14 de jul de 2012

Capítulo 29 Turning Page

Posted by Dany Rocha On 7/14/2012 No comments


Apenas a luz no centro da ampla e escura sala a iluminava fracamente, mais precisamente iluminava a Aro Volturi sentado a uma cadeira de mármore e com as mãos presas por algemas às costas dessa última. Seu “bando” estava preso no presídio de segurança máxima dos Estados Unidos, porém Aro ficara na CIA de NY por ordem maior de Alexa Queen, mulher na qual o vigiava através de câmeras instaladas em tal sala que servia como cela para o italiano. Ele não esboçava nenhuma reação perante a tudo ao que aconteceu ou perante a sua atual situação.

Após a CIA ter feito Aro dizer onde estava à chave necessária para ligar individua tecnologia de alto risco, Matthew e Eleazar foram mandados novamente a Itália para a recuperarem; ambos haviam chegado há pouco tempo com o objeto tão precioso e perigoso em mãos.

— O que faremos com ele? — O moreno Matthew perguntou com uma sobrancelha arqueada observando o Volturi pela tela de um computador no qual fora ligado a câmera que estava instalada a cela.

— Ainda estou divagando. — Alexa respondeu semicerrando os olhos.

— Talvez devêssemos mandá-lo para os urubus. — Sugeriu Eleazar.

— Até urubus merecem algo melhor para se alimentarem. — A voz feminina e confiante surgiu da porta do escritório de Alexa. Os três presentes ali se viraram para ela.

— Isabella, não esperava encontrá-la por aqui. — Alexa inclinou alguns centímetros à cabeça para a direita. — Soube de Edward, sinto muito. — Lamentou.

— Eu também. — Sua expressão sempre séria e em seus olhos a determinação transbordava. — Aro? — Gesticulou com o queixo desenhado em linhas perfeitas a direção da tela do monitor.

— Sim. — Alexa.

— Terminou de divagar sobre o que irá fazer com ele ou eu posso sugerir algumas coisas? — Perguntou puxando o lado direito de seus lábios em um sorriso sombrio.

— Estava pensando em mandá-lo para o presídio de segurança máxima como fizemos com os outros, mas ainda estou em duvida. — Cruzou as mãos sobre a mesa.

Matthew e Eleazar apenas assistiam as duas conversarem.

— Qual seria a outra opção? — Cruzou os braços sobre os seios.

— Morte. — Os rapazes ali presentes olharam em direção a Alexa que não desviava seus olhos da Cullen que parecia pensativa, mas que por fim perguntou em um tom de voz cortante:

— Morte dolorosa ou apenas morte?

— O que sugere? — Se inclinou sobre a mesa e arqueou uma sobrancelha.

*~*~*

Não que ela já houvesse matado alguém, mas ao se tratar de um monstro como Aro Volturi não era preciso se preocupar com a consciência.

O italiano — ainda dentro daquela cela escura que era pouco iluminada — estava amarrado por uma corrente em seus pés de cabeça para baixo e com a metade de seu corpo dentro de um tanque d’água, estava ali dentro provavelmente por uns 10 a 15 segundos. Bella olhou para Matthew e assentiu, o mesmo puxou para cima uma alavanca e Aro começou a subir novamente, quando sua cabeça já estava sobre a superfície ele ofegou e os praguejou loucamente.

Aquela fora a sexta vez que Bella o fez passar por desespero debaixo d’água. Ela suspirou e sentou-se a cadeira onde ele estava anteriormente. 

Lembranças da situação na qual Edward se passava invadiu sua mente e sem pensar duas vezes ela se levantou, pegou uma arma que se encontrava em sua cintura e mirou na coxa esquerda de Aro, o Volturi fechou os olhos e teve tempo apenas de gritar. 

— Jogue-o no chão. — Ordenou a Matthew. — Eleazar? — Chamou o Denali que observava tudo quieto encostado a parede em uma das extremidades escuras da cela. Ele apareceu ao seu lado carregando um bastão. 

Aro já se encontrava ao chão quando Eleazar se aproximou dele e começou a sessão de agressões com o objeto em questão nas mãos. Aro gritava e se contorcia de dor, havia sangue por varias partes de seu corpo.

— PAREM! — Gritou colocando as mãos algemadas sobre a cabeça. — MATEM-ME LOGO! — Implorou e Bella levantou a mão para que Eleazar parasse com as tacadas. Ela se aproximou de Aro e colocou o pé sobre seu o órgão genital.

— Seria fácil demais. — Dito isso pisou naquela região com força fazendo Aro gritar mais uma vez. — Matthew, devolva-o para o tanque d’água, buscarei a arma de choque. — Aro arregalou os olhos e Isabella caminhou em direção à porta, mas não sem antes ouvir um grito de súplica de Aro:

— Isabella! Não, por favor! ISABELLA! 

— Por mais que você tenha trocado de sobrenome não significa que você deixará de ser uma Swan Isabella, lembre-se, assim como todo Volturi é covarde, toda Swan é fracassada e é exatamente isso que você é.

— E agora, quem é o fracassado Volturi?

*~*~*

Noite passada Bella ficou como acompanhante de Edward no hospital e essa manhã Esme tomou seu lugar. A morena aproveitou para ir a sua e a casa de Edward, a “Casa de Vidro” como Alice a chamava e tomou um banho, depois tentou descansar, mas Edward não saia de sua cabeça, então achou melhor se arrumar e ir até CIA, porém já era quase crepúsculo quando ela retornou para o hospital e trocou de lugar com a adorável Esme. 

— Bella meu plantão termina agora, mas me ligue caso aconteça qualquer coisa, tudo bem? — Carlisle segurou em suas mãos e ela assentiu.

— Fique tranquilo Carlisle. — Ele abriu um pequeno sorriso e Esme se despediu dela com um abraço, depois os dois foram embora. Bella seguiu pelo primeiro andar do hospital e entrou no quarto ao qual pertencia a Edward, ela fechou a porta e se virou para ele. Seu coração doeu, foi como se alguém tivesse cravado um faca nele e o jogasse em uma fornalha, o sangue que saiu de seu coração escorreu como lágrimas por seus olhos. 

Ela nunca se acostumaria a vê-lo daquela forma. Tão imponente deitado sobre aquela cama com todos aqueles aparelhos ligados ao seu corpo, sua pele parecia mais pálida do que o normal e ela podia perceber que sua fisionomia mudava, ele estava ficando mais magro... 

Fechando os olhos com força e depois os abrindo ela caminhou a passos largos em direção a ele, ela pegou em sua mão e a levou ate seu rosto, sua pele antes quente agora estava mais gélida. Ela soluçava pelo choro constante. Droga! Ela não queria ser tão frágil como estava sendo, mas era Edward... Meu Deus, o único homem que ela amou verdadeiramente, seu melhor amigo, seu esposo chato, atencioso, sensível e ao mesmo tempo forte, seu amante... o pai de seu filho. Ver a lágrima cair do olho dele ontem a emocionou de uma maneira que ela não conseguia descrever, ela sabia que de alguma forma ele estava a ouvindo e isso há confortava um pouco.

Sleeping At Last - Turning Page

— Quando te vejo dessa forma meu mundo desmorona, até porque meu mundo é você. — Ela passou os dedos dele sobre sua própria boca para que ele sentisse que ela estava esboçando um pequeno sorriso, ela não sabia se ele podia entender suas palavras e sentir seu toque agora, mas mesmo assim ela não deixava de falar com ele e de tocá-lo. — Estou pensando em reunir nossos familiares e dar a noticia de que estou grávida, mas então achei melhor darmos a noticia juntos. — Ela beijou a palma da mão dele. — Sei que você vai sair dessa rápido, porque... — As lágrimas que haviam cessado por alguns estantes retornaram. —... porque você não pode me deixar sozinha. — Ela engoliu em seco e soltou a mão dele, depois se sentou a beirada da cama e acariciou seus fios de cabelo com uma mão e voltou a pegar a dele com a outra. — Edward. — Ela se inclinou em sua direção e depositou um beijo em sua testa. — Eu te amo, anjo. 

###
09/04

Já se fazia uma semana desde que Edward entrara em coma induzido.

Era tarde, 02h da manhã e Bella estava deitada sobre a cama da Casa de Vidro, ela estava encolhida e trajava uma calça moletom e camisa social de Edward, ela não conseguia dormi, pois sempre que fechava os olhos pesadelos relacionados a Edward a assombravam, os piores pesadelos eram aqueles em que ele... morria. Para afastar maus pensamentos ela ficava recordando as lembranças boas que tiveram juntos. 

— Você é linda. — Bella não conseguia se desconectar do olhar de Edward, até que esse último fechou os olhos e aos poucos foi acabando com a distância entre seus lábios.

Foi apenas um roçar de lábios, mas Bella sentiu borboletas voarem em seu estômago. Ela passou os braços ao redor da cintura de Edward e fechou os olhos aproveitando aquelas sensações deliciosas que invadiam seu ser, apenas com a presença dele.


Ela fechou os olhos e se agarrou as lembranças que a faziam se sentir tão bem, mas tão sozinha após algum tempo, pois só o que restara fora às lembranças.

###

16/04

Seu olhar passava por cada parte do corpo dele, pelos fios de seu cabelo acobreado que tiveram um crescimento significativo durante esse tempo, assim como sua barba, ele havia emagrecido um pouco mais, suas mãos repousavam sobre sua barriga coberta pelo lençol, sua perna havia sido desenfaixada; ele continuava com toda aquela aparelhagem, o que não permitia ver seu rosto com tanta nitidez. Bella se aproximou da cama e pegou uma de suas mãos.

— Oi, anjo. — Com o passar do tempo ela havia controlado mais os choros, mas ela estava grávida e seus sentimentos estavam à flor da pele, ela acabou por deixar algumas lágrimas rolarem enquanto permanecia ali, o olhando com intensidade e pedindo aos céus para que ele se recuperasse logo. — Eu ando vestindo suas roupas quando estou em nossa casa, sentir seu cheiro me passa um sentimento bom. Quando vou dormi pego seu perfume e coloco um pouco sobre seu travesseiro, então eu o abraço imaginando que é você, por alguns segundos eu consigo usufruir de tal fantasia, porém logo a tristeza me abate porque diferente de você o travesseiro não retorna o carinho me abraçando como só você me abraça. — Ela colocou a mão dele em seu ventre. — Minha barriga não está tão visível ao ponto de notarem que estou grávida, o que eu agradeço muito, pois estou te aguardando para darmos a noticia. — Ela sorriu tristemente e mais lágrimas atravessaram sua face. — Eu te amo Edward, com todas as minhas forças.

Não houve resposta... novamente.

###
23/04

Edward circulou a cintura de Bella com os braços a trazendo para junto de si novamente e aos poucos foi retirando sua peça intima e depois foi à vez de Bella retirar a sua boxer. Já nus eles estavam sedentos para sentir a fusão de seus corpos mais uma vez e sem delongas Edward trocou as posições ficando por cima e a penetrando lentamente. Bella circulou sua cintura com as pernas fazendo consequentemente Edward a invadir completamente. 

Seus gemidos eram ouvidos por todo o quarto.
 

Isabella abraçou seus joelhos e deixou as lágrimas rolarem, as lembranças que antes eram reconfortantes agora a atormentavam com frequência, pois as lembranças a fazia se lembrar de que Edward não estava ali com ela. Não ele não estava e apesar de sua mente querer lhe pregar peças do contrario ela ainda tinha o bom senso de saber que ele permanecia sobre aquela cama... 

Como ela sentia falta de ver seus olhos verdes brilharem, de sua voz melodiosa, da quentura de seu corpo sobre o dela, das mãos másculas a acariciando... Meu Deus, quando esse pesadelo teria fim? 

Foi com essa pergunta que Bella presenciou o sol se por, sentada no chão de sua varanda encostada à parede. 

###

30/04

Estava tão próximo de fazer um mês desde que Edward fora induzido ao coma e o vazio no pequeno coração de Bella só aumentava. Ela não conseguia mais fazer nada, a não ser dividir seu tempo entre ficar no hospital e em sua casa... Na casa deles, na Casa de Vidro.

Sua barriga começava a tomar a forma precisa para uma mulher grávida de nove semanas, ela começara a usar blusas mais largas para que não notassem. 

— Bella? — Alice a chamou e ela se virou para trás, a baixinha de cabelos repicados estava na porta do quarto de Edward, mas logo adentrou ao local e fechou a porta. — Tudo bem? — Bella se virou novamente para Edward e voltou a acariciar se cabelo.

— Sim. — Foi apenas o que respondeu.

— Bella? — A chamou novamente, mas dessa vez Bella não se virou para ela. — Bella, olha para mim. — Pediu e Bella ficou algum tempo parada, mas por fim decidiu encarar Alice. — Estou preocupada com você. — Se aproximou da morena.

— Não tem com o que se preocupar. 

— Sério? — Alice cruzou os braços. — Bella você sabe por que Edward está em coma induzido, certo? — Bella assentiu. Era preciso Edward ficar em coma para que se recuperasse, pois ele não suportaria sozinho, precisava da ajuda dos medicamentos que o faziam ficar em coma. O tempo que precisava iria depender apenas dele. — Então você também sabe que ele vai acordar. 

— Sei, mas não achei que fosse demorar tanto. — Olhou para Edward e engoliu em seco.

— Por que você não vai falar com o meu pai? Ele esta ai fora mais a minha mãe. — Bella franziu o cenho para Alice, mas não disse nada. Era horário de visita, talvez ela quisesse ficar sozinha mais o irmão. Ela se levantou, mas antes de se afastar totalmente de Edward lhe beijou a testa e sussurrou em seu ouvido:

— Te amo, anjo. 

Já ao lado de fora ela se deparou com Carlisle e Esme.

— Olá, querida. — Esme a abraçou e Bella retribuiu. — Vou deixá-los a sós, irei pegar um café. — Sorriu e se afastou deles.

— Oi, Carlisle. — Bella cumprimentou e Carlisle a puxou para um abraço amistoso.

— Como você está? — Eles se separaram e Carlisle colocou a mão nas costas dela conduzindo-a pelo corredor.

Por algum motivo Bella não conseguia mentir para Carlisle, era como se fosse inútil dizer a ele que tudo estava bem.

— Estou triste. — Sorriu sem humor. 

— Bem — Carlisle gesticulou com a outra mão um banco que havia no corredor próximo ao bebedouro. — tenho uma novidade que vai levantar seu astral. — Bella se sentou e o olhou curiosa.

— Qual? — Carlisle se sentou ao lado dela e juntou suas mãos com as dela.

— Edward — só de ter tocado no nome dele o coração dela acelerou — esta tendo uma melhora surpreende e os seus medicamentos serão reduzidos.

Bella arfou. 

Aquilo significava que... Meu Deus!

— Carlisle isso quer dizer que... — Suas orbitas estavam marejadas. 

— Sim Bella, Edward sairá do coma induzido. — Ele sorriu e secou uma lágrima que caiu dos olhos dela e atravessou seu rosto — que pela primeira vez em tempos continha um sorriso de felicidade e contentamento. 

~*~*~*

03/05

— Provavelmente ele deve acordar essa semana. — Alice batia as palmas de suas mãos e pulava de alegria no mesmo lugar. 

O coração de Bella estava contente, mas sua felicidade seria completa apenas quando ela pudesse rever aquele par de olhos esverdeados brilharem. 

Fazia pouco menos de uma semana desde que haviam reduzido os medicamentos que deixavam Edward em coma, a expectativa de todos para seu despertar era visível.

— Provavelmente não querida, ele irá acordar. — Carlisle piscou para a filha que sorriu. As palavras dele apenas deixaram Isabella mais ansiosa do que nunca. Ela não via a hora de poder vê-lo consciente novamente. 

— E ele terá que permanecer no hospital por mais quanto tempo, Carlisle? — Bella perguntou.

Os três estavam na mansão Cullen, era a folga de Carlisle e Esme estava com Edward no hospital, Emmett se encontrava no trabalho assim como Rosalie e Jasper que... bem, se tornara o presidente das “Empresas da CIA”. Carlisle havia chamado Bella e Alice para passarem à tarde com ele.

— Ele deverá ficar em observação por um tempo indeterminado, terei uma resposta mais concreta quando ele acordar, mas com certeza não será por muito tempo, Edward tem uma saúde de ferro, afinal. — Carlisle brincou e levou o copo com uma bebida que segurava em uma de suas mãos a boca. Bella abriu um pequeno sorriso e olhou para suas mãos repousadas sobre suas pernas.

Sentados ao sofá da enorme e clara sala de estar, eles já haviam embarcado em um novo assunto, porém foram interrompidos pelo telefone que tocou sobre a mesa ao lado do sofá localizado do lado oposto ao qual estavam.

Isabella sentiu todos os pelos de seu corpo se eriçar.

0 comentários:

Postar um comentário

Não esqueça de comentar, isso incentiva os escritores e também a mim que tento agradar a vocês.