31 de mai de 2010

Volterra

Posted by Daniella On 5/31/2010 3 comments

Itália, seria uma boa idéia ficar ali por algum tempo, apenas até eu poder pensar um pouco mais na minha vida. Andei normalmente pela rodovia, na verdade andava quase no meio da estrada, mas não tinha sinal de que algum veiculo vinha se aproximando então nem liguei para isso, eu ainda estava brilhando, pois estava sol talvez fosse dez da manhã não sei mais não importa.
Eu poderia voltar para os Cullen e ser uma meia vampira, e ser imortal, viver como se nada houvesse acontecido, viver como uma humana normal, viver uma farsa. Essa idéia soa melhor do que eu ficar vagando pelo mundo e me tornar um mostro pior do que sou e me alimentando de humanos, não matar humanos não, animais essa seria minha refeição. Minha barriga roncou, fazia quase três dias que eu não comia algum alimento, mas eu estava sem dinheiro então acho que eu poderia roubar a que seja eu não vou está matando ninguém. Eu só tenho que ir a alguma cidade e roubar depois voltar para a floresta, ficar entre humanos não era difícil para mim, mas eu não queria abusar da sorte de eu ser controlada e atacar algum humano. Comecei a correr novamente seguindo a estrada e chegando a uma cidade que eu não me dei ao trabalho de saber qual é o nome. A cidade tinha antigos muros castanho-avermelhados e torres que coroavam o alto da colina íngreme. Entrei na cidade agora em uma velocidade normal, e comecei a sentir um cheiro de comida delicioso, corri em minha velocidade sobrenatural até um restaurante-era desse lugar que vinha o cheiro- e entrei na cozinha e apanhei algumas comidas, sai rapidamente e fui para um beco, comecei a comer e nem sabia o que era, mas apenas colocava para dentro sem ao menos sentir o gosto da comida. Levantei-me e percebi que tinha alguém me olhando, me virei lentamente e dei de cara com um rapaz pálido com os lábios não muito cheios, cabelos escuros, um pouco mais alto do que eu, um lindo rosto e os olhos vermelhos, ele só podia ser um vampiro. Ele me fitava com muita profundidade eu não conseguia desviar o olhar do dele, ele era tão lindo.
-Olá senhorita. –ele disse com uma voz mais linda ainda.
-Oi. –disse timidamente.
-Como se chama?
-Nicoly. –eu quase disse Cullen mais achei melhor não. –E você? Como se chama?
-Alec. –aquele nome não me era estranho, olhando bem para ele, ele estava nas lembranças do Carlisle, ele era um Volturi uma família muito antiga que conta com uma enorme e poderosa guarda, e que habitam a cidade de Volterra, na Itália, então eu estava em Volterra e com um membro da guarda que se chama Alec. Ele pareceu perceber a minha reação.
-Algum problema? –tinha algum problema? Ah acho que não.
-Não.
-Você é uma vampira. –disse ele olhando dentro de meus olhos novamente. –mas seu coração bati. Como? –desviei meus olhos do dele e lhe respondi.
-Eu sou uma meia vampira. –ele ficou surpreso, mas depois se recompôs.
-Interessante. Você se alimenta de sangue humano? –nas lembranças de Carlisle pudi saber que vampiros que se alimentavam de sangue de humano tinha os olhos vermelhos e os que se alimentavam de animais tinham os olhos dourados como os Cullen e claro os recém-criados como eu tinha os olhos vermelhos, mas depois que eu me acostumasse com o sangue de animal eles ficariam dourados.
-Não. Sangue de animal, mas é que eu sou uma recém-criada.
-Se você é uma recém-criada como você pode ser uma meia vampira? –ele ficou confuso, mas eu não estava com paciência para explicar para ele, até por que o Cayo estava na minha historia e eu não queria me lembrar disso.
-È uma longa historia.
-Eu tenho bastante tempo.
-Eu não.
-Bem, eu gostaria de saber mais sobre você, você esta indo para algum lugar especifico?
-Não. –na verdade eu estava sim, mas eu não quero voltar agora para a casa dos Cullen, eu vou esperar mais alguns dias.
-Por que você não vem comigo até a minha casa e me fala sobre você?
-Onde fica sua casa?
-Não muito longe daqui. Isso é um sim?
-Isso é um... “Hã ta, mais não me seqüestre”. –disse sarcasticamente. Ele deu um riso.
-Que isso, como você pode pensar isso de mim? –disse ele se fazendo de ofendido. Eu não pude deixar de dar um riso também, ele me estendeu a mão, eu dei alguns passos até chegar perto dele.
-Melhor você não tocar em mim. Vai por mim não vai ser uma experiência muito boa. –eu caminhei até o final do beco, olhei para trás e ele estava com uma cara de curiosidade, mas depois recolheu a mão e foi até mim.
-Por quê? Por acaso se eu tocar em você eu posso me apaixonar? –eu olhei para ele surpresa. Como ele pode tirar essa conclusão? Eu nunca mais me apaixonaria por ninguém, não iria trair o Cayo, o Cayo foi o único.
-Nem brinque com uma coisa dessas. –disse friamente. Ele percebeu a minha expressão e mudou de assunto.
-Bem então vamos para minha casa. –eu sabia sobre os Volturi, mas ia me fazer de desentendida.
-Você mora com quem? –nós estávamos caminhando em uma velocidade normal.
-Com várias pessoas.
-Vampiros. –o corrigi.
-È vampiros. Siga-me. –ele começou a correr a uma velocidade desumana e eu o acompanhei. Por sorte não tinha ninguém na rua. Chegamos a uma torre onde tinha um relógio e entramos.
Estávamos num corredor nada extraordinário, bastante iluminado. As paredes eram quase brancas, o chão acarpetado de um cinza industrial. Lâmpadas fluorescentes retangulares e comuns espaçavam-se uniformemente pelo teto.
-Bela casa. –ele deu um sorriso para mim. Aquilo parecia mais um castelo do que uma casa. Talvez fosse um castelo mesmo.
-Obrigado. Vamos. –ele gesticulou para um elevador, eu entrei e ele fez o mesmo.
-Onde estamos indo exatamente? –lhe pergunte.
-Vamos falar com os meus lideres. –Lideres? Na minha mente vieram três homens dois morenos e outro de cabelo louro, eles eram os lideres, Aro, Caius e Marcus. Coloquei a mão na minha cabeça, às vezes as imagens me davam certa tontura. –Tudo bem com você? –perguntou Alec se aproximando de mim.
-Estou bem. –estendi a mão para que ele não se aproximasse mais e funcionou. Depois as portas do elevador se abriram e nos saímos no que parecia a recepção de uma empresa. As paredes eram revestidas de madeira, o piso com um carpete grosso, verde-escuro. Não havia janelas, mas pinturas grandes e muito iluminadas do interior da Toscana penduradas em toda parte as substituíam. Sofás de couro claro estavam arrumados em grupos aconchegantes e as mesas reluzentes tinham vasos de cristal cheios de buquês de cores vibrantes. Alec seguiu para um grupo de portas duplas no fundo da sala, e eu fui atrás. Começamos a andar por um corredor largo e ornamentado. Tinha uma porta no final dele, mas Alec o ignorou parando no meio do caminho e deslocando parte do revestimento, expondo uma porta de madeira comum. Não estava trancada. Alec a manteve aberta para mim. As únicas mobílias na sala eram várias cadeiras de madeiras imensas, como tronos, alinhadas nas paredes curvas de pedra.
A sala não estava vazia. Algumas pessoas se reuniam numa conversa que aparentava ser relaxada. Todos os belos rostos se se viraram para Alec e eu enquanto entravamos na sala. A maioria dos vampiros estavam vestidos de calça e blusa discreta –como Alec. Mas o homem -que eu me recordava nas lembranças do Carlisle e agora nas minhas- que se chama Aro falou primeiro.
-Alec meu caro você voltou! –disse ele com evidente prazer.
-Sim meu senhor. –disse Alec com tom respeitoso.
-E quem é esta ao seu lado?
-Essa é Nicoly.
-Olá Nicoly. Você é uma vampira ou é o lanche? –lanche? Eu gelei.


Oii! Então oq estão achando...?
Comentem, Bjsculos^^

3 comentários:

Ah muito bom flor.
Estou anciosa para saber dos próximos capítulos, os Volturi já estão de saco cheio dos Cullen e agora mais uma? rsrs

Beijussssssssssssss...^^

Nossa vc caprichou nesse episódio hein?
Rico em detalhes sem falar na sua escrita, que melhorou muito!
Simplesmente incrivel! Amei esse post!
Quero só ver no que vai dar essa visita da Nick! Será que o Aro vai encostar nela? Tomara que sim, hsauhsuahs
E o lanchinho então? kkkkkkkkkkkkk amei!
Bjuss

Irielen

DANY amiga vc termina na melhor parte fico frustrada mas gosto demais da sua fic pra reclamar ...........parabens amiga vc esta d++++++++++++++++++++++++++

Postar um comentário

Não esqueça de comentar, isso incentiva os escritores e também a mim que tento agradar a vocês.