23 de jun de 2010

Capitulo 1

Posted by sandry costa On 6/23/2010 2 comments


 Remorso

Não  vou agüentar continuar vivendo desse jeito. Vejo todos eles na minha frente como se fossem reais. Pessoas que matei á 20, 30 anos... Ainda me lembro de cada uma delas. Penso no medo que causei e na dor de suas famílias. Eu não deveria sentir culpa droga! Eu sou um vampiro e fui feito pra isso! Tentei mais de mil vezes colocar isso na minha cabeça, mas o mesmo remorso me coroe por dentro. Há uma saída pra isso? Como posso viver de outro jeito? Simplesmente não agüento mais. Acho que se não fosse o meu poder de sentir mentes, não ler mas sentir- é como se eu soubesse se a pessoa está com medo ou desconfiada ou insegura,  não sei as palavras exatas mais é como se eu tivesse como um palpite certeiro do que a pessoa está pensando- Eu com certeza não estaria assim.
Há mais de uma semana que não caço. Isso é porque eu evito. Dá ultima vez fiquei quase um mês sem beber sangue, mas dessa vez não dá pra agüentar porque estou em um lugar com muita gente e o cheiro doce do sangue dessas pessoas estão me atraindo e me tentando cada vez mais e se eu não me alimentar logo, vou acabar atacando alguém no meio da multidão.
É carnaval em Veneza e muitas pessoas vão para as ruas e se vestem como na época da renascença, usam máscaras, perucas, vestidos de bailes e toda baboseira que puder imaginar. Estou em um beco escuro esperando que algum humano bêbado entre pra mim acabar logo com isso. Espero que seja alguém que eu não me arrependa de matar.
Uma mulher muito linda, loira de olhos azuis e corpo esbelto que parece uma versão bem bêbada de Maria Antonieta entra no beco, quase que aos tropeços.
-Olá. – Digo com certo charme na voz.
-Olá. – Ela responde com  entusiasmo.- O que está fazendo em um beco escuro, alguém pode te atacar.- Disse ela rindo e soluçando.
-Que irônico, eu ia te dizer a mesma coisa, à propósito, meu nome é Pietro.- Disse, queria que pelo menos ela não morresse com medo.
-O meu é Diana. – Disse ela sorrindo, sentia-se feliz mas com um pouco de medo. Com certeza não faz a mínima idéia do que vai acontecer.
- Então Diana,- cheguei mais perto e a abracei da forma mais delicada pela cintura- Me desculpe –  e realmente me sentia culpado, mais não tinha outra alternativa, não que eu conheça ou me lembre- Prometo que vai ser bem rápido.
Ela não entendeu o que eu disse. Não teve tempo, no mesmo segundo eu já estava sugando seu sangue e sentia ela se debater contra o meu corpo, um ato de defesa inútil, logo se cansou e se deixou levar,seu coração parou de bater. Ela se fora.

Capítulo II- Paris.

Depois de meu penoso encontro com Diana, sai de Veneza o mais rápido possível não queria mais ficar perto de tanta gente, se soubesse que Veneza estaria assim nem teria me dado ao trabalho de vir. Agora penso como seria a vida dela se eu não a tivesse estragado, pelo que senti de sua mente, ela era uma garota inteligente que estava em Veneza provavelmente tirando férias e pela idade com certeza era da faculdade.
Fui correndo em qualquer direção e de repente me vi indo para Paris acho que não ia ter problemas por lá, por enquanto. Era noite e a cidade estava iluminada como sempre, linda Paris. Fiquei observando a torre Eiffel e de repente  senti um cheiro, era de vampiro. Dois pra ser exato. Um eu reconhecia, o outro era novo, não me recordo do cheiro do segundo. Me virei para ver quem era e logo percebi que era Edward e uma vampira  a seu lado, devia ser sua parceira.
-Pietro!- Disse Edward, feliz de me reencontrar, e eu também estava muito feliz de vê-lo novamente.
- Edward, a quanto tempo! Deve ter uns 35 anos desde a ultima vez que te vi.
-É, faz muito tempo mesmo, deixe-me apresentar minha esposa Bella.- Percebi que quando se referia a Bella falava como se tivesse ganhado um troféu.
-E ganhei mesmo rsrs.
-Prazer.- Disse Bella, senti que ela estava muito feliz.
-Prazer- Apertamos as mãos, que bom que Edward encontrou uma parceira, ele era o único solteiro da família.- Então, o que traz vocês à Paris?
-Mais uma  Lua de Mel.- Disse Bela- Fazemos uma a cada 6 meses.
-Bella, Pietro é um velho amigo da família, mas é muito difícil manter contato com ele, não passa nem um dia no mesmo lugar.- Disse Edward com um sorriso no rosto, eu também estava sorrindo, sinto falta dos Cullens,  apesar de ter conhecido eles rapidamente, fiz  fortes laços de amizade.
-Como tem passado Edward?E como conheceu Bella?- Perguntei, queria saber o quanto as coisas tinham mudado desde que os vi pela ultima vez.
-É uma história meio longa, acho que não acreditaria- Olhou pra bela com um sorriso, e ela o devolveu, parecendo que estão compartilhando de uma piada interna.
-Não, gostaria de ir pra nossa casa, podemos conversar lá, temos uma casa aqui em Paris não é muito longe, é que aqui não é o melhor lugar para o tipo de conversa que teremos.- Disse Bella muito simpática, e ela tinha razão não é bom conversar aqui sobre vampiros.
-Claro.- Andamos até o carro deles, não podíamos ir correndo, tínhamos que manter as aparências. Em menos de dez minutos, chegamos em uma casa muito grande moderna e bonita, o tipo de casa que os Cullens gostam.
 Quando entramos, Edward me falou tudo, sobre como conheceu Bela, como o cheiro dela era  tentador pra ele, sobre James e Victória, sobre quando ele tinha abandonado Bella pra protege-lá, o exercito de recém criados de Victória, seu casamento , a gravidez de Bella- isso realmente eu não achei que fosse possível- Sobre Reneesme e como ela cresce rápido , os lobos, e sobre o confronto com os Volturi.
-Nossa, isso é que é história difícil de acreditar, até com os Volturi?-Assoviei, ainda estava um pouco bobo com o que ele dissera.
-Inacreditavelmente, Bella tem um ímã muito forte pra atrair o perigo.- Todos rimos.
-Meu ímã me deu uma folga depois disso tudo, á três anos não nos acontece nada.
-Bom pra vocês.
- E você meu amigo, como tem passado?- Disse Edward também curioso a meu respeito, mais logo pensei na minha vida e na agonia que tem sido viver desse jeito, e no meu ultimo encontro em Veneza.
-Não precisa viver desse jeito, seria muito bem vindo em nossa família se desejar.-Me esqueci que Edward podia ler mentes , não queria que ele soubesse do meu fardo.
-Preciso ter mais cuidado com o que penso rsrsrsr- Disse tentando fazer piada da minha vida.
-Não sei o que está se passando com você mas com certeza seria bem vindo.-Disse Bella sorrindo pra mim como uma irmã.
Fiquei pensativo por um tempo.-Preciso de um tempo pra pensar Edward, pelo menos me acostumar com a idéia.
-Daremos o tempo que for necessário, nós vamos voltar pra Aberdeen amanhã é uma cidade pequena fica ao noroeste dos E.U.A, aqui está o nosso endereço- rapidamente Edward escreveu seu endereço em um bloco , retirou a folha e entregou-me o papel.
- Fico muito agradecido a vocês dois. Vou indo agora, aproveitem o resto de lua de mel.-Me despedi de Edward e de Bella e fui embora, realmente o convite deles era tentador, mas não quero ser um peso pra eles, não quando a família está completa e feliz, coisa que acho que não vou me sentir em lugar nenhum.

2 comentários:

:t Babi seja bem vinda ao BET, é uma honra pra mim postar sua fic aki, vc sabe q eu amo ela.
esse cap estava show, foi demais rele-lo.:n
bjssssss:g

muito interessante to curiosa posta mais

Postar um comentário

Não esqueça de comentar, isso incentiva os escritores e também a mim que tento agradar a vocês.