo sentado no telhado da casa olhando pra o céu. Correu até lá a em passos humanos subiu até o telhado sentando-se ao lado dele.-
- Quem é você? – ele perguntou sem desviar os olhos do céu
- Gabriela, sua prima – ela disse sorrindo.Ele então baixou os olhos para encara-la e novamente voltou sua atenção para os céu.
Douglas era alto, tem um corpo bem definido embora não muito musculoso, olhos castanhos e a pele um pouco branca.
Os dois permaneceram em silencio até que ele perguntou.
- Eles mentiram pra você também? – ela assentiu, agora encarando o céu. – Mas sabe por que eles fizeram isso? – então baixou seus olhos e encarou o primo. – Por que não é fácil pra nenhum pai ter que aceitar que o seu filho, o seu eterno bebe vai ter que viver em um mundo tão perigoso quanto o nosso.
- Mas eles tinham que ter nos dado a chance de escolher – ele esbravejou ficando de pé e cerrando os punhos.Gabi se levantou e tocou no braço do primo
- O seu pai te ama mais do que qualquer coisa. Não pense o contrário por eu vi pessoalmente a maneira como ele fala de você.Como os olhos dele brilham, senti o orgulho em sua voz ele te ama Douglas.De uma chance a ele de se redimir e a sua mãe também – ele relaxou os ombros e ela pode ver lágrimas em seus olhos, então o abraçou e deixou que ele chorasse. Quando o primo finalmente se acalmou ela lhe contou tudo pelo que havia passado.
- Vai querer cometer os mesmos erros?  Perguntou e ele suspirou pesadamente.
- Não – então levantou e ofereceu a mão para a prima  Vamos para casa.

Gabriela

Nós voltamos para casa e assim que chegamos Alex e Chris correram até nós e e abraçaram o Douglas.Eles choraram e então Dô se afastou um pouco dos pais e antes que eles pudessem falar algo ele disse.
- Não importa o que tenham feito ou o que não tenham feito.Eu amo vocês e não quero que se desculpem por nada, nada mais importa.Daqui pra frente é vida nova. – Alex e Chris sorriram e concordaram
- Nós também te amamos filho – Alex falou pondo a mão no ombro do filho.
Meu pai me abraçou e sussurrou
- Bom trabalho nanica – eu fiz careta e bufei
- Não sou nanica – fiz biquinho e ele gargalhou.

1 comentários:

Escolheram o caminho certo a se seguir.

Postar um comentário

Não esqueça de comentar, isso incentiva os escritores e também a mim que tento agradar a vocês.