8 de fev de 2011

Capitulo 8

Posted by sandry costa On 2/08/2011 3 comments

Revelando parte de um passado


Oiê!
Como vão as flores do meu jardim?
É eu sei, eu sei! Ja faz praticamente um mês que eu não posto!
Mas é que a minha criatividade tirou férias, não me avisou e não disse quando voltava!
Vocês não sabem o desespero que eu fiquei!
MAS... pra me redimir eu fiz um cap. grande dessa vez pra vocês me perdoarem!
Gostaria de dizer qu agora vou demorar a postar porque começam as aulas e ja sabem né?
Espero que vocês não tenham me abandonado e que isso não significa que vocês não vão mais comentar!
Pois são os seus reviews que me motivam a escrever o mais rápido possível!

AVISO LÁ EMBAIXO!
Boa leitura amores!



POV. Diogo

- Bom, se devemos explicações... Que venham as perguntas! – disse Sa, indo se sentar em frente à eles.
Copiamos o seu gesto, ficando eu e Jhuly na frente.
- Creio que querem saber da onde nos conhecemos, certo? – perguntei olhando pro Carlisle. Vi de relance um olhar de... ciúmes (?) vindo da Jane.
- Admito que fiquei curioso. – respondeu ele.
- Hum... digamos que somos amigos de longa data. – falei mantendo mistério.
- Bota longa nisso! – disse Jhu risonha.
- Como? – perguntou Jane olhando pro modo como eu e a Jhuly nos abraçávamos.
- Nós... bem... – enrolei com medo do olhar da Jane em cima da Jhu.
- Crescemos juntos. – ela disse por fim – Diogo era meu vizinho. Se mudou pra lá quando tinha 3 anos. Um pouco depois de eu nascer.
- Lembra que falei pra vocês que cheguei a estudar num colégio interno? – perguntei, eles concordaram num gesto de cabeça – Então, esse colégio era na Rússia. E como éramos inseparáveis, a Jhuly e a Sabrina foram junto comigo.
- Foi lá que nos conhecemos – disse Lari.
- Um ano depois eu entrei na faculdade.
- E dois anos após o Di foi embora – respondeu Camily.
- Di? – perguntaram em uníssono.
- Meu apelido
- Ah! Mas não tem só esse não! – revelou Bia.
- Shhh! – pedi a ela, fazendo todas elas rirem.
...
Ficamos mais um tempo jogando assunto fora. Sempre desviando de assuntos constrangedores ou dolorosos.
...
- Acho melhor irmos. – falou Carlisle se referindo a eles.
Vi Alice fazer biquinho.
- Não se preocupe, Alice. Marcamos uma outra hora pra fazer o seu vestido. – disse Jhuly sorrindo pra ela.
- Mas como você sabia? – perguntou confusa.
- Já viajei muito, e já conheci muitas pessoas. Sei reconhecer um pedido de fã. – explicou sorrindo – E aliás, eu tenho meus truques. – deixou o mistério pairar no ar.
...
- Agora conta tudo que fez nesses quatro anos! – Cami soltou a bomba de curiosidade em mim assim que voltamos pra sala de estar depois que eles foram embora.
- Ok, ok – disse por vencido me jogando no sofá enquanto elas me rodeavam. – Bom, assim que comecei a viajar, eu fui procurar no orfanato onde fui deixado. E descobri que a minha mãe era uma índia e que o meu pai também. Só que ele foi mordido antes de se tornar lobo. E minha mãe se transformou em loba 3 meses depois de reencontrar o meu pai já como vampiro. Ela sofreu imprinting por ele logo após sua transformação.
Elas chegaram mais perto com a curiosidade transbordando delas.
- Pós descobrir isso, eu fui procurar saber de que tribo eles eram. – continuei – E foi quando eu descobri que eles eram da tribo Quileute. Foi assim que eu vim parar aqui.
“Ao chegar aqui comecei a procurar tudo que conseguisse saber sobre a tribo e conseqüentemente, meus pais. Descobri que os Gonzáles e os Tupper [se lê Tãper] (a família da minha mãe) eram... como posso dizer... os mais poderosos entre as famílias que tinha os genes de lobo. Eles possuíam... dons, como os vampiros. E mesmo meu pai se tornando vampiro, ele ainda tinha os genes de lobo e de poderes da família Gonzáles. O dom dele se manifestou, mas o lobo interior continuou adormecido por causa da parte vampírica. E...”
- Qual era o dom dele? Você descobriu? – perguntou Fany já quicando no lugar.
- Deixa ele terminar de contar. Vocês estão atrapalhando o momento “Hora da História”! – disse Bia parecendo uma criança.
- Voltando... E o seu dom – enfatizei bem a palavra enquanto olhava significativamente para a Fany – era “mudar o rumo de um dom”. Por exemplo o dom da Jane, e antes que alguém me atrapalhe, sim quase todos eles tem dons. E já era pra vocês saberem disso, pensei que a Lili tinha contado a vocês (n/a lembram do dom da Lili? Então é por isso que ela sabe). O dom da Jane é a dor, ela causa a ilusão de uma dor com a mente. Mas enfim, então meu pai poderia mudar o rumo do dom dela, tipo; ela joga seu dom em cima da Bia, ele poderia mudá-lo pra a... Cami, ou até mesmo voltá-lo pro próprio dono.
“Minha mãe também tinha um dom. Ela podia multiplicar qualquer dom. Como aumentar a distância de alcance, colocar em várias pessoas, e etc.”
“Mas por causa dele ser um vampiro e ela uma guardiã, eles não aceitaram a união deles. Sem nem querer saber se ele era um Quileute ou se ela tinha sofrido imprinting. Porém, o amor deles falou mais alto, e eles fugiram de La Push. Como eles eram filhos únicos, as duas famílias não tiveram como manter a linhagem, por isso acabou sendo extintas há séculos atrás.”
“As duas famílias, além de poderosas, eram muito tradicionalistas e rigorosas, elas não aceitavam uma loba, ainda mais Alfa, se envolver com um vampiro, mesmo ele sendo da família. E saber que eles fugiram pra quebrar as regras, era humilhante. Então eles deram um jeito de ‘apagar’ eles das lendas Quileutes. E quando todos das famílias morreram, eles foram esquecidos.”
“Séculos se passaram e os meus pais foram completamente esquecidos, as famílias ainda são lembradas, mas como apenas uma família poderosa que foram ‘drasticamente’ mortas logo depois de saberem que seus filhos tinham sido ‘mortos’. Bom até eu nascer, mas ninguém sabe da onde eu venho e pretendo que continue assim, pelo menos agora. Os únicos que sabem da verdade são os anciãos e as matilhas. Mas acham que meus pais morreram há muito tempo. Mesmo eles sendo imortais, acham que eles morreram num incêndio no norte do Canadá.”
- Nossa! To chocada com tudo isso – disse Jhuly meio sem reação – Mas por que você não nos avisou quando descobriu tudo isso?
- Não sei. Acho que não queria atrapalhar a sua faculdade e a vida de todas vocês. E talvez, porque achei perigoso pra vocês. Por causa do segredo.
- Você nunca iria nos atrapalhar, eu largaria a faculdade, tudo por você. Você sabe disso, não é?
- Acho que falo por todas quando digo que você faz parte da equipe, da família. E por família fazemos de tudo. – falou Bina.
- Ok, ok – falei sabendo que não tinha o que retrucar – Mas vocês não vão querer saber se eu contei pra eles sobre vocês?
- Primeiro: se eles soubessem teriam falado alguma coisa quando vieram aqui. E segundo: eu sei que você nunca faria isso. – disse Jhuly.
- Ta, mas agora fale mais sobre eles. – pediu Lari.
- Ou seja, vocês querem que eu fale mais dos meninos por que vocês estão caidinhas, certo?
- Ai, que seja. Mas fala logo vai. – mandou Lili.
- Certo, certo. Por onde eu começo?... Ah sim. Bom vou começar conforme eu fui conhecendo, e logicamente que seriam os Quileutes.
“O primeiro que conheci foi o Seth, esse era conhecido como ‘bandeira branca’, porque antes de eu chegar ele era o único Quileute que os Cullen tinham afinidade. Acho que era pelo fato de ele não se importar por eles serem vampiros. E era o único que a Rosálie não chamava de cachorro, ele era... bem tratado. Ele é um cara super simpático, fiel, brincalhão, honesto, divertido, mas quando se trata de relacionamentos ele é mais romântico, super protetor, enfim... ele é, basicamente, um Edward moderno.”
“Bom, depois eu conheci o Embry, esse aí é do tipo mulherengo, ele gosta mesmo é de curtir. Ficou um pouco mais calmo depois que sua mãe morreu, mas ainda assim, depois de um tempo, voltou a curtir só que com um pouco mais de responsabilidade. E apesar de tudo isso, ele cumpri seus deveres e obrigações. É sempre pontual em seus compromissos e nunca faltou a uma única ronda. Sabe das suas responsabilidades como lobo. Porém, é um cara extremamente brincalhão, divertido e palhaço.”
“Depois eu conheci o Alec, esse aí já viveu muito, tem quase mil anos. Ele é um cara do tipo ‘na dele’, que se entedia fácil, super sarcástico, sua melhor amiga é a Nessie (Renesmee), mas que mesmo assim odeia que a mesma fique lendo a sua mente, ama a irmã Jane e sempre que pode gosta de perturbar o Jake. Um dos vampiros mais perigosos do mundo, é um ex-Volturi.”
“Agora vem os três encrencas, vulgos Brian, Luke e Colin, esses três odeiam ser lobos, detestam os vampiros e vivem se metendo em confusões. O único que eles permitem dar uma opinião sou eu, já consegui ‘amenizar’ um pouco a situação, mas não foi grande coisa. Eles são leais, e são da matilha do Sam porque não admitem ter que ficar acompanhando o Jacob até a casa dos Cullen.”
“Bom, pouco tempo depois de eu entrar pra esse circo, chegaram os irmão Felipe e Lyon Brigs, eles são recém-criados, foram encontrados pela Alice, a Nessie e a Jane quando elas foram fazer compras em Seattle. São muito responsáveis. O melhor amigo deles  é o Alec, os três juntos é um saco, pois o que tem em comum é o tédio. Tem também uma ótima amizade com o Seth e o Embry.”
“A Jane é a irmã gêmea do Alec, ela mudou muito após sair dos Volturi. Uma mini Alice, mas que ao contrário da mesma respeita o gosto de cada um e sabe controlar-se nas compras. Tem um gênio forte, ama o irmão e se da muito bem com a Rosálie. Ela foi adotada pela mesma e o Alec foi adotado pela Alice. Nos damos muito bem.”
“Já Renesmee é uma garota alto astral, namora o Jake e ama perturbar o Alec lendo os pensamentos dele, tem como dons ler mentes e transmitir seus pensamentos, apesar de tudo confia plenamente nos gêmeos, principalmente no Alec. É a princesinha da casa, tem um estilo próprio, que favorece tanto a Alice quanto aos seus pais. Mas também é uma garota sensível e vulnerável.”
- Nossa, acho que vamos nos dar bem com eles. – disse Bia.
- Concordo com a Bia. Mas eu gostaria de saber como é a Leah. Não sei, ela me parece... interessante. – pediu Jhu.
- Bem, ela já sofreu muito, era namorada do Sam até que ele virou lobo e sofreu imprinting pela prima dela, a Emily. E quando o pai dela morreu, ela ficou arrasada, não passou muito tempo e ela virou loba também. Virando uma mulher chata, ignorante, irritante e insuportável. Tudo isso é apenas fachada pra que ela não sofra mais e pra que ninguém tenha pena dela. Ultimamente ela se tornou mais amigável a partir do momento que deixou as pessoas se aproximar e se tornou muito amiga da Nessie e da Jane.
- Nossa espero que ela seja feliz e encontre alguém pra curar esse coração dela. – falou Mily comovida com a história.
- Agora conte sobre o resto do pessoal. – pediu Fany.
- Ok, bem os Cullen são...
E assim eu fui contando sobre o resto do pessoal, sem deixar nada passar e contando sobre o dom de cada um.
...
- Bom meninas, acho melhor eu ir. Porque tenho certeza que os seus “vizinhos” estão querendo uma explicação mais... "expecífica" sobre vocês. – disse fazendo aspas no ar.
- Tudo bem. Depois conversamos de como foram os nossos anos sem você. E boa sorte com eles. – falou Jhuly enquanto me acompanhavam até a porta.
- Valeu. E olha que eu vou cobrar, em?

Saí da casa delas. E não precisava ser vidente ou um leitor de mentes pra saber que estavam todos na casa dos Cullen me esperando para dar “explicações”. Aff, eu mereço.

Subi as escadas de entrada da mansão e abri a porta. E como eu esperava estavam todos reunidos me esperando. Assim que adentrei a casa aqueles cheiros azedos e doces invadiram as minhas narinas.
O problema de ser metade vampiro e metade lobo é que nem um nem outro tem cheiro bom. O lado vampiro insiste em acreditar que os lobos fedem. Fazendo com que eu sinta esse cheiro variado de azedos. E o lado transmorfo insiste em acreditar que os vampiros fedem. Assim, faz com que eu sinta essa variedade de cheiros doces.
A única que tem um cheiro incrível é a Jane. O que é estranho, pois ela é uma vampira. Mas pra mim ela cheira a lavanda, flor de laranjeira e maracujá.
E outra que não cheira tão ruim assim é a Nessie. Que tem um cheiro bom por causa da sua parte humana.
Mal tive tempo de entrar e a Jane já me fuzilava com os olhos. É sério, ela usando essas roupas e com essa carinha de anjo fica ainda mais horripilante quando faz essa de assassina/psicopata. Sorte que sou amigo dela, porque não queria estar na pele de um inimigo seu.
Sentei-me numa poltrona de frente pra eles.
- Ta legal... Dizem logo que vocês querem saber! – disse batendo as mãos e esfregando-as uma na outra.
Instalou-se um silêncio depois que eu disse aquilo, e isso estava deixando um clima tenso no ar.
- Já chega. Olha, eu já cansei desse silêncio e essa curiosidade está me matando! Então Diogo, diz logo o que elas sabem sobre nós. – disse Jake já explodindo de curiosidade.
- Vocês querem saber o que? Se elas sabem que vocês são vampiros e transmorfos? Que Nessie é uma híbrida? Ou que eu sou um híbrido? – eles balançaram a cabeça em sinal positivo – Não, elas não sabem o que somos. – não gosto de mentir, mas era preciso pra protegê-las.
Vi muitos deles soltarem o ar que estavam prendendo. Num sinal de alívio.
- Mas agora eu é que quero saber esse papo de que o Alec, Felipe e Lyon tiveram ligação (n/a gente é o mesmo que impressão só que só acontece com vampiros) e o Seth, Embry, Luke, Brian e Colin sofreram imprinting pelas meninas.
Pós eu dizer isso, os oito ficaram rígidos.
- É... é... q-que... – Seth tentava se explicar.
- É... Ah qual é, cara? Não foi nossa culpa isso ter acontecido! – falou Embry com medo da minha reação.
- Mas por que você ta agindo assim, mano? Você nunca foi de dar um de super protetor com garotas. – disse Paul.
- Ah, você ta afim daquela tal de Jhuly, não é? – disse Emmett com cara de malícia.
Vi que a Jane não gostou nada, nada dessa suposição do Emm.
- Não, cara. Mas eu cresci com elas. Sempre as protegi. E elas sempre me apoiaram em todas as minhas decisões. Se elas fossem qualquer uma, elas não teriam nem falado comigo por ter sumido. Mas não elas nem me perdoaram depois que vocês foram saíram, porque como o que elas disseram, não tinha o que perdoar. – disse a eles. Agora direcionando o meu olhar aos oito que acham que vão ficar com elas tão fácil assim. – E quero ter a certeza que vocês não vão magoá-las. Porque elas são muito importantes para mim. Principalmente a Jhuly, ela é como a minha irmã mais nova. Já sofreu demais na vida e não vou admitir que a machuque. – disse olhando severamente para o Alec.
- Como sabe que sou eu? – ele perguntou.
- Primeiro: porque eu conheço muito bem elas e conheço vocês o suficiente para saber quem é de quem. E segundo: pois você foi o que ficou mais tenso quando eu disse o nome dela e quando o Emmett disse que eu era afim dela.
Ele abaixou a cabeça como uma confirmação do que eu disse.
- Então você é contra? – perguntou-me Lyon com o olhar triste, igual aos outros garotos.
- Não, porque eu não quero separar vocês das suas “alma gêmeas”, também porque eu quero ver vocês felizes e elas também. – eles já logo ficaram esperançosos. – E porque quero ver vocês tentarem conquistá-las. Pois, vai por mim, com ou sem imprinting e ligação, não vai ser nem um pouco fácil conquistá-las. Uma dica, elas gostam de... originalidade. Vocês têm que... surpreendê-las. – falei sorrindo e colocando os braços atrás da cabeça encostando-se ao sofá.
- Mais alguma dica? – perguntou Felipe empolgado.
- Deixa eu ver... Ah, não façam ou digam algo que vocês não querem que as outras saibam, pois podem acreditar que logo as outras estarão sabendo, elas não escondem nada umas das outras. E que fique bem claro que se vocês fizerem qualquer coisa que magoe, humilhe ou enraiveça uma delas, podem se preparar se preparar que as outras vão matar o louco que fez isso. Elas sempre estão juntas; e nunca, me ouviram bem, nunca as desafie. Pois pode ser o que for, elas acham um modo de vencer. Outra coisa elas detestam homens ciumentos, e jamais tente seduzi-las por ciúmes, elas não caem nessa. Não se dêem de difícil, de garoto que sai com muitas e que tem a agenda cheia. Elas não são garotas que deixam a fila muito tempo parada se o cara não agir. Mas não sejam fáceis demais, porque assim elas irão se cansar e partir pra outra; elas gostam de novidades. E não gostam que ninguém se sinta superior que os outros e que nem humilhe.
Continuei:
- Não tentem armar pra cima delas, tipo: fazer apostas de quem fica com quem primeiro. Pois elas são vingativas e irão fazer vocês sofrerem lenta e dolorosamente. Sejam vocês mesmos, elas não suportam quem tenta ser outra pessoa. E não pense que vão conseguir enganá-las. E quanto mais vocês as enganarem pior irá ser pra elas pensarem em perdoá-los. E quando forem contar a verdade para elas tem que ser separadamente ou vocês irão ficar tensos com elas juntas, mas tem que ser ao mesmo tempo. Se não uma vai contar pra outra. E um último aviso pra vocês – falei – Tomem cuidado com elas. A Mily é a mais princesinha do Trio Dourado (composto pelas gêmeas e a Beatriz), mas ainda faz parte dele, e a Bia é a líder entre as três. E Beatriz + Camily + Cameron = a muita confusão. E não se enganem com a carinha de anjo de nenhuma delas principalmente da Lari e da Lili. Aquelas garotas podem ser seu inferno pessoal se elas quiserem. E vocês oito olhem o que vão fazer com elas. Podem parecer o que for mas são garotas e são sensíveis. Se qualquer um de vocês as magoarem, eu juro que não respondo por mim. Elas são tudo o que eu tenho, são a minha família e espero que respeitem isso.
Depois de terminar o meu discurso é que fui perceber que todos estavam mais afastados, e só os oito é que estavam perto de mim para escutar o que eu tinha que dizer.
- Gente eu já acabei, podem ir. Eu não sou pai delas pra vocês me pedirem permissão. E elas sabem se cuidar melhor do que vocês pensam. E eu só quero que vocês pensem antes de agir.

Após eles saírem percebi que Jane tinha ido lá pra fora com uma cara tristonha. Resolvi ir ver como ela está.
- Jane? Você está bem?
- Que?... Ah! to sim, não se preocupe. – disse dando um sorrisinho triste.
- Não, você não está legal. Eu te conheço e percebi que você não está a mesma desde quando eu apareci na casa das meninas. Só te peço que me explique, eu não gosto de te ver assim.
- É que... que... Bem, é que eu vi a intimidade que você tem com a Jhuy...
- Jane... Linda olha pra mim – falei puxando seu rosto para que me olhasse. – Eu e a Jhu temos sim uma intimidade, pois crescemos juntos e sempre contamos tudo um pro outro, ela é minha melhor amiga, e a considero como uma irmã que eu amo muito e que posso sempre contar. Sempre que preciso ela estava lá comigo me apoiando no que fosse que precisasse. – ela me deu um sorrisinho tímido. – Agora vem cá e me dê um sorriso descente que eu tanto gosto. – ela me deu uma gargalhada gostosa e me abraçou.
É... quero ver quando todos eles descobrirem tudo. Mas o melhor é dar um passo de cada vez e deixar a música rolar conforme se deve.

N/A gente eu vim aqui mostrar a foto de quem é a nossa Nessie porque eu não coloquei antes. Ok? Beijinhos!
 
E aí?O que acharam?Eu to perdoada?Vocês ainda me amam?respondam por favor!Eu quero reviews!Gente qualquer dúvida podem perguntar pelo review mesmo ou me mandar uma MP, ok?O aviso é o seguinte:Essa fic eu posto em um outro site também!Que sei que muitos conhecem é o TBF!E gostaria de pedir pra quem tem conta lá, dar uma passadinha na fic de lá e comentar!Pois diferente de vocês, lá eu não tenho praticamente nenhum coments e isso me deixa muito triste!A maioria é fantasma!Ok? Quem puder comentar lá e me deixar feliz eu agradeço desde já!Beijinhos e Carinhos!

3 comentários:

Oi esta perfeito quero so ver como vai ser rsrsrs
quando eles descobrirem, nao demore blz.
bjs bjs and.

ufa.... consegui ler todos os caps ainda hoje
kkkk
eu to amando sua fic
parabéns viu?
tah muito boa e por favor
porsta o próximo cap rapidinho vai?
Beeeijos

oi linda eu to ate agora rindo da cara deles pois as meninas sao feras;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;
a cada cap eu me apaixono mais pois a magia esta no ar
e vc esta de parabens querida
beijosss

Postar um comentário

Não esqueça de comentar, isso incentiva os escritores e também a mim que tento agradar a vocês.