14 de dez de 2011

Capitulo 22

Posted by sandry costa On 12/14/2011 3 comments


A banheira de água fervente



A tonalidade das luzes amarelas no quarto dava a impressão de um entardecer lento, apesar de que lá fora a escuridão da tempestade de neve lançava sombras ainda mais pesadas sobre a noite... parecia que o mundo inteiro estava adormecido, como se o silêncio fosse o único e absoluto mecanismo determinante... eu apenas ouvia o som da extraordinário batida pulsante do poderoso coração de Jacob.
Num sincronismo desacelerado, como em câmera lenta, eu o olhei... lá estava ele em pé, os cabelos e as roupas úmidas pela neve de quando ele correu do outro lado da rua para comer alguma coisa, Jake estava faminto e o hotel ainda não servira o jantar. Aquele cabelo curto e negro, jogado para o lado... caprichosamente despenteado, aqueles olhos castanhos e luminosos... o sorriso branco e maroto... o corpo escultural... a respiração lenta e o som de seu sangue correndo em suas veias... seu cheiro de mata selvagem... tudo isso me encantava e me fascinava.
Eu havia me sentado na cama, nervosa, não sabia exatamente o que fazer... nunca me sentira assim antes, a possibilidade de Jacob não gostar de fazer amor comigo, de estranhar o contato da minha pele gelada... o fato de ele ainda não ter dito que me ama. Tudo isso me deixava assustada, fazia quase um ano que estávamos juntos... quase dois anos que Jasper partira... meu coração me alertava sobre este amor, meu coração estava cauteloso.
Mas olhando-o na minha frente, recém chegado da rua... úmido pela neve gelada, como eu não poderia amá-lo? Jacob Black, o lobo, aquele que ilumina e aquece a si mesmo... o escolhido para curar meu coração ferido, aquele quem coletou e reuniu novamente os pedaços espalhados de minha alma... Jacob... meu Jacob.
Eu lembro da noite em que nos beijamos, da música que tocava no rádio do carro, lembro da noite salpicada de estrelas, lembro de seus lábios ferventes... lembro que ele me disse que este aqui não é lugar para os que estão cansados... que é preciso enfrentar a dor da perda de um amor e amar outra pessoa. Eu sei de tudo isso. Eu compreendo tudo isso... mas por que será que este pressentimento ruim não se afasta de meu coração?

Eu não consigo ter visões com Jacob por perto, ele anula e nubla tudo... mas o pressentimento ruim ou bom me atingem assim mesmo, e agora, uma angústia inominável se forma em meu peito, como uma rocha pesada que fora apoiada sobre meu coração... eu sei que algo ruim irá acontecer. Mas o que será?
- Bem, minha princesa linda... – Jake disse se aproximando de mim e espirrando água sobre meu rosto de propósito – Eu vou aproveitar e tomar um banho, essa neve toda molhou minhas roupas, eu encontrei estes roupões nos armários, ainda bem, pensei que teria que me enrolar nos lençóis...
- Bobo, dá pra colocar as roupas ali perto do aquecedor depois que você tomar banho, amanhã cedinho estarão enxutas.
- é uma boa, vou encher aquela banheira de água, você viu o tamanho dela? Ah, que bobagem eu estou dizendo? Carlisle tem uma com o dobro de tamanho na casa de vocês...
- Por que você é tão aficionado por banheiras, Jake? – eu perguntei não conseguindo reprimir um riso.
- Ah, elas são relaxantes, é o que parece pelo menos... eu nunca entrei numa, então vou aproveitar e ver se é bom como dizem...
- Ai ai – eu suspirei – Vai lá meu lobinho molhado... aproveita.
- Eu tento não demorar muito.
- Se você demorar, vou te buscar – provoquei.
- Essa é a idéia... – ele rebateu com um sorriso maroto antes de fechar a porta.

Sozinha no quarto eu me estiquei sobre a cama, ouvi enquanto a banheira era preenchida com água quente... ouvia quando Jake tirou a roupa de seu corpo e entrou na água, seu suspiro de prazer no contato com a água quente e revigorante. Eu me arrepiei instantaneamente ao imaginá-lo sem roupas.
Então me sentei na cama num pulo só, e me senti envergonhada comigo mesma, afinal, eu não sou uma adolescente apesar de aparentar pouco mais de 18 anos de idade... sou uma vampira secular, uma mulher feita e por Deus... não sou virgem. Não posso desperdiçar a chance de passar a noite inteira com meu namorado que mais parece um deus grego... filho de Apolo... aquele que trouxe luz ao mundo dos homens, seria um desperdício horrível.
Pulei da cama e me postei na frente do espelho que jazia triste num canto do quarto, ali o reflexo de uma garota baixa e esguia me encarou de volta, meu cabelo estava mais despenteado que o normal por causa ventania... e quando Jake me convidou para sairmos jantar eu recusei na hora, ele apenas riu do meu terror em sair na neve molhada. Meus olhos estavam dourados claro, um dourado muito mais cristalino que o dos outros membros de minha família: os olhos de Rosie eram caramelo escuro, os de Esme um misto de âmbar assim como os de Carlisle, os de Edward era levemente mais escuros que o de Emett e os de Bella ainda eram continham um tom avermelhado... mas meus olhos eram realmente mais claros... como um tom de mel cristalino.

Sem hesitar um segundo... tirei minhas roupas.

Eu era magra, não ridiculamente magra como Bella, minhas pernas eram bonitas e torneadas, apesar de eu não ter tantas curvas quando Rosalie... mas eu era bonita. Não adianta ficar com falsa modéstia... eu era uma vampira linda, decidida e ... excitada.
Minha lingerie não ajudou muito, hoje.. justo hoje, coloquei um conjunto rosa clarinho com estampas de coração, sinceramente Alice, às vezes você exagera no visual patricinha. Mas eu não tinha como saber que passaria a noite com Jacob, sim, eu sei, uma verdade ridícula para uma vidente... mas se eu soubesse, teria vestido algo mais provocante... e como agora não adiantava chorar sobre o leite derramado...

Tirei minha calcinha e meu sutiã e atirei sobre a cama com o resto das roupas...

Assim, nua dos pés à cabeça vesti o roupão que Jake tinha deixado e o coloquei tento o cuidado de amarrá-lo bem frouxamente deixando boa parte de meu corpo aparecendo... desliguei meu celular que estava sobre a cama, eu não queria ninguém me interrompendo; procurei o celular de Jake, mas ele não estava a vista, por isso não perdi tempo e me postei em frente à porta do banheiro... hesitando momentaneamente. Eu ouvia a respiração compassada de Jacob, ouvia até mesmo o vapor se desprendendo da água quente... não sabia o que dizer no momento em que entrasse lá, mas decidi seguir meu coração... eu logo iria descobrir.
Num rompante abri a porta de forma lenta e entrei para o banheiro quente e tomado de vapor, fechei a porta à minha passagem e meus pés tocaram o chão gelado de azulejos. Jacob estava estirado na banheira que, apesar de grande, obviamente não comportava toda sua envergadura, ele me olhou claramente espantado... infelizmente, a espuma na água não me deu uma visão muito geral dele...
- A-alice? – gaguejou ele se sentando mais ereto na banheira.
Eu não falei nada, mas lhe lancei um sorriso sedutor e firme, eu achava que ficaria nervosa, mas só de olhar Jacob nu na água uma vontade absurda de senti-lo dentro de mim me tomou instantaneamente. Caminhei até ele lentamente, ele observou atento o movimento dos meus pés... sentei-me na beirada da banheira, bem próximo de seu braço direito e cruzei as pernas lentamente, deixando o roupão abrir um pouco mais... Jake acompanhou cada pequeno movimento com um assombro deliciado no rosto.
- Você estava demorando – eu falei com uma voz baixa e melosa – Então eu vim de buscar...
- Eu mal havia entrado na banheira – ele riu baixinho com um sorriso enviesado e maroto no rosto.
Eu toquei com a mão a superfície da água, remexendo a espuma e o encarando com voracidade, minha pele aquecendo instantaneamente com o calor da água... então corri os dedos pelo seu braço forte constituído de músculos rígidos como aço, pelos ombros compactos e largos, subi pela pele macia de sua garganta e toquei seu rosto emoldurado... subitamente eu senti sede.

Sede de Jacob.

Mas não uma sede de vampira, uma sede de mulher... eu o queria, queria que ele soubesse que eu o desejava, que ele me deixava faminta de desejos secretos que eu até então escondi nos mais recônditos cantos de minha alma... Jake pegou minha mão e beijou a palma subindo seus lábios pela pele de meu braço me deixando arrepiada... e sorriu para mim, um sorriso apaixonado.
Eu me levantei e delicadamente, dramaticamente... lentamente, permiti que o hobby deslizasse de meu corpo e se amontoasse no chão, por um segundo ou dois eu encarei o meu próprio corpo, os seios arrepiados e rígidos num misto de desejo e medo... mas quando olhei para Jacob meus receios se desfizeram, seus olhos luminosos perscrutavam cada centímetro de meu corpo com uma expressão de espanto, como se eu fosse um anjo de luz.. uma princesa encantada...
- Santa mão de Deus... – ele suspirou pra si mesmo.
- Isso foi um elogio? – perguntei com a voz sedutora.
- Me desculpe, mas é que eu jamais imaginei que com tantas roupas bonitas, você conseguiria ficar mil vezes mais linda sem elas...
- Eu posso entrar? – perguntei apontando para a banheira.

Jacob não respondeu, apenas se acomodou mais e levantou a mão para me conduzir, eu toquei com os pés a água quente e lentamente me abaixei na água, me sentando sobre o colo dele.
No instante em que meu corpo tocou a pele ígnea de Jacob eu senti um arrepio de eletricidade atravessar todo o meu corpo, neste momento eu já ardia de desejo; minha respiração estava acelerada, Jacob começou a me beijar, beijar meu pescoço e meu ombro e o toque de sua língua quente sobre minha pele me fazia gemer baixinho.
Meus seios não são tão grandes e suas mãos os encobriram com facilidade, fechei os olhos com força sentindo sua boca quente mordendo levemente cada um deles, Jacob estava me deixando enlouquecida; era como se ondas de quentura se espalhassem pelo meu corpo.
Depois de me deixar excitada enquanto beijava meus seios, Jake voltou sua atenção para meus lábios e os beijos se tornam profundos, uma mistura de línguas que se moviam cada vez mais rápido e com mais voracidade. E neste momento, sinto Jacob ficar rígido... toda sua masculinidade começa a extravasar tocando de leve minhas coxas... automaticamente eu tento me encaixar, me endireito sobre seu corpo definido e sinto quando seu membro se enfileira certeiro na entrada de minha vagina.... mas neste momento, neste segundo infinitesimal que quase não posso me controlar... eu paro tudo... acolho o rosto de Jacob entre minhas mãos até ele me encarar nos olhos, o beijo com carinho e sussurro baixinho:
- Eu quero você dentro de mim...

Ao ouvir isso, Jacob ergueu com facilidade meu corpo e terminou de me encaixar nele, eu senti todo aquele desejo endurecido me penetrar com cuidado, e em seguida entrelacei minhas pernas ao redor de seu corpo e os movimentos rítmicos se intensificaram a ponto de a água da banheira começar a ser expulsa para fora.
Eu sentia Jacob dentro de mim, sentia seus beijos percorrerem meu colo... meus seios, meus lábios... com isso meu corpo todo parecia uma vulcão prestes a entrar em erupção e eu não conseguia mais conter os gritos de prazer que Jacob, ora ou outra, abafava com beijos sedentos.
Jacob, com a respiração descompassada e rápida, agarrou minha cintura, eu me sentia tão excitada que nossos movimentos começaram a se tornar mais acelerados e mais ambiciosos de prazer, sinto minhas pernas pinçaram Jacob com ainda mais força...
Ali, naquele banheiro tomado pelo vapor de água, nossos gemidos se confundiam... espasmos, beijos ardentes, explosões de prazer entre as pernas, as minhas unhas cravadas sem pensar em suas costas e braços... Jacob me conduzindo para um êxtase explosivo... meus seios intumescidos necessitam de atenção e eu arqueio meu corpo para trás para que Jacob os alimente com sua língua fervente...
Sem pensar eu perco meu controle e começo a me mover junto com ele num ritmo frenético... insinuante, eu o provoco mordendo de leve seu ombro, a boca dele procura a minha e eu quase não suporto o gemido que sai de minha garganta... tanto que acabo gemendo mesmo enquanto beijo Jacob.
Sinto os gemidos mais altos, sinto-os saírem de forma irracional de mim... sinto o ambiente mudando, meu corpo mudando, sinto Jacob aumentando o ritmo e agarrando com força minhas coxas e sinto que o ápice está por vir, mal consigo idealizar ou mensurar o prazer que está prestes a se derramar de nós dois. Ali, naquela banheira fervente, sentada em seu colo vulcânico, sobre seu membro rochoso... eu apenas me dedico a me controlar para não destruir o lugar e machucar Jake... mas minhas unhas estão cravadas em seus ombros e eu não consigo evitar estas ondas de choque que tomam meu ser.. os ciclos se tornando cada vez mais úmidos prestes a desaguar de dentro de mim

3 comentários:

OMG! Jesusmariajose!!! Ui, deu ate um calorzinho! Mais, pelamordedeus!!! Bj, Alinica

G-zuisssssssssssssssssss me abana, que eu to passando mallllllllllllll aquiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii...affffffffffffffffffffff

Pelo amor dos meus futuros netos, que capitulo foi esse........OMG OMG OMG OMG OMG OMG OMG OMG

Alice vampirinha concordo contigo, qual a mulher em sã consciencia que nao se esbaldaria com esse loboooooooooo gostoso, ai JACOB BLACK, me pra mimmmmmmmmm vemmmmmmmmmmm...a loka aqui...


Ela toda sexy e sensual e nosso lobao nao perdeu tempo....

afffffffffffffff suando, hiperventilandoooooooo aquiiiiiiiiiiiii

Ju escritora amada, pelos ceus iluminados nao demora a postar ta...

quero a segunda parte....

e vc é má viu, terminar o capitulo desse jeito...

tadinho do meu pobre coração...desse jeito num guento mulher...

TEAM JACOB ENLOUQUECIDA AQUIIIIIIIIIIIIIIIIIII


bjs e saudações lupinas

Postar um comentário

Não esqueça de comentar, isso incentiva os escritores e também a mim que tento agradar a vocês.