23 de jun de 2010

Capitulo 10

Posted by sandry costa On 6/23/2010 3 comments


*Reneesme P.O.V. *
Já era de manha e eu desci pra tomar café, só tinha Esme na sala, acho que eu acordei muito cedo.
Esme: Bom dia bebê! – ela me disse sorrindo.
Reneesme: Bom dia Esme, como foi o plantão?
Esme: Ahn... Normal. – ela ta escondendo alguma coisa. – Sabe cansativo, é melhor eu ir dormir.
Reneesme: Sei dona Esme, to de olho.
Esme: Ai ai só você bebê. – ela disse subindo e rindo.
Ela pode ter desconversado, mas algo aconteceu, ela tinha um brilho diferente nos olhos, algo que eu não via há muito tempo.
Eu tomei meu café, me arrumei e desci, já estava chegando na garagem quando alguém me puxa pelo punho e me faz bater em uma parece de músculos só podia ser...
Jacob: Oi.
Reneesme: Hei. – era difícil me controlar tão perto dele.
Jacob: Acordou cedo?
Reneesme: Fui a 1ª.
Jacob: Tudo isso pra elas não te deixarem?
Reneesme: Que nada. É pra pegar a minha moto, se elas tivessem acordadas não deixariam, acham que eu vou me machucar. Mas porque você acordou cedo? Veio roubar a minha moto pra me fazer ir com você?
Jacob: Não, mas acho que suas amigas têm razão, VOCÊ – ele apontou pra mim. – andar de moto deve ser muito perigoso.
Reneesme: Quer apostar corrida?
Jacob: Claro. – ele me puxou pela cintura e me deu um selinho. – Boa sorte.
Reneesme: Você que vai precisar. – eu falei depois do transe “ele me beijou”.
Eu peguei minha moto e saímos correndo, combinamos que a linha de chegada era o portão do colégio.
Estávamos lado a lado o percurso todo, mas quando estávamos chegando perto do colégio eu coloquei um turbo na minha moto e disparei na frente.
Eu cheguei antes, mas a razão de eu não usar o turbo com muita freqüência é porque às vezes ele trava, e por isso que ninguém me deixa usar a minha moto. E às vezes parece que você só consegue algo bom, se depois acontecer algo ruim. Então eu acabei perdendo o controle da moto e acabei caindo num gramadinho da escola que amorteceu a minha queda. Sorte que eu estava de capacete. Minha moto quase capotou, deu umas viradas bacanas e eu rolei na grama. Eu simplesmente fechei os olhos porque era insuportável saber que a voz estava se aproximando e com ela ele também estava.
Jacob: Nessie tudo bem? – ele falou soando muito preocupado. Eu não abri o olho. – Nessie fala comigo, por favor!
Ele parecia que ia chorar e eu não podia deixar isso.
Reneesme: Eu to bem. – eu falei com os olhos ainda fechados.
Jacob: Algo dói?
Reneesme: Além dos meus ouvidos por terem que ouvir a sua voz, meu corpo, sendo que meus joelhos e cotovelos doem mais.
Jacob: É estão ralados. – ele ignorou totalmente a minha piadinha.
Reneesme: SÉRIO! – eu falei abrindo os olhos e o encarando. Ele estava muito preocupado. Jake. – eu falei com a voz embargada e ele parou de respirar. – Meu bebê esta bem?
Jacob: Sério Reneesme? Eu aqui preocupado com você e você se preocupa com aquela lata-velha? – ele ficou irritado.
Reneesme: 1º Meu bebê não é uma lata-velha. 2º Se fosse a sua moto eu aposto que você faria um escândalo pior. 3º Ninguém te pediu pra ficar preocupado. 4º Não grita comigo, eu to sangrando! – eu apontei pros meus joelhos.
Jacob: É mesmo. – é mesmo o que? – É melhor eu te levar pra enfermaria.
Reneesme: Não precisa. Na minha bolsa tem gaze e band-aid. – ele nem ouviu, só começou a passar os braços em baixo das minhas pernas pra me levar no colo. – Meu bebê ta caído. – eu falei esticando a mão.
Ele foi até onde minha moto estava caída, pegou ela e colocou num lugar do estacionamento do lado da moto dele.
Jacob: Pronto? – ele falou se aproximando.
Reneesme: Depois ela vai ter que fazer terapia porque um brutamonte tocou nela. – ele me encarou enquanto se abaixava pra me pegar no colo.
Jacob: Para de drama menina.
Reneesme: Eu tenho nome sabia. – eu falei já no colo dele.
Jacob: Sério? Qual? – ele se fez de cínico.
Reneesme: Reneesme Carlie.
Jacob: Então senhorita Reneesme Carlie, como estão os machucados?
Reneesme: Precisa lembrar? – eu falei virando a cabeça pra trás.
Jacob: Estão doendo muito?
Reneesme: Não, mas o tanto que eu vou ter que ouvir por causa disso. Você não faz idéia.
Jacob: Pelo menos quando eu dirijo você não se machuca.
Reneesme: É, mas quem ganhou?
Jacob: Eu deixei você ganhar.
Reneesme: Vai se fuder! – eu não tinha me machucado só pra ele dizer que tinha me deixado ganhar.
Jacob: Calma, só brincando, você foi muito bem, quando você me deixar dar um jeito naquela lata... Moto, eu quero revanche.
Reneesme: Você não vai encostar um dedo na minha moto!
Jacob: Então quem vai concertá-la? Porque se você não percebeu você tem um problema com o turbo.
Reneesme: A minha mecânica, a Rose.
Jacob: A loira? – eu concordei e ele riu. – Sério me deixa dar um trato na sua moto e ai sim vai ser seguro a gente apostar.
Reneesme: Não.
Jacob: Eu só corro com você se você me deixar dar uma olhada nela antes e pensa como seria bom me derrotar duas vezes.
Ele me convenceu, não só pelas palavras, mas por estar falando as no meu ouvido e baixinho. Assim eu não resisto!
Reneesme: OK, mas pode confessar que só que é se aproveitar do meu bebê. Por que a minha moto é de mais!
Enfermeira: Oh Meu deus! O que aconteceu?! – ela ficou espantada.
Reneesme: Meio que um acidente.
Enfermeira: Você e suas amigas estão apostando de novo?
Reneesme: Não! – ela me encarou enquanto Jake me colocava na “caminha” da enfermaria. – Elas não. Foi só uma corrida.
Enfermeira: E você foi o culpado por isso? – ela encarou o Jake.
Reneesme: A culpa não foi dele, alias se não fosse ele eu nem ia conseguir chegar aqui. – eu levantei meus cotovelos mostrando os machucados.
A enfermeira cuidou dos meus machucados e Jake não saiu de lá hora nenhuma, me ofereceu tantas vezes pra segurar a mão dele se doesse que eu quase chutei a mão dele!
Nós saímos da enfermaria e a escola já tinha enchido (estava vazia quando nós chegamos.).
Reneesme: Hora de ouvir. – eu falei enquanto nós rumávamos para a sala.
Jacob: Aposto que elas vão ME culpar.
Reneesme: Tomara. – eu disse sorrindo.
Eu cheguei na sala em silencio, tentei fazer o mínimo de barulho possível, consegui chegar até a minha cadeira sem ninguém me notar, mas Bella me olhou de relance e quando reparou meus machucados ela estava na verdade encarando o Edward (topetudo). Ela abriu a boca num O, e nem conseguiu falar nada, eu abaixei a minha cabeça.
*P.O.V. Rosalie*
Emmett ainda tentava arrancar uma única palavra de mim, mas eu não ia desistir tão cedo. O caminho até a escola eu tinha feito calada, e olha que ele que tinha ido me buscar. Mas não quer ouvir minha voz, não vai ouvir! Ele pedia sempre uma palavra, uma única palavra. Mas ele não disse que eu só falo a mesma coisa? Então pra que ele quer que eu fale?
Eu me virei e ele achou que eu ia falar com ele, mas eu ia dar uma olhada pra ver se meu bebê tinha chegado, eu estava ficando preocupada. Eu olhei pro lado e vi Bella de boca aberta e vi que Nessie já tinha chegado, mas estava machucada!
Rosalie: BEBÊ!!!
Eu fui correndo até o lado da cadeira dela e me ajoelhei do lado, Bella ficou ao meu lado ajoelhada e Lice em pé atrás de nós.
Bella: Bebê tudo bem?
Alice: Bebê fala com a gente!
Reneesme: Eu to bem! – ela falou irritada.
Rosalie: O que você fez com ela? – eu olhei pra aquele garoto moreno bombado que gosta (eu sei que ele gosta!) da Nessie.
Reneesme: Ele não fez nada.
Rosalie: Bebê não precisa proteger ele.
Bella: E você não falou se esta bem.
Jacob: Sabe qual é o problema dela? Vocês. Dêem um espaço pra garota!
Rosalie: Você se acha né bombadinho? Mas escuta uma coisa, você não entende, você não sabe, você não conhece o nosso BEBÊ! – eu tinha me estressado, quem é ele pra falar do que não sabe?
O professor chegou quando eu acabei de falar, o Jacob tinha uma cara de assustado no rosto e eu fui me sentar.
Emmett: Tudo bem Rose? – tadinho parecia preocupado. – Fala comigo! Desculpa eu ter falado aquilo, eu não pensei que você podia ficar sabe... Chateada. Desculpa.
E depois se fez um silencio, parte porque estava todo mundo copiando o que o professor estava escrevendo, e parte porque a voz que eu queria ouvir me confortando estava calada. Eu não agüentei, aproveitei que o professor estava virado para o quadro e ia ficar assim por um bom tempo e me virei pro Emm, ele estava de cabeça baixa.
Eu cheguei bem perto do ouvido dele.
Rosalie: Emm? – ele levantou a cabeça e a apoiou nos braços me encarando. – Eu sei que eu fui dura e...
Ele colocou o dedo na minha boca me calando.
Emmett: Ó anjo, obrigado por falar, obrigado por me dirigir suas sagradas palavras saídas dessa boca que eu amo tanto beijar.
Rosalie: Eu já disse que tu és um poeta? Pois tu és o poeta cujas palavras se comparam com seu lindo sorrindo, me fazendo questionar o que me faz sorrir mais.
Ele sorriu o sorriso de covinhas, e ficamos nos encarando até que o professor chamou todo mundo pra olhar pra ele porque ia explicar a matéria.
*P.O.V. Esme*
Eu estava exausta dormi a manha toda. Já era meio-dia e eu tinha acabado de acordar, mas apesar de cansativo o plantão foi muito bom. Claro, o doutor delicia também estava de plantão. Bem o nome dele é Carlisle, mas todas chamam ele de doutor delicia, claro que quando ele não está ouvindo. Mas ele é lindo, eu sei que uma mulher da minha idade babando por um homem que nem uma adolescente é meio irreal, mas só vendo ele pra entender. Ele é loiro, tem olhos dourados, é inteligente, Forks tem tanta sorte em tê-lo como medico e ontem eu descobri o melhor, ele é SOLTEIRO! Não que eu vá me jogar em cima dele, mas pelo menos eu tenho uma chance.
Eu estava fazendo o almoço quando as meninas entraram.
Rosalie: Nem adianta! Você não vai andar mais naquela moto!
Reneesme: Rose eu sei que você consegue concertá-la a ponto de deixá-la segura até pra um ovo!
Bella: Não vai!
Reneesme: Bella! Até você? Alice me ajuda!
Alice: Nem vem, dessa vez eu concordo com elas.
Reneesme: Ah, é assim. Da próxima vez que vocês quiserem companhia para ver filmes de época – aposto que ela estava apontando pra Bella, eram as únicas que gostavam desse tipo de filme. – ou para fazer compras – programa favorito da Lice. – ou mexer nos carros – com certeza Rose, elas passavam horas na garagem. – NÃO CONTEM COMIGO!
Ela subiu e bateu a porta do quarto, as outras vieram me dar boa tarde e ver se eu queria ajuda no almoço, mas acabaram subindo também.
*P.O.V. Jacob*
Eu estava preocupado com o que a loira falou, como assim você não sabe? Tem alguma coisa que a Nessie esta me escondendo e eu vou descobrir!
Ela entrou no quarto totalmente estressada, se jogou no sofá e acho que ela esta chorando. Eu peguei meu celular e liguei pro dela, todos tínhamos pego os celulares das nossas vizinhas, porque nunca se sabe o que pode acontecer.
Reneesme: Alô? Sniff.
Jacob: Alo, Nessie?
Reneesme: Sim, sniff. – ela se levantou e me deu um tchau tentando sorrir um pouco.
Jacob: Tudo bem?
Reneesme: Tudo, por quê?
Jacob: Por que será que você se machucou hoje. Não se lembra?
Reneesme: Ah é. Eu to bem.
Jacob: Sério, não precisa de nada. – eu estava preocupado com ela.
Reneesme: To sim Jacob. – ela falou rispidamente.
Jacob: Não quer minha ajuda pra nada não, sabe você se machucou e você sabe...
Reneesme: Eu sei o que? – ela já estava bem irritada. – Eu sou frágil e indefesa? Cara eu não agüento mais! Até você?
Jacob: Como assim? Eu só quis te ajudar.
Reneesme: Mas eu não quero a sua ajuda. – ela se levantou pra fechar a cortina. – Nem a de ninguém. – ela sussurrou, fechou a cortina e desligou o celular na minha cara!
Eu estava chocado, até que a loira pode ter razão. Tem alguma coisa dessa menina que eu não sei, mas eu vou saber! Eu vou ajudá-la até se ela não quiser.
Emmett: JACOB BÓIA!! – ele gritou lá de baixo.
Jacob: Já to indo! – eu gritei descendo pra comer.
*P.O.V. Carlisle*
Como diz Edward, eu sou sortudo! Mal cheguei na cidade e já encontrei uma mulher maravilhosa, Esme. Ontem no plantão nós ficamos conversando, já que não teve muito movimento. Ela além de ser linda, é inteligente, sensível e muito mais! Eu ainda não sei direito onde ela mora, mas eu vou descobrir, assim como o telefone dela. Ela me contou que mora com mais 4 meninas, adolescentes, que devem estudar na mesma escola que o Edward, o Jasper, o Emmett e o Jacob, alias é a única escola de Forks. Mas ela falou de uma forma tão carinhosa, tão maternal, que parecia ser a própria mãe delas. A relação delas parece a minha com os meninos. Posso não ser o verdadeiro pai deles, mas quando eles precisam é pra mim que eles vêm correndo. E Esme é assim, ela põe os problemas das “filhas” antes dos delas, mas ela me falou uma coisa que me deixou intrigado. Ela me falou que as meninas eram tão novas, mas já viviam tantos dramas e desde pequenas. Esses adolescentes de hoje em dia estão cada vez mais vivendo e se preocupando com problemas de adultos.
Emmett: PAPAI! – Emmett já se acostumou a me chamar de pai, mas quando ele grita PAPAI é que tem alguma coisa errada.
Jacob: Emmett ele não é seu “papai”! Ele nem tem idade pra ter um filho da sua idade e do seu tamanho.
Carlisle: Mas eu considero todos aqui meus filhos, vocês sabem, né?
Edward: Nós sabemos, só não sabemos o porquê de você estar tão avoado.
Emmett: Aposto que é mulher!
Jacob: Emmett! – ele o repreendeu, mas era verdade.
Jasper: Dessa vez acho que o Emm pode estar certo, olha como ele ficou vermelho.
Edward: É mesmo! Ele ta ficando cada vez mais vermelho.
Carlisle: Eu ainda estou aqui!
Emmett: Então fala quem é?
Carlisle: Não é ninguém. – eles me encararam. – Ta bom, é uma médica.
Todos: AHN!!!
Carlisle: A gente trabalha juntos e só.
Emmett: Mas você queria mais, né?
Jacob: Emmett.
Emmett: Que é? É verdade, olha a cara dele!
Edward: É, mas tem uma forma mais educada e sutil de se perguntar. Tipo, mas Carlisle já rolou alguma coisa?
Jasper: Super sutil, Ed!
Carlisle: Não rolou nada! Eu nem sei onde ela mora. Eu só sei que ela mora com 4 meninas aqui em Forks há um tempo.
Jasper: Por acaso são: Alice, Bella, Rosalie e Reneesme?
Carlisle: Acho que é isso mesmo.
Todos: AH!
Carlisle: O que?
Jacob: Elas moram aqui na frente! Você nunca reparou, o seu quarto deve ser de frente para o dela.
Carlisle: Eu sempre deixo minha cortina fechada, mas já que vocês conhecem as companheiras de casa dela, vocês podem me dar o telefone dela. Vocês têm né?
Edward: Aqui Carlisle. – ele me entregou o papel com o numero, logo após o almoço.
Claro que seria o Edward a ter o telefone, ele sempre foi o responsável. Eu moro com os meninos há um bom tempo, os pais deles sempre foram tão problemáticos que eu como um amigo das famílias quis me responsabilizar por eles. Mas no ano passado eles se meteram em encrenca com uns meninos da nossa antiga cidade, aí nós tivemos que nos mudar.
Alice: Alô?
Carlisle: Alô, ai é a casa da Esme? – eu perguntei ao ouvir uma voz desconhecida, e pra ter a prova de que os meninos não quiseram só me zoar.
Alice: Sim, quem deseja?
Carlisle: É o Carlisle.
Eu pude ouvi-la gritar pelo telefone.
Alice: ESME, é o doutor deli...
Esme: Alice!! Desculpe-me Carlisle, Alice é meio... Doida.
Carlisle: Tudo bem.
Esme: Então... – ela falou e eu lembrei, era eu que tinha ligado, mas eu esqueci de ver o que eu ia falar.
Carlisle: É... Será que você gostaria de sair pra jantar hoje comigo? Claro se estiver livre e não for te atrapalhar com o hospital.
Esme: Não, vai ser ótimo, amanha eu só entro a uma da tarde.
Carlisle: Eu também. Eu te pego as 8?
Esme: Claro, pode ser. – ela tentou esconder o entusiasmo, mas não consegui muito bem.
Carlisle: Até as oito então.
Nos despedimos e eu percebi que os meninos não estavam escutando a minha conversa, estranho. Alguma eles estão aprontando, mas hoje eu não vou me preocupar. Alias depois de muito tempo Carlisle Cullen tem um encontro! E, diga-se de passagem, com uma mulher incrível.

 Fanfic escrita por Laura

3 comentários:

ai laura eu qeria o dr delicia pra mim ...........nossa q lindo estou amando sua fic ela e linda e divertida uma leitura agradavel parabens :N

Nem vem Ze o dr delicia já tem dona, e nem é a esme, ne lala kkkk
eu vi primeiro kkkkkkkk
lala ta lindaaa :q
parabens:n
bjss:t

Ai q fofo! o Jake todo preocupado e a nessie so na patada! eta. dr delicia eh boa! :d Ameeeeeiiiii :n

Continuaaaaaaaaaa!

By: Aya/Bruh...

Postar um comentário

Não esqueça de comentar, isso incentiva os escritores e também a mim que tento agradar a vocês.