12 de mai de 2010

Capitulo 1

Posted by sandry costa On 5/12/2010 6 comments

Cumplices

- Ela não é uma imortal. Ela não é uma vampira. Eu posso facilmente provar isso, a lei não foi violada. Se você escutasse…
 Os ecos da voz calma e suave de Carlisle romperam a névoa, onde eu já não podia ver nada. Como se minha mente estivesse me prendendo, me obrigando a reviver um passado não tão distante…
 - Eu posso cumprimentar a sua filha, adorável Bella?
 A voz fina e gentil de Aro soprou em meu ouvido, quase como uma canção. Flashes, partes e pedaços, pontas soltas que resolveram se unir para me prender nessa inconsciência perturbadora. Então, eu podia ver seus olhos vermelhos, brilhando de uma forma agourenta, me observando de perto…
 - Meio mortal, meio imortal, concebida e trazida à luz por essa recém-criada enquanto ainda era humana.
 Havia tanto deslumbre e cobiça em sua voz que senti meu corpo tremer, meus pêlos se eriçaram em minha nuca, e um frio repentino me envolveu, como se toda a alegria do mundo tivesse sido sugada por um ralo invisível.
 Aro sorriu nas sombras daquela neblina desconexa, e de repente ele estava gargalhando, como alguém que é premiado com algo muito valioso.
 Eu me perguntei o motivo para essa súbita satisfação, mas algo dentro de mim estava completamente ciente de tudo. Senti um braço frio passar por meus ombros, me trazendo um conforto imediato. Ele encostou seus lábios em meu rosto, num gesto de carinho que ocultava certo tipo de condolência, como se quisesse me dizer, eu sinto muito. A voz doce de meu pai sussurrou pra mim…
 - Ele está intrigado com a idéia de… cães de guarda.
 Se antes eu sentia frio, agora eu sentia-me congelada, uma única imagem irrompeu através de minhas pálpebras. Jacob.
 Eu queria gritar, queria olhar nos olhos dourados de meu pai e pedir que ele nos protegesse, mas não havia mais nada. Só um grande campo vazio, onde tudo era terrivelmente verde, a grama se estendia infinitamente, como um mar de esmeraldas, o horizonte tocava o chão de todos os lados e se misturavam em tons de verde oliva. A gargalhada felina de Aro cortava o céu como um trovão, vindo de todos os lados. Eu girava em torno de mim mesma, vasculhava cada canto vazio daquele cenário agourento, mas não havia nada, todo lugar em que eu pousava meus olhos estava completamente igual aos outros, como uma caixa de espelhos. Então eu parei e fechei os olhos, deixei que minha audição me mostrasse o que minha visão não conseguia captar. O som foi diminuindo gradativamente, como se estivesse sendo levado pelo vento e, então, cessou. Eu respirei fundo, aliviando a tensão em meus ombros, relaxando aos poucos meus músculos. Abri meus olhos lentamente e estremeci com a face pálida e poeirenta que me encarava. Aro estava a um palmo de meu rosto, me encarando, me observando como quem analisa uma obra de arte obsoleta. Eu o encarei de volta, procurando respostas em seus olhos astutos. Ele sorriu gentilmente para mim, tocou meu rosto com as pontas dos dedos, escorregando até meu pescoço e pousando em minha nuca, ele tombou minha cabeça de lado, aproximando sua boca até meu ouvido, fechei meus olhos e esperei pela dor, mas ao invés disso ele apenas disse delicadamente.
 - Só uma idéia errante minha querida Nessie – ele sussurrou com humor – Você sabe muito bem como é isso. Nenhum de nós consegue controlar inteiramente os nossos desejos subconscientes.
 Abri os olhos na intenção de encontrá-lo. Eu queria machucá-lo como ele fazia quando me falava essas coisas, quando insinuava ameaças a mim e a minha família desse modo sutil e zombeteiro, como se tudo e todos fossem suscetíveis aos seus caprichos. Eu queria machucá-lo, mas a única forma que avistei quando abri meus olhos me fez relaxar no mesmo instante. Pai
 Sentei na cama, rapidamente me desfazendo do nó de lençóis entre minhas pernas, olhei pra ele por entre os fios de cabelo que cobriam parcialmente meu rosto. Ele estava sério. Me encarava com um misto de preocupação e reprovação que só me fez sentir mais raiva de mim mesma por manter esse tipo de lembrança escondida em minha mente. Então, relutantemente eu o olhei nos olhos com um leve rubor nas bochechas. 
“Você deve estar pensando como eu sou pouco inventiva em meus pesadelos não é, pai?” Pensei o mais descontraidamente que pude.
 Ele me olhou com aqueles olhos preocupados que eu já conhecia tão bem. Estava parado na porta, levemente encostado no batente, os braços cruzados sobre o peito. Eu não precisava ler seus pensamentos para saber exatamente o significado daquele vinco em sua testa, ele estava tão preocupado quanto eu com a intensidade e freqüência dos meus sonhos, mas nem eu, nem ele sabíamos – ou entendíamos – o porquê.
 Ele atravessou o quarto silenciosamente, e se sentou na beirada da cama. Eu escondi o rosto entre meus joelhos e esperei que ele começasse o discurso.
 - Nessie, eu não entendo. Você se lembra claramente das palavras de Aro naquela manhã, á sete anos atrás e não pode se lembrar das minhas, que são repetidas pra você todos os dias? – Ele disse sem olhar pra mim.
E ele tinha razão, eu me lembrava nitidamente daquele dia, de cada palavra dita e do medo silencioso que pairava sobre todos os que se propuseram a testemunhar em meu favor. Eu me lembrava de meu pai, me confortando todas as vezes que eu acordava aos gritos no meio da noite. Estava tão ciente da preocupação de minha mãe, minhas tias, e de toda minha família, que ao passar dos dias, sufoquei toda dúvida, todo medo dentro de mim, e implorei ao meu pai que fizesse o mesmo. E como o padrão seguia inexoravelmente, noite após noite, ele concordou em dividir comigo esse pesar sem sentido. Nós éramos confidentes, cúmplices. -
Eu posso repetir cada palavra sua, pai. Mas não posso controlar meus sonhos. Se houvesse um jeito, eu…
 - Você só precisa esquecer tudo isso, e confiar em mim quando eu disser que nunca vou deixar nada te machucar. – Ele me interrompeu, me puxando para seus braços. – Além disso, sua mãe não acredita mais em mim quando eu digo que você está bem, olhe pra você Nessie, está visivelmente atormentada por essas lembranças sem sentido.
 Ele tinha razão, eu precisava me livrar desses pesadelos. Eu não dormia uma noite inteira há muito tempo e isso era realmente desgastante. Era ainda pior por que eu era a única que precisava dormir naquela casa, e a mais protegida, a mais vigiada, a mais observada…
 - E a mais amada, não se esqueça disso. – Ele tirou um fio de cabelo de meus olhos e me encarou docemente.
 - Eu sei, sei disso muito bem e não vou me esquecer, eu só… só preciso saber o que fazer pra parar isso, mas por enquanto, pai, eu quero que mantenha nosso trato. Não há motivos pra preocupar todos eles com uma besteira qualquer.
 - Você é impossivelmente igual a sua mãe, sabia disso? – Ele sorriu gentilmente.
 Eu sorri de volta e disse:
 - Sei… você também me lembra disso todo tempo.
 Trocamos um olhar silencioso por alguns instantes e então, ouvimos passos se aproximando da entrada da casa. Ele se levantou e caminhou para porta lentamente.
- Os outros chegaram, parece que a caça foi boa. – Ele sorriu – Vista-se, Jacob está com eles.
 Meu pai saiu do quarto, fechando a porta atrás de si, tentando recompor a tranqüilidade em sua expressão. Eu desabei o corpo na cama, sentindo o cansaço se esgueirar por mim, e novamente me condenei pelos malditos sonhos. Graças a eles eu estava quase constantemente com cara de zumbi e minha mãe ficava mais desconfiada a cada dia. Me espreguicei longamente e me levantei. Fui até o espelho verificar os estragos de mais uma noite. Eu estava com cara de… vampira. Mais especificamente a versão vampírica de Bram Stoker. Ensaiei a expressão mais feliz e despreocupada que eu tinha e me preparei para mais um ato. Pensar em Jacob lá em baixo, me esperando, ajudou a melhorar minha aparência, e meu humor.

Fanfic escrita por Anna Grey

6 comentários:

anna é com imenso prazer que começo a postar sua fic aqui no meu blog, eu amo sua historia, sou sua fã de carteirinha, uma das melhores fic q eu já li.

bjim s2

MARAVILHOSO, VC ESCREVE MUITO BEM, PARABÉNS...
SUA FIC É MUITO INTERESSANTE...AMEI DE PAIXÃO...
BJSCULOS^^

Anna Muito legal sua fic! Meu ja to amando ela! Muito legal! ^^

Lindo!
Ameii o modo como vc descreve a relação pai e filha da Nessie e do Edward.
Perfeito! Não consigo imaginar uma palavra melhor pra descrever esse episódio!
Parabens! já estou anciosa pelo proximo!!
bjuss

q fic show, to curiosissima.
continue assim anna

erloa

q sonho estranho, e q lindo o edward.
louca pra saber mais

Postar um comentário

Não esqueça de comentar, isso incentiva os escritores e também a mim que tento agradar a vocês.